FUNCEB leva dança e música para edição 2016 da Rota da Independência da Bahia

Cartaz anuncia IX edição da 'Rota da Independência da Bahia'.

Cartaz anuncia IX edição da ‘Rota da Independência da Bahia’.

Com apresentações de dança e de música, a Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB) participa da nona edição da Rota da Independência da Bahia, que começa nesta segunda-feira, (13/06/2016), na cidade de Santo Amaro, com presença de gestores da cultura. Com passagem por sete cidades baianas que entraram para a história por participarem da luta pela independência do Brasil, a Rota é promovida pela Fundação Pedro Calmon e tem como parceiros a FUNCEB e o Instituto do Patrimônio Artístico Cultural da Bahia (Ipac), vinculadas da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA). O título desta edição da Rota é “2 de Julho é Todo Ano, 2 de Julho é Todo Dia”. Oficinas de leitura, contação de histórias e apresentações de dança, teatro e musica estão na programação geral.

A Escola de Dança da FUNCEB, do Centro de Formação em Artes (CFA), participa da Rota da Independência em escolas dos municípios da rota, com alunos apresentando quatro coreografias, sempre no horário das 16h. Diferente Semelhança é um duo desenvolvido pelo Núcleo Nordeste Amaralina da instituição, e que será mostrada no dia 13.06, na cidade de Santo Amaro. Bruna e Jennifer Aleluia apresentam a peça da coreógrafa Denise Torraca, que utiliza como referências elementos como Eu, você, o espelho, o outro eu, caminhos que vão e vem, água que lava.

Corpos Ancestrais, apresentada por alunos do terceiro semestre do curso Profissional da Escola, tem pauta no dia 14.06, em São Francisco do Conde; Isis Carla Matos Cardoso assina a coreografia que conta com pequenos solos, de autoria dos dançarinos. A proposta é revelar aspectos emocionais proporcionados pelo auto-conhecimento a partir da pesquisa sobre suas ancestralidades. Bufyo, com alunos dos Cursos Livres, será apresentada no dia 16.06, em Cachoeira, e no dia 17.06, em Maragojipe. A coreógrafa Roquidélia Santos, dos Cursos Livres, retrata a transformação de Yansã  em Bufalo. O elenco é formado pelos alunos Luan, Eliosvaldo,Tiago, Juca, Rafael e Sergio Reis.

Berrantes, uma homenagem a Luiz Gonzaga, é atração do dia 20.06, em Itaparica. A criação coreográfica, de Nilmara Rocha, aborda aspectos da cultura nordestina e homenageia Luis Gonzaga. Com: Gabriela Pinheiro, Jefferson Zimmer, Marcos Vinicius e Uostton Alcantara. Um grupo de músicos organizado pelo CFA irá se apresentar em Caitité, no dia 29.06.

Símbolo de ideais

“O 2 de julho é uma data histórica que simboliza a nossa luta pelos ideais de liberdade, de justiça e de cidadania – da força integrada do nosso povo na diversidade de suas etnias por um bem comum”, considera Fernanda Tourinho, diretora da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB). A entidade está presente na festa há anos, através do apoio às manifestações culturais existentes nas cidades que participaram mais ativamente do processo histórico permitindo suas presença no desfile em Salvador. Nos últimos anos garantindo a participação das Filarmônicas como forma de reconhecimento dessas organizações musicais que mantém vivas as tradições e estimulam a linguagem musical em suas cidades, desenvolvendo a musicalização em crianças e jovens.

A convite da Fundação Pedro Calmon este ano a FUNCEB participa também da Rota da Independência, levando a linguagem da música e da dança, partilhando o trabalho da Escola de Dança da FUNCEB e promovendo um diálogo mais amplo entre as crianças dos municípios envolvidos e as crianças de Salvador, onde se deu a batalha final. “Um diálogo da arte com a história, da arte com a cidadania”, conclui Fernanda Tourinho.

De acordo com o diretor-geral da FPC, Zulu Araújo, a Rota aproxima a relação entre Estado e o cidadão, à medida em que enaltece as datas históricas e cívicas: “A presença da Fundação Pedro Calmon fortalece o capital simbólico desta luta, atuando no campo da sua preservação histórica, num território com importância singular para celebrações pela Independência do Brasil na Bahia”. “A proposta principal é difundir e contextualizar a história referente às batalhas de expulsão das tropas portuguesas da Baia de Todos-os-Santos e da Cidade de Salvador entre 1822 e 1823 e a consequente consolidação da independência do Brasil na Bahia”, explica o historiador Rafael Fontes, diretor do Centro de Memória da Bahia.

Agenda

Santo Amaro, dia 13, 16h

São Francisco do Conde, dia 14, 16h

São Félix, dia 16, 16h

Maragogipe, dia 17, 16h

Itaparica, dia 20, 16h

Caitité, dia 29, 16h, apresentação musical

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br