Artistas estrangeiros se unem contra o golpe no Brasil

Assinada por artistas e intelectuais como Oliver Stone, carta repudia ataque à democracia e pede respeito ao resultado das urnas.

Assinada por artistas e intelectuais como Oliver Stone, carta repudia ataque à democracia e pede respeito ao resultado das urnas.

Um grupo de artistas e intelectuais estrangeiros divulgou uma carta de protesto contra o impeachment da presidenta eleita Dilma Rousseff e pela democracia no Brasil, nesta quarta-feira (24/08/2016).

“Nos solidarizamos com nossos colegas artistas e com todos aqueles que lutam por democracia e justiça em todo o Brasil”, diz a carta, que tem entre seus 22 signatários nomes como o ator Viggo Mortensen, de “O Senhor dos Anéis”, o músico Brian Eno, o cantor Harry Belafonte e o cineasta Oliver Stone.

O texto reforça que a base jurídica para o afastamento de Dilma “é amplamente questionável” e que há “evidências convincentes” de que a principal motivação dos promotores do impeachment foi abafar investigações de corrupção nas quais estão envolvidos.

Os artistas pedem que os senadores brasileiros que irão votar no julgamento do impeachment respeitem o resultado da eleição presidencial de 2014 e alertam para os riscos regionais caso ele seja aprovado.

“Se este ataque contra suas instituições democráticas for bem sucedido, as ondas de choque negativas irão reverberar em toda a região”, afirma.

Os atores Susan Sarandon e Danny Glover, o linguista Noam Chomsky e da escritora Eve Ensler também assinam a carta.

Íntegra da Carta

Repúdio internacional

Este não foi o único grupo de estrangeiros a manifestar preocupação com a situação pelo qual passa o Brasil.

Um grupo de organizações nos EUA divulgou uma declaração no mesmo tom, na qual afirma que a democracia brasileira está “em grave risco”. Entre as 44 organizações signatárias estão movimentos de classe, como a poderosa central sindical AFL-CIO, que tem mais de 12 milhões de membros, e grupos sociais diversos.

“Em maio passado, o Congresso brasileiro orquestrou um golpe legislativo, afastando a presidenta Dilma Rousseff em meio a acusações forjadas de má gestão fiscal. Deputados e senadores usaram um discurso de ódio sexista, invocando crenças religiosas e até mesmo elogiado o torturador da presidenta Rousseff em sua campanha de difamação”, diz a declaração.

Acrescenta que “de acordo com os movimentos sociais brasileiros”, a violência contra manifestantes aumentou depois da posse do governo interino.

Carta endossada em julho por 43 membros da Câmara dos Deputados e comunicado do senador Bernie Sanders, no início do mês reforçam as manifestações nos EUA de repúdio ao impeachment de Dilma.

Para Sanders, o impeachment parece um “golpe de Estado” e pediu que o governo dos EUA se posicione contra o processo.

Outras publicações

Eleições 2014 – Bahia: Com as presenças do ex-presidente Lula e da presidenta Dilma Rousseff, Partido dos Trabalhadores realiza convenção estadual Luiz Inácio Lula da Silva e Rui Costa. Ex-presidente Lula é presença confirmada na convenção estadual do PT. O Partido dos Trabalhadores (PT) realiz...
Segundo especialistas, apesar de protestos, impeachment de Dilma Rousseff é improvável Cena do protesto em Brasília, registrada em 15 de março de 2015. Insatisfação popular por si só não basta para tirar um presidente do poder. Segundo ...
Ex-presidente Dilma Rousseff vincula repressão violenta aos protestos a movimentos ditatoriais e despreza comentário em relação a Janaína Paschoal Ex-presidente Dilma Rousseff disse que advogado José Eduardo Cardozo não vai desistir de apelar ao Supremo Tribunal Federal para reverter o processo ...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br