Em Salvador, Robson Conceição e Alemão atuam como voluntários para ensinar boxe

Robson Conceição ao lado de alunos do programa 'Pacto pela Vida'. Os lutadores Robson Conceição e Alemão dedicam parte do tempo a ensinar boxe a crianças e adultos.

Robson Conceição ao lado de alunos do programa ‘Pacto pela Vida’. Os lutadores Robson Conceição e Alemão dedicam parte do tempo a ensinar boxe a crianças e adultos.

No subúrbio ferroviário de Salvador, um espaço grande e modesto é palco da generosidade de dois lutadores que usam parte de seu dia para ensinar a crianças e adultos a prática do boxe. Um deles é Robson Conceição, o medalhista de ouro dos Jogos Olímpicos Rio 2016, na categoria peso ligeiro, até 60 quilos.

O projeto Luta Cidadã é promovido pela Base Comunitária de Segurança, da Polícia Militar da Bahia, no bairro de Boa Vista de São Caetano. A sede da associação é o espaço destinado ao boxe. Atualmente, cerca de 100 jovens são atendidos pela iniciativa.

Com o resultado obtido na Olimpíada, a inspiração será maior, e a vontade de seguir os passos dos professores também. Um dos alunos de Robson, Lucas Conceição, de 16 anos, carrega, por coincidência, o sobrenome do professor, em quem ele diz se espelhar diariamente. Apesar da pouca idade, Lucas subiu três vezes ao pódio, em campeonatos estaduais e nacionais. No ano passado, obteve o primeiro lugar em uma competição nacional, em Cuiabá (Mato Grosso) e já foi campeão baiano duas vezes na categoria. Ele disse que o projeto mudou sua vida.

“Ele é um atleta muito bom, sempre está treinando aqui com a gente. Além disso, acredita em mim e estou treinando para fazer o mesmo que ele, para estar onde ele está. E agradeço ao projeto, porque eu era um menino que ficava pra cima e pra baixo na rua, brigava e ia pouco à escola, e o boxe mudou a minha vida desde que ele [Robson Conceição] me convidou para treinar”, disse o garoto, que já leva o esporte a sério.

Durante uma das aulas, no canto do salão, aguardando o fim do treinamento, estava Aslane Gonçalves, mãe da pequena Sofia, de 8 anos, que treina há três meses. Para ela, o projeto é instrumento de mudança social e já refletiu positivamente no comportamento da filha, que melhorou o rendimento escolar e a disciplina dentro de casa.

“Ela aprende muito aqui no boxe, Robson e Alemão são ótimos para ensinar. Ela está obediente, mais disciplinada e notei que está mais esforçada quando decide que quer algo, isso é gratificante”, comemora a dona de casa, de 24 anos.

Durante uma das aulas para dezenas de crianças, elas se aqueciam e contavam os movimentos em voz alta. No meio delas, corrigindo cada movimento errado, estava o outro professor, Edvaldo de Souza, conhecido como Alemão. Amigo pessoal do campeão olímpico, o treinador fala das dificuldades em conseguir materiais adequados para os jovens, mas acredita que mesmo assim vale a pena incentivar os atletas mirins a seguirem os mesmos passos do professor campeão.

“Além do orgulho de ter Robson como amigo, há a responsabilidade pela educação e disciplina dos alunos. Faço questão de ir à escola e conversar com os professores sobre o comportamento e o rendimento deles. O nosso comprometimento com o projeto vai continuar sempre, porque o exemplo é demais”, disse o pugilista.

Robson Conceição, que teve uma infância simples. O atleta, de 27 anos – que elevou o boxe brasileiro a um novo patamar -, foi feirante junto com a avó, vendeu picolés e foi ajudante de pedreiro.

Depois de ter sido eliminado nas duas olimpíadas anteriores (Pequim, em 2008, e Londres, em 2012), o atleta teve o reconhecimento no mais alto degrau do pódio em seu próprio país. O colega de voluntariado, Alemão, se emociona ao falar da determinação do amigo, que conheceu há muitos anos.

“Me dá até vontade de chorar porque conheço o começo de Robson, que foi um guerreiro e passou por várias dificuldades. O que ele ganhou foi mais que merecido, porque sofreu muito. Agora, chegou a vez dele e esta medalha tinha de ser nossa”, comentou o treinador, que também presta serviço voluntário.

O incentivo não fica apenas para os pequenos. Silvana Santos tem 32 anos e se dedica exclusivamente aos treinos. Depois que viu o professor ser campeão, aumentou a empolgação para continuar treinando “sério” e entrar no mundo das competições.

“Eu tenho muita vontade de competir e quero ver no que vai dar. Treinar aqui me ajuda muito, ajuda até na disposição. O lugar é acolhedor, e os professores são maravilhosos porque nos ajudam muito. Como aluna, estou feliz demais e doida para dar um abraço no meu professor”, relata Silvana, que já treina com mais autonomia.

O professor Alemão é cobrador de ônibus e no horário oposto ao expediente, treina os alunos. Robson, que vinha se preparando há algum tempo para os Jogos Olímpicos, divide a rotina de treinos em uma academia, de manhã, e o trabalho voluntário, à noite. Apesar do apoio da Base Comunitária, a renda para manter o espaço não é suficiente. Alemão conta que ele e Robson costumam comprar materiais, como luvas e sacos de pancada, com o próprio dinheiro, chegando a dividir os valores “em diversas parcelas”.

Alemão lembrou que nem todos os dias as coisas são fáceis e nem tudo está sempre bem, mas o sentimento de pai que tem pelos alunos deixa-o orgulhoso pela escolha de levar adiante o projeto que adotou.

Na quarta-feira (17), o medalhista olímpico desembarcou em Salvador e foi recebido com alegria e comemorações pelos amigos e parentes.

*Com informações da Agência Brasil.

Outras publicações

Missa marca três anos da morte do ex-senador Antônio Carlos Magalhães Presidente do Senado, José Sarney e os senadores, César Borges e Antônio Carlos Magalhães, reúnem-se no plenário do Senado Federal. O presidente ...
Em entrevista exclusiva ao Jornal Grande Bahia, Michel Temer declara: Vamos ganhar a eleição no primeiro turno Nascido há 70 anos em Tietê, no interior de SP, Michel Miguel Elias Temer Lulia chegará ao auge da carreira política se vencer as eleições como vice-...
Remontagem da peça “Tabatabᔠem cartaz em Salvador nesse Fim de Semana Inspirada na obra do autor francês Bernard Marie Koltès, a peça traz no elenco Mariana Freire e Elmir Mateus, com assistência de direção de Alda Valér...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br