Após depoimento de João Santana, presidente afastada Dilma Rousseff diz que não autorizou caixa 2 em campanha

Presidente afastada Dilma Rousseff afirma não ter autorizado pagamento de caixa 2 na campanha de 2010.

Presidente afastada Dilma Rousseff afirma não ter autorizado pagamento de caixa 2 na campanha de 2010.

A presidenta afastada Dilma Rousseff disse na sexta-feira (22/07/2016), em seu Twitter, que não autorizou pagamento de caixa 2 “a ninguém”. “Se houve pagamento, não foi com meu conhecimento”, disse. O publicitário João Santana e a mulher dele, Mônica Moura, disseram, em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro, que receberam pagamento no exterior referente a uma dívida de campanha do PT nas eleições de 2010.

As audiências foram realizadas na ação penal em que os investigados respondem na Operação Lava Jato. Ambos estão presos desde fevereiro em Curitiba.

Durante o depoimento, Mônica Moura, que era responsável pela parte financeira da empresa de marketing do casal, informou que recebeu US$ 4,5 milhões em uma conta off shore na Suíça, controlada pelo empresário Zwi Skornick, acusado de operar os pagamentos ilegais, segundo investigadores da Lava Jato.

Conforme Mônica, o repasse era referente a uma dívida por serviços prestados ao PT durante a campanha da presidenta Dilma Rousseff em 2010. A empresa do casal fez o trabalho de marketing político da campanha.

Mônica relatou que, em 2013, passou a pressionar o ex-tesoureiro do partido, João Vaccari Neto, para que o pagamento da dívida, estimada em US$ 10 milhões, fosse feito. A partir daí, segundo ela, foi orientada por Vaccari a procurar Skornick, que seria responsável pelo pagamento de uma parcela.

Questionada pelo juiz Sérgio Moro se os pagamentos foram registrados na Justiça Eleitoral, Mônica Moura respondeu: “Não, não foi. Foi caixa 2 mesmo”.

Impeachment

No Twitter, Dilma afirmou que continua lutando contra o seu impeachment. “O processo só se completa com a votação no Senado. Faltam seis senadores para impedir [o impeachment]”, disse. O processo de afastamento de Dilma está previsto para ser votado no plenário do Senado no fim de agosto.

Após notícias de que estaria começando a levar sua mudança de Brasília para Porto Alegre, Dilma informou que pretende se mudar apenas em janeiro de 2019. “O que eu tenho está no Palácio da Alvorada, pouca coisa está em Porto Alegre. Espero levar minhas coisas para lá em janeiro de 2019”, escreveu. Na capital gaúcha, moram a filha, o genro e os dois netos da presidenta afastada.

*Com informação da Agência Brasil.

Outras publicações

Impeachment: após 12 horas, termina fase de depoimentos; Dilma Rousseff será ouvida na segunda-feira Plenário do Senado durante Sessão deliberativa extraordinária para votar a Denúncia 1/2016, que trata do julgamento do processo de impeachment da pre...
Eleições 2014 | Líder do governo Wagner comemora vitória de Dilma Rousseff em Feira de Santana Aliados de Dilma Rousseff comemoram. José Cerqueira de Santana Neto (Zé Neto), líder do governo Wagner comemora resultado. Depois da vitória da ...
Polícia Federal pede indiciamento do ex-ministro Antonio Palocci e mais cinco pessoas Juiz federal Sérgio Fernando Moro. O ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci foi indiciado por corrupção passiva pela Polícia Federal na Operação Lav...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br