Senadora Kátia Abreu diz que impeachment “nasceu da vingança sórdida de Eduardo Cunha”

Plenário do Senado durante sessão deliberativa extraordinária para votar a Denúncia 1/2016, que trata do julgamento do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff por suposto crime de responsabilidade.

Plenário do Senado durante sessão deliberativa extraordinária para votar a Denúncia 1/2016, que trata do julgamento do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff por suposto crime de responsabilidade.

Primeira a usar o tempo reservado a senadores inscritos no quarto dia de julgamento do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, a senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), não fez perguntas. Embora do mesmo partido do presidente interino, Michel Temer, a senadora é uma das maiores defensoras de Dilma no Senado e usou os cinco minutos para reiterar o apoio à petista e listar melhorias na área agrícola durante o período em que foi ministra da Agricultura.

Segundo Kátia Abreu, Dilma foi a chefe do Executivo que mais deu atenção ao agronegócio nas últimas décadas. “Não tenho dúvida que esse impeachment é um processo que nasceu da vingança sórdida de Eduardo Cunha [ex-presidente da Câmara dos Deputados] e da ganância de um pequeno grupo pelo poder”, afirmou. Em tom inflamado, ela concluiu dizendo que “a história do Brasil vai contar aos brasileiros de hoje e do futuro o que estamos assistindo aqui”.

Em resposta ao pronunciamento da senadora, Dilma afirmou que o processo contra ela “coloca em causa o futuro do país”. “A partir de agora, sem base em questões juridicamente fundadas, será possível afastar governantes de suas funções. Se isso não é instabilidade política, eu acredito que poucas coisas são”, disse. Segundo ela, com o impeachment, a instabilidade jurídica estará instalada.

Tese de golpe é criticada

A primeira a falar a favor do impeachment, a senadora Ana Amélia (PP-RS) disse que, por mais dolorosa que seja, a função de julgamento irá cumprir sua obrigação e criticou a classificação feita por petistas de que o processo é um golpe. Segundo ela, foram praticados crimes fiscais que têm as digitais de Dilma e a intenção eleitoral.

Segundo a senadora do Rio Grande do Sul, que já esteve na base aliada do governo durante o primeiro mandato de Dilma, a presidente afastada foi autora do “descontrole fiscal” vivido pelo país. Ela ainda afirmou que todos os direitos de defesa foram assegurados a Dilma pela Justiça e que sua presença no Senado legitima o fato de não se tratar de um golpe.

Ao rebater as observações, a presidenta afastada falou da diferença daquilo que classifica golpe hoje para o golpe militar de 1964. “Não podemos achar que a mesma análise que se faz para o golpe de estado, baseado na intervenção militar, é a mesma para o que toda a literatura política chama de golpe de estado parlamentar. No golpe militar é como se derrubássemos uma árvore, derrubando o governo e o regime democrático”, afirmou.

Dilma destacou que no golpe parlamentar – do qual ela dizer ser alvo – um presidente eleito pelo voto direto é retirado do cargo por razões frágeis. “É como se a árvore não fosse derrubada, mas sofresse intenso ataque de fungos, por exemplo”, disse Dilma.

A presidente afastada afirmou que a única forma de combater um “golpe parlamentar” é abrir um diálogo. “Porque eu quero que a democracia no meu país saia ilesa desse processo”, respondeu Dilma. “Não basta o rito correto. Há que se ter um conteúdo justo. Não basta a forma, senadora.” “Aqueles que não gostam que o nome seja golpe querem encobrir um fato”, criticou.

Lula e Chico Buarque nas galeriasO ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, acompanha a sessão no Senado desde a chegada de Dilma. Ele é um dos convidados da petista que estão nas galerias do plenário. Dilma também veio acompanhada pelo cantor Chico Buarque de Hollanda e de ex-ministros de seu governo, como Jacques Wagner e Ricardo Berzoini.

Do lado da acusação, que também apresentou uma lista de convidados, estão representantes de movimentos sociais como o Vem para a Rua e a filha do jurista Hélio Bicudo, um dos autores do pedido que deu origem ao processo de impeachment.

*Com informação da Agência Brasil.

Outras publicações

Presidente eleita, Dilma Rousseff apresenta nomes para dez ministérios Helena Chagas será ministra da Secretaria de Comunicação da Presidência A presidenta eleita, Dilma Rousseff, confirmou oficialmente hoje (08/12/2010...
Presidenta Dilma Rousseff destaca educação como caminho para igualdade de oportunidades “Sabemos que há um caminho que, junto com as demais iniciativas e, mais do que as outras, tem o poder de assegurar a permanecia e estabilidade do ace...
Operação Métis: Juiz diz que Polícia do Senado atuava desde 2015 para atrapalhar Lava Jato A Polícia Federal prendeu policiais legislativos suspeitos de atrapalhar a Operação Lava Jato. O juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Feder...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br