Turquia suspende Convenção Europeia de Direitos Humanos

Diyarbakir, no sudeste da Turquia.

Diyarbakir, no sudeste da Turquia.

A Turquia decidiu suspender temporariamente a Convenção Europeia de Direitos Humanos, que inclui as liberdades fundamentais dos homens e a proibição da pena de morte – autorizada apenas em caso de uma guerra. O documento europeu é uma referência àquele aprovado pela Organização das Nações Unidas em 1948 sobre os direitos humanos.A medida vigorará durante o estado de emergência, decretado por três meses pelo governo do presidente Recep Tayyp Erdogan após uma tentativa fracassada de golpe de Estado do Exército turco. A suspensão temporária pode ser solicitada com base no Artigo 15 da Convenção, que afirma que “em caso de guerra ou outro perigo público que ameace a vida da nação”, um país signatário da medida “pode revogar suas obrigações”.

O anúncio da suspensão da Convenção Europeia foi feito nesta quinta-feira (21/07/2016) pelo vice-primeiro-ministro do país, Numan Kurtulmus. “A França também declarou o estado de emergência e suspendeu a Convenção Europeia de Direitos Humanos”, comentou, referindo-se às medidas adotadas por Paris após os atentados de 13 de novembro, cometidos pelo grupo Estado Islâmico e que deixaram 130 mortos. No caso da Turquia, porém, a suspensão gera temor pelo risco do governo de Erdogan violar direitos humanos e restringir liberdades democráticas. Em várias ocasiões, a Turquia foi acusada por ativistas, organizações não governamentais (ONGs) e outros países de perseguir opositores ao governo de Erdogan apenas pelo fato de eles descordarem das decisões de Ancara.

Desde a tentativa fracassada de golpe de Estado, ocorrida na última sexta-feira (15), o governo já anunciou a prisão de cerca de 50 mil pessoas, o fechamento de mais de 800 escolas e milhares de professores, jornalistas, funcionários públicos, militares e oficiais de alta patente das Forças Armadas foram afastados de seus cargos, em uma “limpeza” promovida por Erdogan com a justificativa de evitar um novo golpe.

De acordo com o líder, a manobra foi orquestrada por uma ala do Exército que é próxima do clérigo islâmico Fethullah Gülen, acusado de fazer campanha contra o presidente. Atualmente, Gülen mora nos Estados Unidos. Mais de 260 pessoas morreram por causa do golpe fracassado.

*Com informação da Agência Brasil.

Outras publicações

Turquia fechará escolas militares e vai criar Universidade da Defesa Nacional Tropas desfile com bandeira turca em 30 de agosto de 2013, em Ancara durante celebrações do 91º aniversário do Dia da Vitória, com cerimônias realiza...
Governo diz que derrotou tentativa de golpe e prendeu líderes na Turquia Ancara, capital da Turquia. Segunda cidade mais populosa do país. Istambul, Turquia. Cidade mais populosa do país. Cidade de Diyarbakir, no s...
Presidente da Turquia diz que escapou da morte “por milagre” durante tentativa de golpe O presidente turco Recep Tayyip Erdogan disse que escapou da morte "por um milagre". O presidente turco Recep Tayyip Erdogan disse que escapou da mo...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br