Feira de Santana: vereador comenta projeto que dispõe sobre custeio da iluminação pública

Costa Filho (Correia Zezito): justificou que o projeto de lei busca adequar o custeio da iluminação pública aos ditames da justiça tributária.

Costa Filho (Correia Zezito): justificou que o projeto de lei busca adequar o custeio da iluminação pública aos ditames da justiça tributária.

Atendendo solicitação dos moradores de Feira de Santana, o vereador Correia Zezito (PSL) informou, durante pronunciamento na sessão legislativa desta quarta-feira (14/09/2016), que apresentou o projeto de lei nº 80/2016 que altera e acrescenta a Lei Municipal nº 2.396/2002, que institui a Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública (CIP) e dá outras providências.

De acordo com a proposição, o artigo 2º da Lei Municipal nº 2.396/2002, passa a ter a seguinte redação: “O sujeito passivo da Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública é toda pessoa física ou jurídica, proprietária ou possuidora, a qualquer título, de unidade imobiliária com fornecimento de energia elétrica em cuja calçada defronte a ela haja de iluminação pública”.

Também conforme o projeto de lei, na referida Lei Municipal é acrescentado no seu artigo 2º o parágrafo único: “Em caso de condomínios fechados, verticais ou horizontais, apenas as unidades imobiliárias localizadas em seu domínio serão sujeitos passivos da obrigação de pagar, não sendo estes condomínios contribuintes, evitando-se o bis in idem”.

Correia Zezito justificou que o projeto de lei busca adequar o custeio da iluminação pública aos ditames da justiça tributária, de modo a corrigir o atual estado de desigualdade entre os contribuintes.

“Pretende-se com esse projeto de lei que as pessoas deixem de arcar duas vezes com o custo financeiro da CIP, uma vez quando essa contribuição é cobrada dos condomínios horizontais ou verticais e outra quando é exigida em razão das unidades condominiais que o integram”.

O edil explicou que os condomínios horizontais e verticais correspondem a uma forma coletiva de propriedade, compartilhada pelos proprietários das unidades condominiais. “Assim, cobrar CIP dos condomínios não será mais possível, eliminando-se essa distorção”, disse.

Ele acrescentou: “para a não tributação dos condomínios horizontais e verticais seja expressa e inequívoca, proponho a introdução de um parágrafo único no artigo 2º da Lei Municipal nº 2.396/2002, de modo a eliminar a tributação dos condomínios e, assim, restabelecer a justiça tributária”, pontuou.

O vereador Correia Zezito acredita que a matéria será aprovada pelo Legislativo feirense, uma vez que, segundo ele, é de interesse da coletividade.

Outras publicações

Mais um final de semana violento em Feira de Santana Neste fim de semana em Feira de Santana, a violência que já se tornou uma rotina no dia-a-dia da cidade registrou três homicídios. As vítimas foram Da...
PF prende em Feira de Santana, suspeito de comandar milícia no condomínio Nova Conceição Agentes da Polícia Federal (PF) estiveram na manhã desta sexta-feira (28/01/2011) em Feira de Santana e prenderam um homem conhecido pelo prenome de G...
IBAMETRO lança projeto em Feira de Santana Osny Bomfim comenta sobre projeto do IBAMETRO. O Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade (Ibametro), órgão delegado do INMETRO na Bahia e autarqu...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br