Operação Ninguém Escapa: Odebrecht cita presidente interino Michel Temer em negociação de delação premiada, revela revista Veja

Presidente interino Michel Temer é capa da revista Veja, por envolvimento no esquema do Caso Lava Jato. Na delação que a empreiteira está negociando, um anexo diz que Michel Temer participou de reunião em 2014 que resultou na doação de R$ 10 milhões em dinheiro vivo.

Presidente interino Michel Temer é capa da revista Veja, por envolvimento no esquema do Caso Lava Jato.

O presidente interino Michel Temer confirma o jantar com Odebrecht no Palácio do Jaburu, mas garante que pediu apoio financeiro dentro da lei e que tudo foi declarado.

O presidente interino Michel Temer confirma o jantar com Odebrecht no Palácio do Jaburu, mas garante que pediu apoio financeiro dentro da lei e que tudo foi declarado.

Reportagem da edição de capa da revista Veja, veiculada na sexta-feira (05/08/2016), revela que em delação premiada a Odebrecht cita o presidente interino Michel Temer (PMDB/SP) como participante de reunião que definiu a “doação” de R$ 10 milhões em dinheiro vivo para o esquema de corrupção desvelado pela força-tarefa do Caso Lava Jato.

A reportagem de Daniel Pereira cita que VEJA teve acesso a um anexo da delação premiada mais esperada do escândalo do petrolão. A Odebrecht mobilizou mais de uma centena de advogados para assessorar a delação de seu presidente, Marcelo Odebrecht, e de cerca de cinquenta executivos da empresa. No trecho a que VEJA teve acesso consta a informação de que em maio de 2014 houve um jantar no Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente da República. Nele, estavam o próprio vice Michel Temer e o então deputado Eliseu Padilha, atual ministro-chefe da Casa Civil. Do lado da empreiteira, Marcelo Odebrecht. Segundo os termos do anexo, Temer pediu “apoio financeiro” ao empresário. Marcelo Odebrecht, um campeão em contratos com o governo federal e um financiador generoso de políticos e campanhas eleitorais, prometeu colaborar. Afinal, estava diante do vi­ce-presidente da República e comandante em chefe do PMDB, o maior partido do país, que controlou desde a redemocratização cargos estratégicos da máquina pública, como diretorias da Petrobras e de estatais do setor elétrico.

Segundo a reportagem, a Lava-Jato já sabe que empreiteiras repassaram propinas a partidos na forma de doações eleitorais. Ou seja: que usaram a Justiça Eleitoral para lavar dinheiro sujo. No caso da negociação no Jaburu, o anexo da empreiteira promete provar, caso a delação seja homologada, que se deu uma operação distinta: o pagamento do “apoio financeiro” aconteceu em dinheiro vivo, entre agosto e setembro de 2014. A Odebrecht repassou 10 milhões de reais ao PMDB. Do total, 4 milhões tiveram como destinatário final o próprio Eliseu Padilha. Já os 6 milhões de reais restantes foram endereçados a Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Skaf tem boa relação com Marcelo Odebrecht e é apontado como o mentor do jantar entre o empreiteiro e os peemedebistas, do qual não participou. Em 2014, ele disputou o governo de São Paulo pelo PMDB graças ao apoio de Temer. O repasse dos 10 milhões de reais em dinheiro vivo está, segundo o anexo, registrado na contabilidade do setor de operações estruturadas da Odebrecht, também conhecido como “departamento da propina”.

Em nota, o presidente interino confirmou o jantar e afirmou que ele e o empresário conversaram “sobre auxílio financeiro da construtora Odebrecht a campanhas eleitorais do PMDB, em absoluto acordo com a legislação eleitoral em vigor e conforme foi depois declarado ao Tribunal Superior Eleitoral”. Segundo dados do TSE, a Odebrecht repassou 11,3 milhões de reais à direção nacional peemedebista em 2014. Seria a mesma doação? Para evitar fraudes, a Justiça Eleitoral exigia que os recursos doados legalmente pelas empresas fossem depositados na conta do partido. Na delação da empreiteira, os 10 milhões saíram em dinheiro vivo e foram contabilizados em seu “caixa paralelo”.

Temer não esclareceu se foi ele quem pediu a ajuda financeira, conforme relatado à força-tarefa da Lava-Jato, ou se a iniciativa partiu de Marcelo Odebrecht. Consultado por VEJA, Eliseu Padilha enviou uma nota. Diz: “Lembro que Marcelo Odebrecht ficou de analisar a possibilidade de aportar contribuições de campanha para a conta do PMDB, então presidido pelo presidente Michel Temer”. Padilha negou que tenha recebido os recursos da Odebrecht. Sua assessoria escreveu: “Como Eliseu Padilha não foi candidato, não pediu nem recebeu ajuda financeira de quem quer que seja para sua eleição”. Paulo Skaf também declarou que a empreiteira não doou para a sua campanha e que recebeu apenas 200 000 reais da Braskem, petroquímica controlada pela Odebrecht. A empreiteira não comenta o assunto sob a alegação de que está negociando uma delação premiada e tem o compromisso de manter a confidencialidade.

Outras publicações

Não ao fascismo: representantes de seis países deixam plenário da ONU em protesto contra presidente Michel Temer; líderes qualificam político como golpista Em protesto, representantes de seis países latinos deixaram o plenário da ONU quando o presidente brasileiro, Michel Temer, iniciou o discurso de abe...
Ministro do STF volta atrás e retira crítica a defesa do ex-presidente Lula Ministro Teori Zavascki reconheceu que usou uma expressão. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki reconheceu na quarta-feira (1...
PF pede arquivamento de inquérito contra senador Humberto Costa na Lava Jato Senador Humberto Costa. No relatório enviado ao Supremo, a PF afirma que “esgotadas as diligências vislumbradas não foi possível apontar indícios su...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br