Belo Horizonte: Unesco reconhece a Pampulha como Patrimônio Mundial da Humanidade

Igreja de São Francisco de Assis, que compõe o Conjunto Moderno da Pampulha, Belo Horizonte.

Igreja de São Francisco de Assis, que compõe o Conjunto Moderno da Pampulha, Belo Horizonte.

Museu de Arte da Pampulha, Conjunto Moderno da Pampulha, Belo Horizonte.

Museu de Arte da Pampulha, Conjunto Moderno da Pampulha, Belo Horizonte.

O Conjunto Moderno da Pampulha conquistou, na madrugada de hoje (17/07/2016), o título de Patrimônio Mundial da Humanidade. A decisão foi tomada durante a 40ª sessão do Comitê do Patrimônio Mundial da A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), realizada entre os dias 15 e 17 de julho, no Centro de Convenções de Istambul, na Turquia. A indicação da Pampulha foi ratificada pelos 21 países integrantes do comitê, por consenso, informou o Ministério da Cultura. Com essa decisão, o Conjunto da Pampulha, em Belo Horizonte, passa a ser o 20º bem brasileiro inscrito na Lista do Patrimônio Mundial.

Encomendado pelo então prefeito de Belo Horizonte Juscelino Kubitschek ao arquiteto Oscar Niemeyer, o conjunto modernista também contou com Roberto Burle Marx, que assina o paisagismo, e Candido Portinari, autor do painel externo de azulejos da Igreja de São Francisco de Assis, que é um dos principais cartões-postais de Minas Gerais, lembra o ministério.

Também participaram do projeto original o engenheiro Joaquim Cardozo e os artistas Paulo Werneck, Alfredo Ceschiatti, August Zamoyski e José Pedrosa. Construído nos primeiros anos da década de 40, o conjunto antecipa conceitos arquitetônicos que viriam a ser aplicados anos mais tarde na construção de Brasília.

O valor dos edifícios é reconhecido por suas inovações. “O Conjunto Moderno da Pampulha é uma referência na arquitetura mundial pela utilização do concreto armado, que ainda não havia sido utilizado em construções semelhantes. Causou assim um impacto no mundo inteiro”, acrescenta Leonardo Castriota, professor de arquitetura da UFMG e presidente do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios no Brasil (Icomos), órgão que assessora e dá pareceres à Unesco.

Compõem o Conjunto Moderno da Pampulha a paisagem que se forma com a integração entre a Lagoa da Pampulha e sua orla, os jardins de Burle Marx, a Igreja de São Francisco de Assis, o antigo Cassino (atual Museu de Arte da Pampulha), a Casa do Baile (atualmente Centro de Referência em Urbanismo, Arquitetura e Design de Belo Horizonte), o Iate Golfe Clube (atual Iate Tênis Clube) e a Praça Dalva Simão (antiga Santa Rosa).

Museu de Arte da Pampulha

O Conjunto já era tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e também pelos poderes estadual e municipal. Com o título internacional, ganha mais força o potencial turístico do Conjunto, que já é hoje uma das principais atrações para quem visita a capital mineira.

A candidatura vinha sendo representada pela arquiteta e urbanista Luciana Feres, diretora do Conjunto Moderno da Pampulha, que é vinculado à Fundação Municipal de Cultura (FMC). Era o único representante brasileiro na disputa. Além das obras de Niemeyer, a paisagem do Conjunto também é composta por jardins projetados por Roberto Burle Marx, painéis em azulejos do pintor Cândido Portinari e esculturas de artistas reconhecidos, entre eles Alfredo Ceschiatti e José Alves Pedrosa.

O presidente da FMC, Leônidas Oliveira, comemorou por meio das redes sociais. “É muita emoção, é um sentimento de agradecimento, porque foram anos de trabalho, como um atleta para uma Olimpíada: treinamos, treinamos, treinamos e depois ganhamos”, postou.

O Ministério da Cultura lembrou que o reconhecimento da Pampulha traz também o compromisso dos governos federal, estadual e municipal de valorizar, conservar e divulgar o patrimônio da humanidade. Em nota oficial, os ministérios das Relações Exteriores e o da Cultura destacam que o comitê recomenda que o Brasil restaure elementos do complexo, amplie o plano de gestão para incorporar os compromissos assumidos no processo de avaliação da candidatura, estabeleça uma estratégia de turismo para a área e adote medidas para melhorar a qualidade da água da lagoa. “Essas providências exigirão a ação conjunta dos governos federal, estadual e municipal, em harmonia com a comunidade local”, disse os ministérios, em nota.

“A Unesco, ao reconhecer o valor universal excepcional da Pampulha, considerou o conjunto como símbolo de uma arquitetura moderna distante da rigidez do construtivismo e adaptada de forma orgânica às tradições locais e às condicionantes ambientais brasileiras. Essa abordagem pioneira, fruto da colaboração entre Oscar Niemeyer, Roberto Burle Marx e Candido Portinari, entre outros grandes artistas, criou uma nova linguagem arquitetônica fluida e integrada às artes plásticas, ao design e à paisagem”, acrescentaram os ministérios.

Intervenções

A conquista do título traz também responsabilidades. Um acordo com a Unesco prevê a despoluição da Lagoa da Pampulha e a demolição de um estacionamento anexo ao Iate Tênis Clube, restaurando assim o projeto original de Niemeyer. A Prefeitura de Belo Horizonte também anunciou que pretende fazer uma licitação para implantar uma linha de barcos que circulem entre os edifícios do conjunto.

Outra proposta já cogitada pelo poder público é a criação de um barco-táxi, que utilizaria antigos píeres existentes na orla. Seria uma alternativa para o deslocamento entre pontos distintos da Lagoa da Pampulha, reduzindo impactos no trânsito. A orla da lagoa possui 18 quilômetros.

Tentativa de golpe

A decisão sobre a Pampulha estava prevista para ocorrer ontem (16). No entanto, uma tentativa de golpe militar na Turquia atrasou a pauta. A Unesco chegou a anunciar que o encontro estava suspenso. A delegação brasileira, composta por representantes da FMC, do Iphan e pelo ministro da Cultura Marcelo Calero ficaram confinados no hotel, seguindo instruções de segurança do Palácio do Itamaraty.

Com o abrandamento da tensão, a Unesco decidiu retomar nesta manhã o encontro. No entanto, foram apreciadas somente candidaturas que já possuíam parecer favorável, como era o caso do Conjunto Moderno da Pampulha.

*com informações da Agência Brasil.

Outras publicações

Belo Horizonte: FAD – Festival de Arte Digital chega à 4ª edição e ocorre de 2 de setembro a 3 de outubro Programação gratuita contempla instalações interativas, performances audiovisuais, oficinas e debates. Pixel art, músico digital, softwares de código...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br