Exclusiva: ministro Geddel Viera Lima diz que reformas fundamentais vão ocorrer e que Temer vai governar pelos próximos dois anos

Geddel Vieira Lima: O governo do PT deixou uma herança muito ruim, um déficit público imenso, dívida pública, gastos mal feitos. Mas, eu percebo claramente que o país, agora, com as primeiras medidas de austeridades do presidente Temer, começa a resgatar a confiança.

Geddel Vieira Lima: O governo do PT deixou uma herança muito ruim, um déficit público imenso, dívida pública, gastos mal feitos. Mas, eu percebo claramente que o país, agora, com as primeiras medidas de austeridades do presidente Temer, começa a resgatar a confiança.

Ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, Geddel Quadros Vieira Lima, é entrevistado pelo Jornal Grande Bahia sobre retomada da capacidade de investimento do Estado, perspectiva temporal para que os investimentos ocorram, relação entre o PMDB e o PT da Bahia. Além de abordar esses temas, O ministro avalia a performance dos governos Rui Costa, ACM Neto e José Ronaldo de Carvalho, e o processo eleitoral de 2016

A entrevista ocorreu em Terra Nova, no sábado (16/07/2008), durante o lançamento da pré-candidatura de Humberto Teixeira de Sena Filho (Humbertinho, PMDB) à prefeito do município.

Confira a entrevista

Jornal Grande Bahia — Como avalia cenário econômico do governo e qual a perspectiva de retomada da capacidade de investimento do estado nacional?

Geddel Vieira Lima — O Brasil passa um momento difícil. O governo do PT deixou uma herança muito ruim, um déficit público imenso, dívida pública, gastos mal feitos. Mas, eu percebo claramente que o país, agora, com as primeiras medidas de austeridades do presidente Temer, começa a resgatar a confiança e isso é o primeiro passo para que nós possamos ter os investidores, tanto nacionais como estrangeiros, voltando a colocar recursos em atividade produtiva para gerar os empregos que o Brasil está precisando.

JGB — Qual a perspectiva de prazo para que esses investimentos comecem a ocorrer?

Geddel Vieira Lima —Tem muita coisa para fazer, nós temos reformas importantes, a PEC da taxa de gastos, a reforma da previdência, a reforma trabalhista. O importante é que a confiança volte, os investidores tornem a acreditar no Brasil, coloque seus recursos e que o Brasil possa se reencontrar, se pacificar, pois, o país está muito conflagrado, não dá mais aquela história de nós contra eles, nós precisamos voltar a ser uma nação única, trabalhando a uma mesma direção que a direção do desenvolvimento.

JGB —Em passado recente, PMDB e o PT atuaram em parceria na Bahia. Como entende a relação do governo federal com o governo da Bahia?

Geddel Vieira Lima — Eu acho que tem que ser uma relação institucional e eu já disse isso. Liguei para o governador a época e acho que o governador está errando na medida em que fica insistindo no discurso agressivo contra o governo federal. Eu não tenho dúvida nenhuma que o impeachment no Senado será aprovado agora, em agosto. O governo torna-se um governo definitivo em dois anos e meio e é importante que o governo federal e o governo estadual tem parceria naqueles projetos de interesse da sociedade.

JGB — Como o senhor avalia o governo Rui Costa?

Geddel Vieira Lima — Um governo mediano. É um governo que não fede nem cheira.

JGB — E o governo de ACM Neto em Salvador?

Geddel Vieira Lima — As pesquisas mostram que é um governo muito bem avaliado, criativo, é um governo que tem iniciativa, que passou todo seu primeiro período na oposição, mas que tem muitas coisas para mostrar, e o que é mais importante, muitas obras para mostrar realizadas com recursos próprios. Mostrando que quando você gerencia com austeridade, seriedade e não gastando mais do que arrecada, sobra recursos para investimentos.

JGB — Como avalia a gestão do prefeito José Ronaldo de Carvalho em Feira de Santana?

Geddel Vieira Lima — José Ronaldo é qualificado e eu tenho certeza que ele vai para uma reeleição como favorito.

JGB — Observando o processo político eleitoral, como o senhor analisa as possibilidades de eleição de majoritária e proporcionais de candidaturas ligadas ao PMDB?

Geddel Vieira Lima — Eu acho que nós vamos ter disputas em muitos municípios, ganhar em alguns e perder em outros. Mas, fundamentalmente, renovar as lideranças, montar uns palanques onde possamos levar nossas mensagens, projetando nossas alianças para 2018.

Outras publicações

Brasil de Michel Temer toma rumo liberal, diz Le Figaro Governo do presidente Michel Temer é demarcado por doutrina liberal. "Depois de treze anos de políticas sociais do Partido dos Trabalhadores, o Bras...
Superintendência Regional do Trabalho na Bahia tem novo Superintendente Antonio Correia de Almeida assume cargo de Superintendente Regional do Trabalho na Bahia. Na segunda-feira (18/07/2016), pela manhã, tomou posse o n...
Publicado decreto que cria o Conselho Gestor da Revitalização do São Francisco Publicado decreto que cria o Conselho Gestor da Revitalização do São Francisco. O Diário Oficial da União (DOU) circula nesta quarta-feira (10/08/20...

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: diretor@jornalgrandebahia.com.br.