Salvador: Núcleo Viansatã estreia espetáculo ‘A Danação de Tristão e Isolda – Capítulo 1’

Elenco de 'A Danação de Tristão e Isolda – Capítulo 1'.

Elenco de ‘A Danação de Tristão e Isolda – Capítulo 1’.

Há sete anos o Núcleo Viansatã de Teatro Ritual – formado por artistas oriundos da Universidade Federal da Bahia – movimenta-se em torno do banquete ao Caos, inspiradopela filosofia cruel do encenador, ator e poeta francês Antonin Artaud. Desde a noite libriana de sua criação, o grupo tem se alimentado de histórias que versam a respeito de paixões devoradoras e realiza investigação continuada sobre o cruzamento de rituais sagrados e energia sexual como motriz de criação compartilhada.

Seu próximo espetáculo, ‘A Danação de Tristão e Isolda – Capítulo ‘I, evocará a trágica paixão do casal de tempos medievais que inspirou diversas narrativas de amor pelo mundo. A encenação se iniciará ao ar livre – no chão de pedras centenárias do Largo doCruzeiro de São Francisco, no Pelourinho – e tratará do mito de Tristão e Isolda. Em seguida a antiga história ganha seu Duplo, uma adaptação viansatãnica envolta em enigmas e mistérios, que acontecerá dentro da Bouche de L’Enfer – sede do grupo,localizada no número 21, no mesmo Largo.

A peça ficará em cartaz a partir do dia 30 de agosto até 13 de outubro, sempre às terças, quartas e quintas-feiras, 20h00. A temporada integra o projeto “Ciclos de Contágio Teatral – Manutenção do Núcleo Viansatã”, contemplado pelo Edital de Apoio a Grupos e Coletivos Culturais 2014 da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), vinculada à Secretaria de Cultura (SECULT), financiado pelo Fundo de Cultura (FCBA) e Secretaria da Fazenda do Estado (SEFAZ-BA).

O ator e sacerdote do Viansatã, Jones Mota – que interpretará Marc (Rei da Cornualha), adianta que quem subir as escadas da Bouche estará escolhendo beber da poção que explodirá o universo do mito de Tristão e Isolda em imagens, sabores e aromas. “É um convite para navegar por fractais do mito, em que a nau é a própria poética do Viansatã e o tesouro, a Danação. Não há o desejo de controlar as pupilas. Há o desejo de dilatá-las para que o público consiga ver para além da forma”, pondera.

Mito

A lenda conta a história do jovem cavaleiro Tristão, que recebeu de seu tio, o Rei Marc, a missão de buscar em outras terras sua futura esposa, a princesa Isolda. Durante a viagem, Tristão e Isolda bebem inadvertidamente de uma poção e se apaixonam de forma irreversível. Os jovens vivem terríveis dilemas de honra, dever e afeto, mas não conseguem conter a paixão avassaladora que os toma vivendo em segredo um caso de amor que os leva à morte em circunstâncias cruéis.

Para a encenadora e dramaturga do Viansatã, Amanda Maia, “há em Tristão e Isolda uma grande janela para a discussão sobre as consequências do desejo e sua concretização. Os meandros ardilosos em que os amantes estão inseridos não são capazes de impedir a realização da vontade, ainda que isso os conduza à morte”. Em dado momento do espetáculo, um dos personagens indaga diretamente à plateia, “de que vale viver sem aquilo que nos vale?”, pergunta norteadora para a concepção do grupo, que aborda nesta obra as escolhas sinceras à revelia dos pactos sociais.

É sobre esse mito que trata a primeira parte de A Danação de Tristão e Isolda, contado pelo Mestre de Cerimônias ao público que estiver presente no Largo do Cruzeiro de São Francisco. Quando o fim parecer provável, o Mestre de Cerimônias fará o convite àqueles que desejarem subir as escadas da Bouche de L’Enfer para que assistam a “tempestades no fundo do mar”, onde vive um outro Tristão, uma outra Isolda, um outro Marc, bruxas e deusas.

Releitura

A adaptação viansatãnica apresenta novas encarnações dos personagens: o guerreiro Tristão vira o padre da Paróquia de Santa Brígida e o Rei Marc é um grande empresário,dono do cabaré onde vai trabalhar Isolda, agora uma misteriosa cigana. A poção do amor, responsável por fazer Tristão e Isolda apaixonarem-se perdidamente, se faz presente como mulher, a personagem Belladona, beata da paróquia de Tristão.

A Lua, por sua vez, também é apresentada em livre interpretação, personificada como cantora do cabaré de Marc, que contribuirá profundamente para a paixão de Tristão e Isolda. O reino da Cornualha, local da história medieval, se torna uma rua cheia de contradições; bares, altares, vitrais e quartos formam um caleidoscópio onde a narrativa da danação dos amantes verte-se em um acontecimento impremeditável, cíclico (que não tem início-meio-fim) e episódico.

Amanda Maia realça que a história é cheia de “espaços aerados e inconclusos, metáforas abertas e metonímias, como todo quebra-cabeça que se preze”, e foi dessa forma que o grupo fez suas escolhas de encenação.

Intérpretes

A atriz e sacerdotisa Juma Mascarenhas, que viverá a Poção, explica que “a nossa danação foi e sempre será a paixão que nos corrói e nos move. O Viansatã é viciado na paixão exposta como vísceras, carne crua pulsante, sangue latente nos olhos. Embarcamos juntos nesse mar, ora aberto, ora fechado, chegando sempre a novos inícios”.

Apesar de ter sido a história escolhida para iniciar a sua trajetória, o Viansatã passou por um processo de sete anos de pesquisa e antes de A Danação de Tristão e Isolda – Capítulo 1, já encenou Lumus (2012-2013) e Cirque por Julieta, uma Rapsódia Viansatãnica (2014-2016), este último inspirado na história de William Shakespeare.

Por ser um grande manancial de suas investigações artísticas, o grupo se comprometeu a realizar ainda o Capítulo 2 e 3, tornando esse o ponto inicial de uma trilogia. “Nossa história é como uma gestação. Cada momento que passamos dentro e fora do grupo foi para sermos quem somos agora neste espetáculo, no meu caso, a Poção: doce, quente e líquida mulher que me tornarei para enamorar os desejos malditos”, explica Mascarenhas.

Agenda

Quando: 30 de agosto a 13 de outubro de outubro, às 20h00

Onde: Bouche de L’Enfer – sede do Núcleo Viansatã de Teatro Ritual, localizada no Largo do Cruzeiro de São Francisco, 21, 1º andar, Pelourinho.

Outras publicações

Vereador quer PT fortalecido em Salvador para auxiliar governo de Rui Costa Vereador Luiz Carlos Suíca defende maior espaço político para o PT da capital. Nesta segunda-feira (15/12/2014), os políticos eleitos foram diplomad...
Governador e Ministro dos Esportes visitam obras da arena Fonte Nova O ministro dos Esportes, Orlando Silva, e o governador da Bahia, Jaques Wagner, fazem, nesta sexta-feira (11/02/2011), às 8h30, visita técnica às obra...
IPAC abre licitação para iluminar monumentos do Centro Histórico Responsável pela política pública de preservação e difusão dos bens culturais - materiais e imateriais - da Bahia, o Instituto do Patrimônio Artístico...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br