Dívida do Estado da Bahia melhora, mas transferências da União seguem caindo

Secretário Manoel Vitório diz que a nova queda só faz ampliar os prejuízos para os cofres estaduais com essas transferências correntes.

Secretário Manoel Vitório diz que a nova queda só faz ampliar os prejuízos para os cofres estaduais com essas transferências correntes.

O endividamento do Estado melhorou no primeiro semestre de 2016, de acordo com o balanço de execução orçamentária publicado, nesta quinta-feira (28/07/2016), pela Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz Bahia). A relação entre dívida corrente líquida (DCL) e receita corrente líquida (RCL), que era de 59% em dezembro de 2015, recuou para 50% em junho.

As receitas do Estado, no entanto, continuam sob o impacto das perdas com as transferências da União, que registraram queda nominal de 5,13% no primeiro semestre, sem contar a inflação do período. De acordo com o secretário da Fazenda, Manoel Vitório, a nova queda só faz ampliar os prejuízos para os cofres estaduais com essas transferências correntes.

Com os repasses do Fundo de Participação dos Estados (FPE), disse o secretário, a Bahia já havia perdido, em 2015, cerca de R$ 1,05 bilhão, valor que teria sido repassado pelo governo federal se o fundo tivesse mantido o crescimento equivalente ao da receita tributária estadual desde 2012.

Vitório enfatizou que a situação das contas estaduais continua exigindo cautela, tendo em vista as dificuldades enfrentadas também pela arrecadação tributária estadual. O ICMS, principal receita própria do Estado, apresentou ganho nominal de 4,84% em comparação com o primeiro semestre do ano passado, mas ainda abaixo da inflação dos últimos 12 meses.

Compensação

O endividamento melhorou por conta da queda do dólar nos últimos meses e às amortizações feitas pelo governo estadual. Com isso, a Bahia tem mantido sua dívida bem abaixo do teto estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que admite uma relação de até 200% entre dívida e receita. As piores situações são as das grandes economias do País. Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Minas Gerais já ultrapassaram o teto da LRF, e São Paulo está próximo desse patamar.

No entanto, essas unidades foram as maiores beneficiárias do processo de renegociação das dívidas dos estados em fase de votação no Congresso Nacional, afirmou o secretário Manoel Vitório. Por isso, o governo baiano reivindica da União, junto com os demais estados nordestinos, o ressarcimento de perdas com os repasses do Fundo de Participação dos Estados (FPE), ressaltou o secretário.

Investimento

Com baixo nível de endividamento e margem para contratar novas operações de crédito, o governo baiano investiu R$ 1,2 bilhão no primeiro semestre, um incremento de 16,5% com relação aos R$ 1,03 bilhão investido no mesmo período em 2015. Ao longo de todo o ano passado, o investimento total ficou em 2,29 bilhões.

Entre os investimentos na capital são exemplos a ampliação do metrô, obras viárias como as linhas Azul e Vermelha, a Via Expressa Barradão/Paralela, a contenção de encostas, a recuperação de ruas do Centro Antigo e a implantação do Centro Integrado de Gestão de Emergências (Cige), inaugurado recentemente. No interior, está em andamento uma gama de ações estruturantes, que incluem a recuperação de estradas e a construção de hospitais, escolas e barragens, entre outras obras estratégicas. atrás dela em grande procissão. Para garantir alimentos, os patos fazem voos curtos.

Outras publicações

Governador Rui Costa discute novos investimentos com representantes da Alemanha e Cingapura Encontro entre representantes da Alemanha e do governo da Bahia ocorreu na sede da governadoria em Salvador. Embaixador no Brasil da Alemanha, Di...
Governo do Estado lança edição 2014 da revista ‘Bahia, Terra de Todos Nós’ Robinson Almeida comemora lançamento da edição 2014 da Revista Terra de Todos Nós. A sétima edição da revista ‘Bahia, Terra de Todos Nós’, publicada...
“Fonte Nova é o estádio mais caro para a Copa do Mundo”, afirma deputado Carlos Geilson “Só não tem dinheiro para investir na educação, saúde e segurança pública”, critica Carlos Geilson. A conta dos 12 estádios da Copa do Mundo saiu be...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br