Ex-presidenta Dilma Rousseff diz ser “estranhíssima” votação separada do impeachment

Ex-presidenta Dilma Rousseff durante entrevista para agências internacionais no Palácio da Alvorada.

Ex-presidenta Dilma Rousseff durante entrevista para agências internacionais no Palácio da Alvorada.

A ex-presidenta Dilma Rousseff considerou “estranhíssima” a votação separada do impeachment ocorrida na última quarta-feira (31/08/2016) no Senado, que a condenou a perda de mandato por crime de responsabilidade, mas manteve seus direitos políticos. Em entrevista a jornais estrangeiros, ela afirmou que, com o seu impeachment, foi condenada à “morte política” e disse ter a consciência de que a “democracia foi julgada” junto com ela.

Na entrevista, Dilma declarou que o fatiamento da votação, que permitiu a ela continuar podendo ocupar funções públicas, não “atenua” nem agrava a sua cassação.

“Eu acho que é estranhíssima essa dupla votação. Vota de uma vez de um jeito, vota da outra vez de outro jeito, é no mínimo estranho”, afirmou.

Ao falar sobre o placar da votação, sendo 61 senadores a favor e 20 contra, não foi um “passeio”. “Nem sempre a estrada dos votos é uma estrada de ferro, retinha. Acho que ela é muito tortuosa”, disse.

A ex-presidenta disse não ter um projeto eleitoral elaborado no momento, mas anunciou que fará oposição ao governo de Michel Temer.

“Podiam ter feito diferente, podiam ter feito de qualquer forma. O fato gravíssimo é que me condenaram a morte política ao me tirarem da Presidência, que é a maior pena que algum brasileiro ou brasileira pode obter”, disse.

No Palácio da Alvorada, residência oficial que desocupará nos próximos dias, Dilma afirmou que irá inicialmente a Porto Alegre, onde reside sua família, mas também planeja passar um tempo no Rio de Janeiro.

Dilma voltou a dizer que não cometeu crime de responsabilidade, que não tem contas no exterior e criticou o deputado afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

“Acho gravíssimo o fato de que um programa que não é o eleito pelas urnas seja executado nos próximos anos. Acredito que a consciência de que a democracia foi julgada junto comigo eu tenho”, disse.

STF

Após a divisão do julgamento, PSDB, DEM, PPS e PV entraram com mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal questionando a decisão dos senadores de manter os direitos políticos de Dilma.

Na China, o presidente Michel Temer disse que a questão da habilitação de Dilma para funções públicas é jurídica, e não mais política. “O Senado tomou a decisão. Certa ou errada, não importa, o Senado tomou a decisão. Me parece que ela está sendo questionada agora juridicamente. Então ela sai agora do plano exclusivamente político para o quadro de uma avaliação de natureza jurídica”, disse ele a jornalistas. Na primeira viagem oficial após assumir efetivamente da presidência, Temer participará do encontro do G-20, bloco que reúne as 20 maiores economias do mundo, em Hangzhou.

Outras publicações

Em entrevista, presidenta Dilma Rousseff define estratégia política do Brasil como a construção de um mundo multipolar, mais justo e igualitário Dilma Rousseff: “Vivemos também tempos de grandes oportunidades, com o acelerado avanço de novas tecnologias, a multiplicação do comércio e as possib...
Eleições 2014: em reunião da Executiva Nacional, PP decide apoiar candidatura de Dilma Rousseff Convenção Nacional do PP decide por aliança com Dilma Rousseff. O PP anunciou hoje (25/06/2014) o apoio à reeleição de Dilma Rousseff. A decisão foi...
MP e PF veem indícios de fraude em prestação de contas da chapa Dilma/Temer O Ministério Público Eleitoral (MPE) concluiu pela "existência de fortes traços de fraude e desvios de recursos" na movimentação dos recursos da chapa...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br