Brasil passa por desindustrialização precoce, aponta pesquisa da ONU

A indústria de transformação do Paraná é a terceira mais forte do País, atrás apenas de São Paulo e Minas Gerais. Puxado pelos setores de alimentos, madeireiro, automotivo e de papel e celulose, o Estado foi responsável, em 2014, por 8,3% do Valor da Transformação Industrial (VTI) do Brasil. Os dados são da Pesquisa Industrial Anual (PIA) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) compilados pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes).

A indústria de transformação do Paraná é a terceira mais forte do País, atrás apenas de São Paulo e Minas Gerais. Puxado pelos setores de alimentos, madeireiro, automotivo e de papel e celulose, o Estado foi responsável, em 2014, por 8,3% do Valor da Transformação Industrial (VTI) do Brasil. Os dados são da Pesquisa Industrial Anual (PIA) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) compilados pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes).

Promissora na década de 1980, a indústria brasileira entrou em declínio e hoje representa apenas pouco mais de 10% do Produto Interno Bruto do país.

O conjunto de fatores que colaboraram para essa tendência foi observado em toda a América Latina, mas o Brasil, por seu tamanho e relevância, é o mais significativo caso de desmantelamento precoce da indústria, aponta relatório da Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento, Unctad, divulgado nesta quarta-feira.

O documento anual, que avalia o cenário econômico mundial, abordou amplas tendências econômicas e no caso do Brasil destacou o quadro de retrocesso. De acordo com a Unctad, no começo da década de 1970 a participação das manufaturas na geração de emprego e valor agregado no Brasil correspondiam a 27,4%, em valores da época, enquanto que em 2014 essa participação caiu para 10,9%.

“Todo o sistema que tinha por objetivo industrializar o país entrou em colapso”, disse Alfredo Calcagno, chefe do departamento de Macroeconomia e Políticas de Desenvolvimento da Unctad. Na avaliação da Unctad e dos entrevistados pela reportagem, o processo teve início com os choques econômicos vividos pelo mercado nacional nos anos 80, se intensificou com a abertura comercial no começo dos anos 90, seguido pelo abandono das políticas desenvolvimentistas, e pelo emprego da taxa de câmbio como ferramenta no combate à inflação. Depois, a desindustrialização foi favorecida por reformas liberalizantes do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial e, mais recentemente, pela pauta exportadora focada em commodities e por um real considerado valorizado.

“O caminho para a industrialização do Brasil foi claramente interrompido”, afirmou Paulo Francini, diretor da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo).Precoce

A desindustrialização é considerada precoce pela Unctad quando uma economia não chega a atingir toda sua potencialidade produtiva manufatureira e, em vez de evoluir em direção à indústria de serviços com alto valor agregado – setor terciário -, regride para a agricultura ou cai na informalidade.

O Brasil, no caso, sempre teve expressiva produção agrícola (setor primário), cuja riqueza à partir dos anos 1930 foi canalizada para incentivar o desenvolvimento de uma indústria nacional (setor secundário) por meio de planos estatais.

Países ricos também passam pelo fenômeno de desindustrialização, mas de forma diferente. Com o acúmulo de riqueza, esses países investiram na capacidade produtiva intelectual da população por meio de educação e pesquisa, o que gerou empregos mais sofisticados no setor de serviços. É um movimento de transformação e geração da mais riqueza, e não necessariamente a perda dela.A produção de um iPhone é um bom exemplo. O celular em si é fabricado na China, mas seu design foi desenvolvido na Califórnia, nos Estados Unidos. O trabalho de um engenheiro de design californiano – setor terciário – é muito mais bem pago e complexo do que o de um montador de componentes na linha de produção da China – setor secundário. O trabalho executado nos EUA é mais produtivo, pois agrega maior valor – riqueza – à economia.

Para muitos economistas, o amadurecimento econômico de um país, do setor primário até o terciário, passa necessariamente pela etapa do desenvolvimento industrial, que permitiria o acúmulo de capital e conhecimento produtivo necessários para sustentar a transição rumo a empregos com maior sofisticação intelectual e mais produtivos.

Desmantelamento

Inicialmente impulsionada pela substituição de importações e sequencialmente estimulada por políticas desenvolvimentistas, a indústria brasileira experimentou seu auge no começo dos anos 1980, quando chegou a responder por mais de 30% da geração de valor agregado e emprego no país, segundo números da ONU. A década, porém, além de testemunhar o auge, também registrou o começo da queda.

Supertelescópio desvenda segredos de bolha gigante no espaço

“Os anos 80 foram marcados por crises de choque na América Latina. No Brasil se desmontaram as instituições e mecanismos que eram capazes de manter um sistema industrial competitivo”, explica Pedro Rossi, professor de economia da Unicamp, escola tradicionalmente ligada ao desenvolvimentismo. A dívida externa, a desorganização fiscal e a hiperinflação consumiram a capacidade do governo de promover políticas ativas, levando à negligência da indústria.

Com a abertura do mercado às importações durante o governo Collor, no início dos anos 1990, produtos estrangeiros conquistaram a preferência do consumidor, em detrimento de similares nacionais. Posteriormente, a adoção de um câmbio forte como forma de combate à inflação contribuiu para a perda de competitividade nas exportações, outro abalo à indústria.

“Na década de 90 a política econômica se preocupou unicamente com o combate à inflação e os instrumentos para esse combate foram extremamente prejudiciais à indústria”, avalia Rossi.Condições

De acordo com a Unctad, medidas liberais exigidas pelo Banco Mundial e pelo Fundo Monetário Internacional como precondição para empréstimos também tiveram impacto sobre a indústria brasileira e latino-americana, no fim da década de 90.

“As exigências dessas instituições incluíam a abertura de mercados, privatização, desregulamentação, (…) livre movimento de capitais. Tudo isso mudou a estrutura e orientação da economia de uma forma que foi completamente oposta ao que se tinha até então no Brasil”, conta Calcagno. “Uma indústria que estava crescendo rapidamente promovida pelo BNDES e apoiada por um mercado doméstico em crescimento – todo esse sistema que objetivava industrializar o país entrou em colapso.”

Supertelescópio desvenda segredos de bolha gigante no espaço

A entrada de capital no Brasil, propiciada pelo superciclo de exportação de commodities na primeira década deste século, acabou valorizando a moeda e gerando pressões inflacionárias, que foram, mais uma vez, contidas com juros altos. Apesar de possuir os recursos em termos de capital excedente, a tentativa de retomada de políticas de diversificação durante o governo Lula esbarrou, segundo analistas, na taxa de câmbio, na ineficiência, em problemas de gestão e denúncias de corrupção.

“Mesmo com as iniciativas pontuais de estímulo, nós não construímos um arcabouço coerente pra sustentar a indústria brasileira, que permaneceu em queda, em especial após a crise de 2008”, avalia Rossi, da Unicamp.Retomada

Num cenário pós-crise de 2008, a retomada do crescimento econômico global passará pelo resgate do consumo da classe média nos países ricos, opina a Unctad. Aos países em desenvolvimento é feita a recomendação de que trabalhem em suas economias domesticamente, frente a um cenário internacional pouco otimista.

Ao Brasil, num momento em que ainda profundamente imerso nos seus próprios problemas, a organização recomenda apoio estatal ao estímulo industrial e uso do capital estrangeiro – seja ele em investimento direto ou especulativo. “A experiência de sucesso de países industrializados demonstra que a transformação estrutural exige atenção a diferentes fontes de crescimento, incluindo estimular investimento privado e público, apoiando o desenvolvimento tecnológico, fortalecendo a demanda doméstica e aumentando a capacidade dos produtores domésticos de cumprir exigências internacionais”.

A Fiesp, apesar de apoiar Temer, diz ainda não ter clareza sobre as políticas de estímulo ao setor do novo governo, nas palavras de Francini. “Vai depender de convencimento. Os formuladores de políticas precisam ter o entendimento de o que representa a indústria num país com as dimensões do Brasil”, opina.

*Com informação da BBC Brasil.

Outras publicações

INSS vai ter de pagar benefícios a parceiros de homossexuais O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) terá de alterar o embasamento com o qual é feito o reconhecimento da união estável para fins de pensão po...
Salvador: Sucom apresenta oportunidades promovidas pelo PDDU e Louos em ciclos de debate Vista aérea de Salvador. A Secretaria Municipal de Urbanismo (Sucom) realizará, nesta quinta-feira, (03/11/2016), a terceira reunião de um ciclo de ...
Petrobras anuncia venda de gasodutos à iniciativa privada por US$ 5,2 bilhões Petrobras anuncia venda de gasodutos. O Conselho de Administração da Petrobras aprovou a venda de 90% das ações da Nova Transportadora do Sudeste (N...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br