O estranho dia em que o FMI criticou o neoliberalismo

FMI anuncia ajuda financeira para conter crises humanitárias.

FMI avalia que em vez de gerarem crescimento, algumas políticas neoliberais têm aumentado a desigualdade e colocado em risco uma expansão duradoura.

“Essa eu não esperava ver em vida”. É o que muitos dos críticos do Fundo Monetário internacional (FMI) devem ter pensado há algumas semanas quando foi publicado um relatório no site da organização.

O texto começa dizendo: “Em vez de gerarem crescimento, algumas políticas neoliberais têm aumentado a desigualdade e colocado em risco uma expansão duradoura”.

É uma declaração insólita para um organismo, que, mais do que nenhum outro, é associado no imaginário popular a uma expansão de políticas econômicas ortodoxas ou “neoliberais”.

Mas ela foi feita por três de seus altos funcionários: o vice-diretor do departamento de pesquisas Jonathan D. Ostry, o chefe divisional Prakash Loungani e o economista Davide Furceri.

Mais desigualdade

Eles assinam o documento que, entre outras coisas, diz: “Há aspectos da agenda neoliberal que não têm funcionado como se esperava”.

Mencionam, por exemplo, que “os custos do aumento da desigualdade são proeminentes” e que isso “prejudica o nível e a sustentabilidade do crescimento”.

A BBC Mundo fez diversos pedidos de entrevistas para os autores do artigo, intitulado “Neoliberalismo: Superestimado?”, mas não obteve resposta.

Suas declarações surpreenderam por serem aparentemente uma admissão de um erro por parte de especialistas do FMI quanto às políticas impostas pelo organismo ao redor do mundo, mesmo diante da resistência a elas. E que, segundo seus críticos, foram adotadas com um elevado custo social.

Planos de ajuste

O FMI foi criado depois da Segunda Guerra Mundial para oferecer apoio financeiro temporário a países quando houvesse uma crise de divisas.

No entanto, ao longo de décadas e em especial na América Latina, o organismo ficou conhecido (e foi frequentemente criticado) pelos planos de ajuste que os países que recebiam seus créditos eram obrigados a cumprir.

Na América Latina, o FMI teve uma atuação de peso durante as crises da década de 1980. Na época, a maioria dos países da região não conseguia mais honrar as elevadas dívidas externas que haviam adquirido nos anos de bonança.

Um após o outro, eles tiveram de pedir empréstimos emergenciais ao FMI, concedidos em troca de compromissos com planos de ajustes, que exigiam, entre outras coisas, o desmantelamento de entidades estatais, sua abertura ao livre comércio e ao investimento estrangeiro, privatizações e redução do gasto público em áreas de cunho social.

Em muitos casos, estas políticas conseguiam acabar com períodos de instabilidade macroeconômica extrema pelo qual passavam esses países, sitiados pela dívida e pela hiperinflação.

Mas também são associadas a uma disparada no desemprego e uma deterioração na qualidade de vida que levou muitos a se referir a este período como a “década perdida” da economia latino-americana.

Vantagens a longo prazo

Na época, poucos questionavam as consequências de curto prazo das chamadas “terapias de choque”, em que o Estado demitia milhares de funcionários e submetia subitamente os produtores locais à concorrência externa.

Tudo isso, garantia o FMI, aumentaria a longo prazo a eficiência da economia e permitiria aos países não só pagar suas dívidas, mas também incrementar o crescimento e o bem-estar de seus habitantes.

O ajuste era defendido como um remédio doloroso, mas necessário, para garantir seu sucesso econômico no futuro. Um preceito que foi colocado em dúvida pelos pesquisadores do FMI em seu recente artigo.

‘Politização’

O texto provocou uma chuva de críticas ao FMI.

Vozes da esquerda o viram como uma contradição por parte do organismo que, por muito tempo, apresentou políticas ortodoxas como verdade absoluta. Mas também houve críticas intensas proferidas pela outra ponta do espectro ideológico.

“Só o uso da palavra ‘neoliberal’ no título do artigo já reflete uma politização da discussão”, diz Steve Hanke, economista do Instituto Cato, centro americano de pesquisa de viés conservador, e que atuou como assessor de vários governos, inclusive da Venezuela e da Indonésia durante a aplicação deste tipo de políticas.

“Na América Latina, a palavra ‘neoliberal’ é uma expressão politizada usada pela esquerda para desacreditar seu inimigo ideológico” sem precisar recorrer a argumentos técnicos, acrescenta ele.

“Não há evidências para sustentar o que é dito pelos pesquisadores no artigo”, insiste Hanke, reiterando que, em sua opinião, não há dúvida de que medidas como a privatização foram corretas.

Questão de fé

Em seu trabalho, os pesquisadores do FMI inclusive lançam dúvidas sobre a experiência chilena com o chamado “neoliberalismo”, a mais pragmática na região, depois de sua implementação, a partir de 1973, sob o comando do então presidente Augusto Pinochet.

Protesto contra o FMI

“A experiência do Chile e de outros países sugerem que nenhuma agenda fixa produz bons resultados para todos os países sob todas as circunstâncias”, dizem os especialistas do organismo.

E o artigo termina com uma frase que parece ter sido retirada dos slogans que gritavam nos anos 1980 aqueles que se opunham às políticas de ajuste do FMI, qualificando-as então como uma obsessão ideológica impulsionada por dirigentes de direita.

O artigo garante que “criadores de políticas e instituições como o Fundo Monetário Internacional devem ser guiados não pela fé, mas pela evidência do que tem funcionado”.

*Com informações da BBC Brasil

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br