Ranking da Folha de São Paulo avalia que gestão de ACM Neto em Salvador apresenta baixo investimento na educação

Dados estatísticos de Salvador indicam que administração de ACM Neto é negligente com relação aos investimentos em educação.

Dados estatísticos de Salvador indicam que administração de ACM Neto é negligente com relação aos investimentos em educação.

O Jornal Folha de São Paulo disponibilizou, a partir de sábado (26/08/2016), ferramenta tecnológica com a finalidade de apresentar e analisar dados estatísticos dos municípios brasileiros. Os dados compreendem os setores da educação, saúde, saneamento, finanças, servidor por habitante e índice de desenvolvimento humano municipal (IDHM).

Com relação ao município de Salvador, os dados da Folha indicam que a unidade federativa aparece na 2.107º posição em relação aos 5.570 municípios brasileiros. A partir do conjunto dos dados, o jornal, no quesito gestão pública municipal, atribuiu 0,473 pontos, equivalente ao conceito ‘alguma eficiência’.

Os dados do infográfico da Folha indicam que Salvador obteve 0,642 pontos na avaliação do setor da educação, a média no Brasil é de 0,509 pontos; na saúde foram atribuídos 0,163 pontos, a média no Brasil é de 0,500 pontos; no saneamento básico foram atribuídos 0,955 pontos, a média no Brasil é de 0,567 pontos; e no quesito receita total foram atribuídos 0,085 pontos, a média no Brasil é de 0,166 pontos.

O município de Salvador apresenta número reduzido de servidores por habitante. Foram computados 0,8 servidores a cada 100 habitantes, enquanto a média no Brasil é de 5,1 servidores a cada 100 habitantes.

De acordo com o ranking de eficiência dos municípios, o jornal indica que o Poder Legislativo municipal de Salvador recebe recursos financeiros inferiores à média nacional, ou seja, o Poder Executivo repassa para o Poder Legislativo 3% das receitas, enquanto a média nacional é de 4%.

O jornal indica que na educação, o município de Salvador investe menos do que a média do país, ou seja, o município investe 19% da receita com educação, enquanto a média nacional é de 32%; na saúde o investimento está na média nacional, com investimento de 24%.

Observa-se que o baixo investimento em educação é típico de governos conservadores. Os governos conservadores, a exemplo da gestão do prefeito ACM Neto (DEM), investem pouco em educação porque preferem ter uma sociedade com baixo nível de compreensão crítica do processo histórico na qual está inserida.

No quesito saneamento, os significativos investimentos ocorridos em Salvador são decorrentes de ações do Governo do Estado, através da concessionária pública estadual Embasa.

Confira outros dados estatísticos de Salvador

População (2015): 2.902.927

Área: 692,82 km²

IDHM (2010): 0,759

PIB (2013): R$ 52.667.933.202

Educação (2010) | Crianças de 0 a 3 anos na escola: 30%; Crianças de 4 e 5 anos na escola: 89%

Saúde | Cobertura por equipes de atenção básica (2013): 31%; Médicos por 1.000 habitantes (2014): 0,2

Saneamento (2010) | Atendimento de água: 99%; Coleta de lixo domiciliar: 97%; e Cobertura de esgoto: 91%

Finanças (2013) | Receita total per capita: R$ 1.608

Baixe

Dados estatísticos do IBGE sobre Salvador

Outras publicações

Península Itapagipana recebe investimentos em esporte e inclusão social O Governo do Estado, por meio da Superintendência dos Desportos do Estado da Bahia (Sudesb), renovou, por mais sete meses, convênio com a Associação B...
Marcio Pochmann e Waldir Pires palestrarão juntos na Conferência do Desenvolvimento na Bahia O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), em parceria com o Governo da Bahia, promoverá nos dias 4 e 5 de outubro, em Salvador, a Conferência...
Salvador: Teatro Gil Santana mantém programação intensa no Ciranda Café Rio Vermelho Cena do espetáculo 'Chapeuzinho vermelho'. Criado em 1996, no bairro do Rio Vermelho, o Teatro Gil Santana, que leva o nome do seu idealizador e dir...

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: diretor@jornalgrandebahia.com.br.