Cirurgia bariátrica passa a ser procedimento mais comum entre os brasileiros

Médica nutróloga da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) explica sobre a importância de fazer o melhor preparo antes da cirurgia e dá dicas de como se programar para o pós-operatório.

Médica nutróloga da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) explica sobre a importância de fazer o melhor preparo antes da cirurgia e dá dicas de como se programar para o pós-operatório.

A cirurgia bariátrica está se tornando um procedimento cada vez mais comum e frequente entre os brasileiros. O volume deste procedimento cirúrgico vem crescendo porque o número de obesos diabéticos e hipertensos tem aumentado no Brasil, assim como em países em desenvolvimento. A Dra. Sandra Fernandes, médica nutróloga da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN), recomenda a cirurgia bariátrica em pacientes que apresentarem um índice de massa corporal (IMC) superior a 40 ou quando houver alguma falência no tratamento clínico. Outros casos de recomendação são quando o IMC é superior a 35 e esse número está associado à comorbidades como diabetes, hipertensão arterial sistêmica, apneia obstrutiva do sono, artropatia severa e entre outros.

Recentemente houve uma mudança em relação ao tratamento cirúrgico de obesos graves. Doenças como asma não controlada, esteatose hepática, disfunção erétil e depressão também foram incluídas na lista de doenças que justificam uma pessoa com IMC superior a 35 passar por um processo cirúrgico de redução do estomago. Porém, a Dra. Sandra indica que, antes ser operado, o paciente passe por avaliação de toda equipe médica composta por nutrólogo, cirurgiãos, nutricionista, psicólogo, endócrino, cardiologista e pneumologista. Os exames de rotina e laboratoriais (com imagens) também são fundamentais para o processo. Outro ponto é a participação das reuniões em grupos, pois elas geralmente podem esclarecer as principais dúvidas do paciente.

Para o pós-cirúrgico, as indicações da médica nutróloga da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) são: dieta liquida nos primeiros 15 dias, seguida por uma dieta pastosa. Após o primeiro mês, inicia-se lentamente a ingestão de alimentos sólidos. O alerta fica por conta da não ingestão de açúcares ou doces nos primeiros meses com o intuito de evitar a síndrome de dumping.

Com relação à questão envolvendo a chance de o paciente ganhar peso e voltar a ser obeso, a Dra. Sandra afirma que isso pode ocorrer em caso de pacientes que não seguem uma dieta equilibrada ou a prática de exercícios regulares. Vale reforçar que há alternativas antes do processo cirúrgico como dietas, medicamentos e atividades físicas. Outra opção é o balão intragástrico, opção que pode ser feita antes de indicar cirurgia.

Sobre a ABRAN

A ABRAN é uma entidade médica científica reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina. Fundada em 1973, dedica-se ao estudo de nutrientes dos alimentos, decisivos na prevenção, no diagnóstico e no tratamento da maior parte das doenças que afetam o ser humano, a maior parte de origem nutricional. Reúne mais de 3.800 médicos nutrólogos associados, que atuam no desenvolvimento e atualização científica em prol do bem estar nutricional, físico, social e mental da população.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br