“Brasil precisa de um novo modelo de Ensino Médio”, avalia deputado Márcio Marinho

Márcio Marinho: O baixo desempenho do Brasil no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA) e a estagnação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) são fortes indicadores de que a reforma é urgente.

Márcio Marinho: O baixo desempenho do Brasil no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA) e a estagnação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) são fortes indicadores de que a reforma é urgente.

O líder do PRB na Câmara, deputado Márcio Marinho (BA), disse na tarde desta terça-feira (27/09/2016), que as mudanças no Ensino Médio são fundamentais para melhorar a qualidade da educação no Brasil. Para o republicano, o Governo Federal acerta ao defender a criação de um novo modelo de ensino, que permita o aprofundamento em áreas específicas do conhecimento e estimule o ensino técnico-profissional.

“O baixo desempenho do Brasil no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA) e a estagnação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) são fortes indicadores de que a reforma é urgente. O governo finalmente começou a buscar resolver problemas estruturais que dificultam o progresso da Nação. Nosso desempenho no PISA é decadente em todas as disciplinas desde do ano 2000. Temos que mudar isso”, disse o deputado.

Marinho lembra que os especialistas idealizadores do PISA escolheram apenas três disciplinas para medir a qualidade dos estudantes: matemática, leitura e ciências. “Eles sabem que essas disciplinas são a base de todo conhecimento. Ao priorizá-las, o Brasil poderá almejar pelo desenvolvimento que esperamos. O resultado do teste PISA tem indicado ao mundo todo que os alunos brasileiros não sabem ler, nem fazer contas. Isso é muito preocupante”, acrescenta.

Formação técnico-profissional

A Medida Provisória 746/2016 propõe a flexibilização da estrutura do Ensino Médio no tocante à formação técnica e profissional. Os sistemas de ensino poderão ofertar experiência prática de trabalho no setor produtivo, com a concessão de certificados intermediários de qualificação para o trabalho. Também fica instituída a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, que prevê o repasse de recursos do Ministério da Educação para os Estados e para o Distrito Federal, pelo prazo máximo de 4 anos por escola.

Saiba mais

O teste PISA é realizado a cada três anos com estudante de 15 anos de 65 nações. No ano de 2000, o Brasil estava na 40ª colocação em Matemática e em 2012, desceu para 58ª posição. No quesito leitura, estava em 37º e caiu para o 55º lugar no ano de 2012. Já em ciências, estava em 40º e despencou para a 59ª posição. Nesse teste, apenas seis países tiveram resultados piores. O resultado do exame de 2015 ainda não foi divulgado.

Outras publicações

Trabalhadores sem diploma podem ter certificado para reconhecer habilidades Trabalhadores sem diploma de educação formal, mas que queiram obter certificados que atestem os conhecimentos profissionais adquiridos ao longo da vid...
Professores em greve ocupam por tempo indeterminado Secretaria Estadual de Educação e cobram solução do governador Rui Costa Professores em greve ocupam Secretaria Estadual de Educação e cobram solução do governador Rui Costa. Professores, estudantes e técnicos das Univers...
Ensino superior privado cobra pagamento do Fies pelo governo Temer Sólon Caldas: Temos quase 2 milhões de alunos estudando de maneira irregular, que não conseguem renovar as matrículas. Diante do atraso no pagamento...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br