Morre Cassius Marcellus Clay Jr, reconhecido como lendário boxeador Muhammad Ali

Muhammad Ali-Haj, nascido Cassius Marcellus Clay Jr, morreu aos 74 anos de idade.

Muhammad Ali-Haj, nascido Cassius Marcellus Clay Jr, morreu aos 74 anos de idade.

Muhammad Ali fez mais de 60 lutas profissionais em sua vitoriosa carreira. Com uma técnica impecável e uma resistência fora do comum, ele tornou-se uma lenda no mundo do boxe.

Muhammad Ali fez mais de 60 lutas profissionais em sua vitoriosa carreira. Com uma técnica impecável e uma resistência fora do comum, ele tornou-se uma lenda no mundo do boxe.

Muhammad Ali-Haj morreu, hoje (04/06/2016), aos 74 anos de idade, segundo porta-voz de sua família. Ex-campeão mundial dos pesos-pesados e um dos mais conhecidos esportistas do planeta estava hospitalizado na cidade de Phoenix, Estado do Arizona, nos Estados Unidos.

Ele lutava contra uma doença respiratória – condição que havia sido complicada pela doença de Parkinson.

O funeral ocorrerá na cidade natal de Ali, Louisville, no Kentucky.

Batizado como Cassius Marcellus Clay, Ali ficou famoso ao ganhar a medalha de ouro no boxe na Olimpíada de Roma, em 1960.

O americano venceu Sonny Liston em 1964 e ganhou seu primeiro título mundial. Ele foi o primeiro boxeador a ganhar o campeonato na categoria dos pesos-pesados em três ocasiões diferentes.

Ele se aposentou em 1981 tendo vencido 56 de suas 61 lutas.

Ele foi coroado como o “Esportista do Século” pela Sports Ilustrated e “Personalidade Esportiva do Século” pela BBC

Além da fama pela habilidade dentro dos ringues, ele ficou conhecido por seu ativismo na área de direitos civis e pela poesia que escrevia – algo que transcendeu as fronteiras do esporte, da raça e da nacionalidade.

Questionado certa vez sobre como gostaria de ser lembrado, ele disse: “Como um homem que nunca vendeu seu povo. Mas se isso for muito, então apenas como um bom boxeador. Eu nem vou me importar se não for mencionado o quanto eu fui bom”.

Ali passou para a categoria profissional do boxe logo após a Olimpíada de Roma e foi subindo no ranking dos pesos-pesados. Ele levava multidões ao delírio com seu comportamento, seu movimento de pés e seus reflexos rápidos.

O campeão britânico Henry Cooper quase parou Clay, quando ele ainda usava esse nome, quando eles lutaram (sem disputa de título) em Londres, em 1963.

Cooper levou o americano à lona com um gancho de esquerda, mas Clay se levantou e venceu a luta no round seguinte.

A carreira de Ali

— Ali vence Geroge Foreman em 1974

— Medalha de ouro na Olimpíada de 1960

—Se tornou profissional naquele ano e foi campeão mundial dos pesos-pesados de 1964 a 1967, 1974 a 1978 e 1978 a 1979

—Lutou 61 vezes, vencendo 56 (37 por nocaute) e perdendo cinco

Em fevereiro do ano seguinte, Clay impressionou o mundo do boxe ao ganhar aos 22 anos de idade o cinturão dos pesos-pesados.

Ele previu que venceria Liston, que nunca havia perdido.

Depois de seis rounds impressionantes, Liston desistiu.

Quando lutou com Liston pela primeira vez, Clay já praticava o islamismo, que pregava metas para o desenvolvimento espiritual, mental, social e econômico de afro-americanos nos Estados Unidos na época.

Mas contrastando com as características inclusivas de líderes dos direitos civis, como Martin Luther King, a Nação do Islã pregava o desenvolvimento dos negros em separado e atraia suspeitas do público americano.

Ali então se converteu ao Islã e deixou de lado seu “nome de escravo”, tornando-se Cassius X e depois Muhammad Ali.

Em 1967, Ali tomou a decisão de se opor à guerra dos Estados Unidos no Vietnã e acabou sendo criticado por muitos americanos.

Ele se recusou a atender à convocação para o serviço militar e acabou destituído de seu título mundial e de sua licença para lutar boxe. Ele não voltaria a lutar pelos próximos quatro anos.

Após sua condenação por não atender à convocação ser anulada em 1971, Ali retornou para os ringues e participou de três lutas que se tornaram icônicas na história do boxe – o que ajudou a restaurar sua reputação com o público.

Ele sofreu sua primeira derrota para Joe Frazier naquela que ficou conhecida como “a luta do século”, em Nova York, no dia 8 de março de 1971.

Ali recuperou o título em uma luta de oito rounds contra George Foreman em Kinshasa, no antigo Zaire, atual República Democrática do Congo, em 30 de outubro de 1974.

Ali enfrentou Frazier pela última vez nas Filipinas, em 1º de outubro de 1975. Ele venceu depois que o oponente não conseguiu participar do 15º round.

Depois disso, ele defendeu o título seis vezes até perder por pontos para Leon Spinks, em fevereiro de 1978. Porém, recuperou o título no final do mesmo ano.

A carreira de Ali acabou com as derrotas para Larry Holmes em 1980 e Trevor Berbick em 1981. Muitos disseram que ele deveria ter se aposentado antes de começar a perder.

Ele lutou como profissional 61 vezes, perdendo cinco e vencendo 37 por nocaute.

Logo depois que o lutador se aposentou começaram a circular rumores sobre seu estado de saúde. Sua fala tornou-se arrastada e ele frequentemente aparentava sonolência.

Ele foi diagnosticado com síndrome de Parkinson, mas continuou fazendo aparições públicas e recebendo recepções calorosas em todos os locais para onde viajava.

Ele acendeu a pira olímpica nos Jogos de 1996 em Atlanta e carregou a bandeira olímpica na cerimônia de abertura dos jogos de Londres de 2012.

*Com informações da BBC Brasil.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br