Controvérsia sobre possível doação do estádio Joia da Princesa ao Fluminense provoca confronto de ideias entre vereadores de Feira de Santana

Edvaldo Lima: O Governo comete o maior crime na história deste município.

Edvaldo Lima: O Governo comete o maior crime na história deste município.

O vereador Edvaldo Lima (PP) ocupou a tribuna da Casa da Cidadania, na manhã desta terça-feira (09/08/2016), para denunciar que o Governo do Município doou o Estádio Alberto Oliveira (Joia da Princesa) ao Fluminense de Feira, além conceder  isenção de impostos ao clube, sem que houvesse a autorização do Legislativo feirense.

Ele fundamentou a denúncia com base na interpretação que fez do decreto nº 9.935, de 17 de maio de 2016, que dispõe sobre o Termo de Cessão de uso Gratuito do Estádio Alberto Oliveira, localizado na rua Gonçalo Alves, s/nº. Alto do Cruzeiro – Feira de Santana, para o Fluminense de Feira Futebol Clube, visando à disputa do Campeonato Brasileiro da Série D – Edição 2016, e dá outras providências.

O oposicionista disse que o gestor municipal cometeu um crime, porque, segundo ele,  o decreto supracitado teria  que passar pelo crivo da Câmara.

“O Governo comete o maior crime na história deste município: doou o Joia da Princesa para o Fluminense. Não tem problema, eu quero dizer que o Fluminense poderia sim receber e cuidar, mas isso é receita que o Município deixou de arrecadar e, quando isso ocorre, certamente, o prejuízo é muito grande para a sociedade de Feira de Santana”, criticou.

O edil afirmou que, com esta atitude, o Governo Municipal está descumprindo a lei e despeitando o Poder Legislativo. “O Governo, que aí está, vai responder na Justiça, vai responder no Ministério Público e ainda podem ter consequências danosas para este Governo”, alertou o oposicionista, ressaltando que o chefe do Executivo Municipal já publicou também 68 decretos sem autorização do Legislativo.

Na oportunidade, Edvaldo Lima se queixou ainda que, recentemente, a Casa da Cidadania autorizou o Poder Executivo a fazer modificações no Orçamento. “Não existe em nenhum município deste país onde a Câmara de Vereadores autoriza mudar 100%, depois que a Câmara aprova, o Orçamento do Governo”.

Carneiro diz que denúncia de Edvaldo sobre doação de estádio não tem consistência

Em discurso na tribuna da Câmara Municipal de Feira de Santana, nesta terça-feira (09/08/2016), o líder da bancada governista, vereador José Carneiro (PSDB), rebateu a denúncia do edil Edvaldo Lima (PP) de que o Governo do Município teria doado o Estádio Alberto Oliveira (Joia da Princesa) ao Fluminense de Feira.

O líder governista disse que a referida denúncia é infundada, afirmando que Edvaldo Lima fez uma interpretação equivocada do decreto nº 9.935, de 17 de maio de 2016, que dispõe sobre o Termo de Cessão de uso Gratuito do Estádio Alberto Oliveira para o Fluminense de Feira Futebol Clube, visando à disputa do Campeonato Brasileiro da Série D – Edição 2016, e dá outras providências.

José Carneiro explicou que “existe hoje uma exigência da Federação Baiana de Futebol que os clubes de futebol que participam do Campeonato Baiano possa explorar o estádio sede do seu município. É uma exigência, vereador Edvaldo Lima, da FBF que o Fluminense possa fazer um convênio, através de decreto, e explorar serviços prestados dentro do estádio. O decreto publicado não é crime, crime foi o que Vossa Excelência fez aqui, fazendo uma denúncia vazia, sem consistência”, disse.

O governista acrescentou: “na verdade, o que aconteceu foi que, por exigência da FBF, a Prefeitura, cumprindo determinação, cedeu ao Fluminense para que ele venda os produtos dentro do estádio. Por exemplo: qualquer propaganda realizada dentro do estádio é o Fluminense, é o time que está participando do campeonato, que é responsável pelas negociações, pelas vendas, e tem uma empresa que ela ganha um percentual, passa um percentual para o Fluminense e fica também um percentual para o Município”, pontuou.

Em aparte, o vereador Alberto Nery (PT) indagou ao líder governista se é legal o gestor público municipal renunciar a receita do Município sem que ela passe pelo Legislativo.

Novamente com o uso da palavra, José Carneiro garantiu que, com o decreto supracitado, não há nenhuma renúncia de receita. “O Governo Municipal participa de um percentual na arrecadação”.

Controvérsia

Mudando o foco do discurso, o líder governista repercutiu a notícia de que  uma jornalista acusou o deputado federal Marco Feliciano  (PSC-SP), que também  é pastor evangélico,  de tentativa de estupro e agressão.

O vereador Edvaldo Lima classificou o pronunciamento de José Carneiro como uma provocação aos evangélicos. Em seguida, o líder governista se defendeu, argumentando que não acusou ninguém, apenas reproduziu uma matéria sobre um parlamentar que está sendo veiculada na imprensa nacional.

Outras publicações

CMFS: vereador Marcos Lima diz que redução de velocidade é para arrecadar dinheiro Marcos Lima critica governo municipal. Redução de velocidade é para arrecadar dinheiro A redução da velocidade em algumas vias de Feira de Santana,...
Feira de Santana: vereador defende reforma do Código Penal Brasileiro Vereador Roque Pereira ressalta a importância da reforma do Código Penal Brasileiro. Em discurso proferido na tribuna da Casa da Cidadania, nesta te...
Presidente da Câmara Municipal de Feira de Santana promove reunião com reitor da Uefs para definir concurso público Presidente Reinaldo Miranda (Ronny) e o reitor José Carlos Barreto de Santana durante reunião sobre concurso público. A Universidade Estadual de Fei...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br