Contra o Golpe: milhares de cidadãos voltam a ocupar as ruas de São Paulo pelo “Fora, Temer”; protestos são reprimidos pelos DOPS de Geraldo Alckmin

Manifestação contra o governo de Michel Temer na avenida Paulista, em São Paulo.

Manifestação contra o governo de Michel Temer na avenida Paulista, em São Paulo.

Cerca de 60 mil pessoas se reuniram na Avenida Paulista, neste domingo (11/09/2016) para um ato contra o presidente do Brasil, Michel Temer, e contra o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha. A manifestação, organizada pela Frente Povo Sem Medo, teve pelo menos três detidos.

A marcha teve início por volta das 14 horas, em frente ao Museu de Arte de São Paulo, o Masp, e terminou no Parque Ibirapuera. O protesto foi reprimido pela Polícia Militar, que deteve um homem e duas mulheres, acusados de portar objetos perigosos.

Os manifestantes disseram que os agentes agiram com excesso de agressividade e não informaram o motivo das detenções.

Capitão do Exército tem identidade revelada após se infiltrar em manifestações

Um capitão do Exército Brasileiro se disfarçou de manifestante para entrar em protestos de esquerda e ajudar na prisão ilegal de militantes. O oficial da inteligência militar teve sua verdadeira identidade revelada pelo site de notícias Ponte e pelo jornal El País.

Willian Pina Botelho, especialista em Ciências Militares, foi o principal responsável pela operação que culminou na detenção de 21 jovens em uma passeata contra o presidente Michel Temer no último domingo, 4, em São Paulo. Se passando por um militante de nome Baltazar Nunes, o agente utilizava as redes sociais para fazer contato com ativistas e se infiltrar nos atos. Mas jornalistas da Ponte e do El País acabaram descobrindo a sua identidade após serem contactados por conhecidos do militar, que o reconheceram em imagens publicadas na internet. Em nota, o Exército confirmou a identidade do capitão e disse que sua eventual participação no ato citado está sendo apurada.

DOPS

A ação dos policiais, nos protestos do dias 4 de 11 de setembro de 2016, foi qualificada como um ressurgimento do DOPS e conta com o apoio do governador Geraldo Alckmin (PSDB/SP) e do presidente Michel Temer (PMDB/SP), revela opositor.

A história do DOPS está ligada a movimentos repressores do Estado, contra ações populares. A ação do órgão objetivou reprimir com violência estatal pessoas e movimentos que discordavam como o governo da época. A exemplo do presente, os movimentos questionavam a legitimidade dos governos.

O Departamento de Ordem Política e Social (DOPS), criado em 30 de Dezembro de 1924, foi o órgão do governo brasileiro, utilizado principalmente durante o Estado Novo e, mais tarde, na Ditadura Militar de 1964, cujo objetivo era censurar e impedir movimentos políticos e sociais contrários ao regime no poder. O órgão, que tinha a função de assegurar e disciplinar a ordem militar no país, foi instituído em 17 de abril de 1928 pela lei nº 2304 que tratava de reorganizar a polícia do Estado.

Durante a Ditadura Militar, em São Paulo, o delegado mais conhecido foi Sérgio Paranhos Fleury, devido às acusações de “linha dura” feitas pelos presos.

Os governantes de São Paulo tiveram e têm íntima relação com sistemas repressores, que violam os direitos humanos. O que ocorre nos dias atuais apenas é uma reedição do que ocorreu no passado. Golpes começam assim e, nesse sentido, a revisão histórica apenas confirma a função conservadora/reacionária do governo Geraldo Alckmin.

*Com informações da Agência Sputnik.

Outras publicações

TSE marca depoimento de Sérgio Machado em ação contra chapa Dilma Rousseff e Michel Temer O ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, um dos delatores da Operação Lava Jato, vai prestar depoimento na ação de investigação eleitoral em que ...
Eduardo Cunha responsabiliza governo Temer pela perda do mandato na Câmara Com a cassação do mandato e o fim do foro privilegiado, os dois processos contra Eduardo Cunha que tramitam no STF devem ser transferidos para a Just...
Após prisão do ex-governador Sérgio Cabral, presidente Michel Temer diz que PMDB continua com papel relevante Presidente Michel Temer assisti os correligionários irem para o presídio acusados de atos de corrupção. O presidente Michel Temer disse hoje (17/11/...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br