Investigado pela Lava Jato que estava na China se entrega à Polícia Federal

Operação Resta Um foi o nome dado à operação policial brasileira deflagrada pela Polícia Federal, em 2 de agosto de 2016, que representou a 33ª fase da Operação Lava Jato. Foram presos na operação Ildefonso Colares Filho e Othon Zanoide, dois ex-executivos da Construtora Queiroz Galvão, que já haviam sido presos provisoriamente na sétima fase da Lava Jato, batizada de Juízo Final.

Operação Resta Um foi o nome dado à operação policial brasileira deflagrada pela Polícia Federal, em 2 de agosto de 2016, que representou a 33ª fase da Operação Lava Jato. Foram presos na operação Ildefonso Colares Filho e Othon Zanoide, dois ex-executivos da Construtora Queiroz Galvão, que já haviam sido presos provisoriamente na sétima fase da Lava Jato, batizada de Juízo Final.

O executivo Marcos Pereira Reis, ligado ao consórcio Qirp, se entregou na quinta-feira (05/08/2016) à Polícia Federal (PF) em Curitiba. A Justiça Federal havia expedido mandado de prisão temporária contra ele na terça-feira (2), durante a 33ª fase da Operação Lava Jato, mas o investigado estava na China.

Reis havia informado às autoridades que iria se entregar e que estava providenciando o retorno ao Brasil. Ele se apresentou no começo da tarde, pouco antes das 14h, na Superintendência da PF em Curitiba.

O executivo foi levado ao Instituto Médico Legal para fazer o exame de corpo de delito e, em seguida, prestou depoimento. Marcos Reis permanecerá no cárcere da PF por um período de cinco dias, contados a partir desta sexta-feira,  a menos que o juiz federal Sérgio Moro mude a prisão para preventiva (sem prazo para sair).

Operação

A 33ª fase da Operação Lava Jato teve como foco irregularidades cometidas pela Construtora Queiroz Galvão, a terceira em volume de contratos com a Petrobras. Denominada ‘Resta Um’, essa fase ter por objetivo investigar contratos para obras no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro e nas refinarias de Abreu e Lima (PE), do Vale do Paraíba (SP), Landulpho Alves (BA) e de Duque de Caxias (RJ).

Segundo a PF, a construtora integrava o chamado “cartel de empreiteiras”, com pagamentos de proprina sistemáticos a funcionários e diretores da Petrobras, assim como a partidos políticos.

A força-tarefa da Lava Jato também informou ter identificado indícios concretos de que executivos da construtora fizeram pagamentos em dinheiro para dificultar o andamento da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras no Senado, em 2009.

Outras publicações

STF: liminar do ministro Teori Zavascki permite transferência de José Carlos Bumlai de presídio para prisão domiciliar José Carlos Bumlai está preso por ordem do juiz Sérgio Moro no caso Lava Jato. O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), deferiu...
Líderes apostam em quórum alto na votação que vai decidir futuro do deputado afastado Eduardo Cunha Eduardo Cosentino da Cunha responde a processo por envolvimento em atos de corrupção. Líderes partidários na Câmara apostam em quórum de mais de 400...
Indiciamento de Lula é tempero político | Por Tereza Cruvinel Tereza Cruvinel: Foi providencial, para a arquitetura do golpe, indiciar Lula e sua mulher Marisa Letícia neste exato momento, quando o julgamento no...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br