Brasil atravessa o fenômeno da judicialização da vida, diz ministro Roberto Barroso

Luís Roberto Barroso: há um fenômeno mundial que é a judicialização da vida.

Luís Roberto Barroso: há um fenômeno mundial que é a judicialização da vida.

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, disse em palestra, que matérias complexas ou que têm alto custo político, o Legislativo não consegue chegar a consenso e esses temas acabam no Poder Judiciário. “São causas mundiais que no Brasil são potencializadas por uma Constituição extremamente abrangente. A Constituição brasileira cuida de muitos temas e cuida deles de maneira analítica e detalhada”, disse. “Quase tudo pode, de certa forma, chegar ao Supremo”.

Barroso falou sobre jurisprudência do STF em matéria de negociação coletiva no Seminário Comemorativo dos 75 anos da Justiça do Trabalho e 70 anos do Tribunal Superior do Trabalho, no Centro Cultural da Fundação Getulio Vargas, em Botafogo, zona sul do Rio.

Na palestra, o ministro disse que o Brasil atravessa o fenômeno da judicialização da vida de maneira geral. Para ele, a passagem da Constituição para o centro do sistema jurídico e a constitucionalização do direito deram um certo protagonismo para o Poder Judiciário. “Estou descrevendo uma realidade. Não estou dizendo que é bom ou que é ruim. Muitas vezes eu acho que é bom e algumas vezes acho que é ruim. Há um fenômeno mundial que é a judicialização da vida”, disse. “Questões políticas, questões econômicas e questões éticas, estão sendo hoje, em muitas partes do mundo, resolvidas pelo poder judiciário”.

Direito do Trabalho

O ministro disse que a Constituição brasileira tem dispositivos específicos para tratar do Direito do Trabalho como os artigos 7º e 8º, por exemplo. Ele disse que duas questões jurisdicionais importantes do STF se basearam em leis do trabalho que não estão completas na Constituição.

“Um mandado de injunção foi resgatado graças à discussão sobre greve no serviço público, onde a ausência de legislação editada pelo Congresso depois de mais de duas décadas de vigência da Constituição criava e ainda cria problemas em relação a esta matéria. Eu mesmo pedi vista, pedi pauta para repensar este sistema, porque algumas categorias no setor privado não se aplica automaticamente à greve no setor público e nós temos dificuldade em encontrar um caminho”, disse.

Terceirização

O ministro disse que espera “no limite do possível” que Congresso decida sobre o Projeto de Lei 4.330, que regulamenta o trabalho terceirizado, e que, se isso não ocorrer, o Supremo terá que julgar. “Essa é uma matéria política. Essa é uma decisão política e idealmente ela deve ser tomada pelo Congresso Nacional e não por interpretação constitucional, mas a verdade é que os casos envolvendo terceirização se multiplicam e o judiciário não pode dizer não resolvo o problema”, disse.

Após a palestra, ao ser perguntado por jornalistas, o ministro evitou comentar o momento político do país. Para justificar o motivo para não conversar com a imprensa, Barroso fez referência ao Versículo 7 do Capítulo 3 do livro de Eclesiastes do Velho Testamento.

“Está no Eclesiastes. Há um tempo para cada coisa nessa vida. Tempo de falar e um tempo de calar. Acho que esta não é hora de colocar lenha na fogueira, portanto, preferia não conversar com vocês hoje”, disse.

*Com informação da Agência Brasil.

Outras publicações

Ministro do Supremo Tribunal Federal julga inviável reclamação de Xuxa sobre buscas no Google Ministro Celso de Mello decide pela liberdade de informação. Maria da Graça Xuxa Meneghel tem pleito rejeitado pelo STF. O ministro Celso de Mel...
Ministro Teori Zavascki nega pedido de revogação de prisão feito por defesa de José Dirceu O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou um pedido de liminar feito pela defesa do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu pa...
STF nega recurso do ex-ministro Edinho Silva na Lava Jato Edinho Silva deixou o governo quando Dilma Rousseff foi afastada da Presidência. A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) negou na terça-fe...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br