Salvador: ‘ Juca Chaves – Em Rítmo de Lava-Jato’ estreia no Teatro Eva Herz

Juca Chaves completou 56 anos de carreira.

Juca Chaves completou 56 anos de carreira.

Com formação em música erudita começou a compor ainda na infância. Iniciou sua carreira no fim da década de 1950, tocando modinhas e trovas num estilo suave.

Nos anos 60 montou um circo nas proximidades da Lagoa Rodrigo de Freitas, do Corte de Cantagalo. Ali apresentou seu show Menestrel, Maldito. Conforme o próprio Juca, o nome do circo era uma sigla: S de “snob”, D de “divino Dener“, R de “ralé”, U de “uanderful”, W de “water-closet”, S de “Sdruws mesmo”.

O humorista costumava contar a seguinte sobre o Sdruws, perto do qual ficava uma favela. Juca convidava para o circo políticos, empresários, também o pessoal da alta sociedade carioca e antes da primeira apresentação, resolveu reunir os líderes da favela para lhes falar com franqueza, indo direto ao assunto: “Vim aqui para saber como vai ficar o negócio do roubo?”. Uma mulher baixinha, morena (líder da favela) foi logo respondendo com firmeza: “Olha aqui seu Juca, nós entendemos a sua preocupação e lhe agradecemos pela sinceridade, mas pode o senhor ficar tranquilo, porque a nossa comunidade já se garantiu, e pediu proteção à Polícia!”.

Muitas de suas piadas ficaram famosas, marcaram época. Dentre elas temos:

“a hiena é um animal que come fezes dos outros animais, só tem relações sexuais uma vez por ano e ri. . . mas ri de quê?”

“Escotismo: um bando de garotos vestidos de idiotas, comandados por um idiota vestido de garoto” (Juca  teria pedido desculpas  por essa  frase).

Juca foi um crítico do Regime Militar, da grande imprensa e do próprio mercado fonográfico. Chegou a ser exilado em Portugal na década de 1970 mas, ao incomodar o governo de Salazar com suas sátiras que então ganharam espaço nas rádios e televisão locais, transferiu-se para a Itália.

De volta ao Brasil, apresentou programas de televisão. Na década de 1980, lançou sua gravadora independente, a  Sdruws Records. Um de seus bordões mais conhecidos é:

” Vá ao meu show e ajude O Juquinha a comprar o seu caviar”, seguido de sua risada característica.

Dentre suas canções mais conhecidas estão “A Cúmplice”, “Menina”, “Que Saudade”, “Por Quem Sonha Ana Maria” e “Presidente Bossa Nova”.

Em 2003 outro sucesso de Chaves nos anos 70 – a canção “Take me Back to Piaut”- foi editado na coletânea “Brazilian Beats Volume 4” da gravadora britânica Mr. Bongo, especializada em música popular brasileira.

Juca Chaves tem duas filhas adotadas e reside na Bahia. Também é conhecido por ser um fanático torcedor do São Paulo Futebol Clube.

Em  2010 comemorou os seus 50 anos de carreira com o “Jubileu de Ouro”, cujo espetáculo percorreu o Brasil inteiro.

Em 2011, surpreendentemente, sua música dos anos 60, Take me Back to Piauí, teve enorme repercussão no Japão numa versão remixada que atingiu em cheio a juventude, o que levou Juca Chaves a auto parodiar-se com a versão intitulada Hei hei, Ge, Ge, o Fim do Mundo vem aí.

No ano de 2012, ele segue com seu espetáculo Finalmente de Pé… Quase onde comemora 55 anos de carreira, 50 mais 10%, de uma trajetória contundente, vitoriosa, polêmica e sobretudo, inteligente.

O gênero Stand Up Comedy já era praticado por Juca Chaves nos anos 60 e segue até hoje, atual e moderno, satirizando, cotidiano com sutileza e encantando o público com suas modinhas de amor, o Menestrel do Brasil se mostra Finalmente em Pé… Quase

Agora seguindo a turnê 2015/2016, não deixando de acompanhar o momento do que está acontecendo no Brasil, realiza o espetáculo “Juca Chaves em Rítmo de Lava-Jato”.

Agenda

Quando: 03 a 24 de setembro/16 – Todo sábado | Horário: 20h

Onde: Teatro Eva Herz – Livraria Cultura do Salvador Shopping

Publicidade

Compartilhe e Comente

Facebook do JGB

Publicações relacionadas

+ Publicações >>>>>>>>>

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br