Eleições 2016 – Feira de Santana: 18 partidos confirmam apoio a chapa majoritária liderada por José Ronaldo

Convenção suprapartidária que confirma José Ronaldo de Carvalho candidato à reeleição.

Convenção suprapartidária confirma José Ronaldo de Carvalho candidato à reeleição.

Na noite de segunda-feira (25/07/2016), na casa de eventos Aria Hall, em Feira de Santana, estiveram reunidas lideranças de 18 partidos com a finalidade definir os nomes para disputa do pleito municipal de 2016.

A convenção suprapartidária definiu a coligação majoritária ‘O trabalho vai continuar’ e chancelou a chapa liderada pelo Democratas, escolhendo os nomes de José Ronaldo de Carvalho (DEM), para prefeito e Colbert Martins Filho (PMDB), para vice-prefeito.

Chapas proporcionais

Além da escolha da chapa majoritária, os partidos: DEM, PEN, PHS, PMB, PMDB, PPL, PPS, PRB, PRP, PSC, PSDB, PSDC, PSL, PT do B, PTB, PTC, PV e Solidariedade definiram as coligações proporcionais.

DEM, PMB, PRB, PSDB e PSL formaram uma coligação proporcional; enquanto PEN, PHS, PRP, PTB e PV formaram segundo bloco partidário.

PPS, PSC, PPL, PSDC, PTC, PMDB, PT do B e Solidariedade não participam de bloco partidário e disputam em chapas avulsas, apena com os próprios candidatos a vereador, sem coligação.

O candidato

Objetivando a reeleição e a conquista do quarto mandato como prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo, ao discursar, repetiu a formula usual. Falou sobre o passado, relações construídas, reafirmou que era uma pessoa de ouvir muito e de dialogar.

Dando sequência ao discurso, Ronaldo destacou que aos críticos, que tentam impingir na pessoa dele a pecha de ditador, respondia com a mais ampla aliança histórica da política de Feira de Santana. Na sequência citou os Martins, Falcão e os Carneiros como famílias cujo histórico político se confunde com a cidade de Feira de Santana. Observando que os sucessores das tradicionais famílias passaram a apoiar a chapa majoritária e a seguir a liderança dele.

Concluindo o discurso, Ronaldo reafirmou que foi com a capacidade de diálogo que convenceu o deputado federal Antônio Lázaro (PSC) e o deputado estadual José de Arimateia (PRB) a desistir da disputa majoritária e apoiar a reeleição. Ele finalizou o discurso afirmando que o “trabalho vai continuar com o apoio deles e dos demais correligionários e amigos”.

Deus e o Diabo

Presente ao palco da convenção, o deputado Lázaro resolveu cantar no estilo gospel e invocar as bênçãos de Deus aos candidatos a vereador e aos candidatos ao cargo majoritário. Nesse momento ocorreu a lembrança do filme ‘Deus e o Diabo na terra do sol’. Obra dirigida pelo cineasta Glauber Rocha, lançada em 1964.

A mistura entre religião e política resulta sempre em digressões estilísticas e históricas. Nesse aspecto, ocorre a lembrança de outra produção intelectual, a obra ‘A Rainha Margot’, publicada em 1845, por Alexandre Dumas. O livro foi transformando no filme homônimo, dirigido por Patrice Chéreau e lançado em 1994.

A história é muito conhecida, na noite de 23 para 24 de agosto de 1572, os sinos da catedral de Saint Germain fizeram o prenúncio do dia de São Bartolomeu. Nessa noite, os católicos massacraram os huguenotes na França. Somente em Paris, três mil protestantes foram exterminados. O evento ficou conhecido como a ‘Noite de São Bartolomeu’.

A digressão é no mínimo curiosa, porque ao longo da vida Ronaldo e Colbert apresentaram perfil católico e atitude de reverência aos representantes da cúria romana em Feira de Santana. Mas, os tempos são outros, embora os personagens sejam os mesmos.

A propósito do enredo do filme ‘Deus e o Diabo na terra do sol’, é válida uma pesquisa sobre o enredo, com a finalidade de ampliar o contexto.

Umbus e tempo

Coube ao deputado estadual Targino Machado (PPS) o destaque para o discurso mais estapafúrdio. Inicialmente, o deputado falou sobre a infância e o fato de chupar umbu. Depois, disse que tinha “menos tempo para viver e muito mais passado do que futuro”. Registrou que era contra o instituto da reeleição para o executivo, mas que, no caso, apoiava a reeleição de José Ronaldo.

Pé no chão

O deputado estadual Carlos Geilson (PSDB), ao discursar, negou o “clima de já ganhou” e disse que estavam todos com “pé no chão” e que deviriam, todos, buscar o apoio dos eleitores ao projeto.

Pitoresco

Paramentado como Rei Momo, Dilson Chagas, era um personagem que trazia algo de pitoresco e repetitivo ao palanque do Democratas. Habitué dos eventos do DEM, durante o governo Tarcízio Pimenta, Dilson Chagas, ou Rei Momo, deu o toque carnavalesco ao encontro político. Afinal de contas, para a festa da democracia, nada melhor do que um falso rei.

Outras publicações

Em Feira de Santana, vereador diz que empresa MARFRIG boicota produtor local O vereador Marialvo denunciou que a Marfrig está boicotando o produtor que se manifesta contra a empresa. “Simplesmente, está parando de alojar frango...
Salões Regionais de Artes Visuais da Bahia 2010 estreiam em Feira de Santana Salões Regionais de Artes Visuais da Bahia apresenta, em Feira de Santana, premiados da edição 2010. Resultado de edital da Fundação Cultural do Est...
2º edição do SambaZouk Feira promete movimentar dança de salão em Feira de Santana Cartaz da 2º edição do SambaZouk Feira. Um importante evento cultural para celebrar a beleza das artes em movimento será realizado nos dias 13 e 14 ...

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: diretor@jornalgrandebahia.com.br.