Auditoria do TCM atesta péssimo estado de conservação das escolas de Gandu e Teolândia

O Tribunal de Contas dos Municípios votou, nesta quarta-feira (24/08/2016), os relatórios das auditorias de qualidade coordenada realizadas nos municípios de Gandu e Teolândia, na gestão de Ivo Sampaio Peixoto e Lázaro Andrade de Oliveira, respectivamente, com o objetivo de avaliar a qualidade e a disponibilidade das instalações e equipamentos das escolas públicas municipais do ensino fundamental. A inspeção faz parte de um acordo de cooperação técnico celebrado entre o TCM e o TCU.

O relator, conselheiro José Alfredo, ressaltou que, muito embora os prefeitos tenham apresentados suas razões e colocado as ponderações acerca da possibilidade ou dificuldades de cumprimento imediato das sugestões da área técnica do TCM, as recomendações contidas nos relatórios devem ser motivo de empenho e dedicação da Administração Municipal, tendo em vista a existência de recursos mais que suficientes para fazer frente a tais despesas, vez que, no exercício de 2014, a Prefeitura de Gandu investiu R$14.467.255,40 na manutenção e desenvolvimento do ensino, enquanto Teolândia aplicou recursos na ordem de R$13.296.450,50.

Em Gandu, a auditoria foi realizada no exercício de 2015 e abrangeu as seguintes unidades escolares: Escola Amélia Alves, Escola Elódia Velloso de Souza, Escola Liberino, Escola Vitor Pereira, Grupo Escolar Navarro de Brito e Grupo Escolar Rômulo Galvão.

O relatório, dentre outras irregularidades, apontou o péssimo estado de conservação das escolas auditadas, a exemplo das escolas Liberino Vítor Pereira e Rômulo Galvão, em que havia iminente risco de desmoronamento do telhado, comprometendo a segurança e a integridade física dos alunos. Também foi destacada a ausência de biblioteca, refeitório, quadra de esportes e parque infantil, além da inexistência de laboratório de informática ou, naqueles existentes, indisponibilidade de acesso à internet.

Já em Teolândia, os técnicos auditaram as seguintes unidades escolares: Colégio João Benedito Fernandes, Escola Manoel de Souza Menezes, Escola Manoel Lopes Cardoso, Escola São Francisco de Assis, Escola São Lucas, Escola Torquato Gonçalves Guimarães e PAFI – Centro de Integração Social Pasquale Fioretti.

A análise apontou deformação em parte do telhado da Escola São Francisco de Assis e incompatibilidade da estrutura de madeira utilizada como gradil no pavimento superior da Escola São Lucas com a idade dos alunos que a frequentam, o que indica a existência de iminente risco para a segurança e a integridade físcia dos estudantes.

A equipe apurou que as Escolas Manoel de Souza Menezes, Manoel Lopes Cardoso, São Francisco de Assis, São Lucas e Torquato Gonçalves Guimarães não possuem identificação externa e que na maioria das unidades analisadas não existe biblioteca, laboratório de informática, refeitório, bebedouros, quadra de esportes e parque infantil. Também não foram encontrados itinerários, soluções de acessibilidade e sanitários para alunos portador de necessidades especiais.

Outras publicações

TCM rejeita contas da prefeitura de Gandu TCM rejeitou as contas do prefeito de Gandu, Ivo Sampaio Peixoto, referentes ao exercício de 2014. O Tribunal de Contas dos Municípios, na tarde des...
EMBASA inicia leitura de hidrômetros no município de Gandu A Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa), por intermédio do Escritório de Gandu, iniciou nesta segunda-feira (18/10/2010), a leitura dos hidrôm...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br