Presidente do STF recebe abaixo-assinado de juristas em apoio ao ex-presidente Lula; 64 procuradores, advogados e professores de direito assinaram o documento em apoio à ação movida pelo petista na ONU

Juristas divulgam petição em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do estado de direito.

Juristas divulgam petição em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do estado de direito.

Mais de 60 advogados divulgaram na segunda-feira (01/08/2016) uma petição online na qual defendem o recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU). De acordo com os profissionais, Lula é alvo de “ataques preconceituosos e discriminatórios” e de tentativas de criminalização. A petição é endereçada ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski.

No documento, os advogados argumentam que qualquer pessoa pode recorrer à ONU quando entender que seus direitos são violados. Os apoiadores do ex-presidente também repudiam as manifestações de associações de magistrados contra o recurso.

“Não é despiciendo lembrar que o Brasil é, desde 1992, signatário do Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos da ONU e, desde 2009, também do seu Protocolo Facultativo, que prevê expressamente a possibilidade de qualquer pessoa encaminhar comunicação escrita ao referido comitê, quando se sentir ameaçada pela violação dos direitos protegidos pelo Pacto de Direitos Civis e Políticos da ONU”, argumentam os advogados.

Em Defsa do Estado de Direito

Advogados, professores e economistas assinam a petição. Entre os apoiadores estão o ex-ministro da Justiça e subprocurador da Procuradoria-Geral da República (PGR), Eugênio Aragão, e Manoel Volkmer de Castilho, assessor técnico no gabinete do ministro do Supremo, Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato. O advogado Flávio Caetano, que atuou na campanha eleitoral da presidenta afastada Dilma Rousseff, também está na lista. O deputado federal Wadih Damous (PT-RJ) também assinou a petição, em conjunto com os juristas e professores como os penalistas Juarez Tavares, Geraldo Prado e Leonardo Yarochewsky,e ex-advogado-geral da União Álvaro Augusto Ribeiro Costa.

Na petição, intitulada “Em Defsa do Estado de Direito”, os juristas apontam os abusos e arbitrariedades praticados contra Lula e não apenas no âmbito da chamada Operação Lava Jato.

O ex-ministro Eugênio Aragão afirma que o documento dos juristas “tem, sobretudo, a função de contrastar com posições corporativas que têm sido tomadas por magistrados, aparentemente indignados pelo fato de que o presidente Lula ousou fazer uso de um recurso previsto no Direito internacional.”

Recurso na ONU

No recurso apresentado ao Comitê de Direitos Humanos da ONU, Lula reclamou sobre o que considera “atos ilegais” praticados pelo juiz federal Sérgio Moro, entre eles a gravação e divulgação de conversas privadas dele com advogados e também com a presidenta afastada Dilma Rousseff, além da condução coercitiva para um depoimento no dia 4 de março.

A peça foi protocolada na sede do comitê, em Genebra, na Suíça. Segundo a defesa, o documento é uma resposta aos atos de Moro, que “não podem ser satisfatoriamente corrigidos na legislação brasileira”.

Outras publicações

Justiça manda devolver R$ 145 milhões à Petrobras A Justiça Federal determinou hoje (29/09/2016) a devolução de R$ 145,6 milhões à Petrobras, referentes a valores repatriados ao Brasil de contas na Su...
Ministro do STF envia inquérito de Eduardo Cunha para Justiça Federal do DF Eduardo Cosentino da Cunha durante votação que cassou mandato de deputado federal. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello deter...
Presidente Lula concede entrevista ao programa É Notícia, da RedeTV! Tem uma parte da elite política apodrecida deste País que não estava acostumada com a alternância de poder. E eu sou a alternância de poder. E eles sa...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br