Fogos de artifício e som alto podem lesar a audição

Clarice Saba é médica otorrinolaringologista.

Clarice Saba é médica otorrinolaringologista.

Ruídos emitem cerca de 115 dB, ou seja, são permitidos por apenas 7 minutos. O barulho dos fogos de artifício e das altas caixas de som podem lesar a audição, ou seja, causar perda auditiva, zumbido, tontura e até perfuração timpânica. Esse é o alerta da otorrinolaringologista Clarice Saba, Vice-Presidente da Sociedade de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço da Bahia, para quem vai curtir os festejos de São João e de São Pedro.

“Muito cuidado com o barulho, principalmente as crianças, que têm ouvidos mais sensíveis. Mantenha distância das caixas de som e dos fogos, que estrondam inesperadamente e se transformam em trauma acústico. Se for soltá-los, jogue bem longe de você e das outras pessoas. O som é pressão sonora e um único barulho pode lesar a saúde auditiva até de forma irreversível”, indica Clarice Saba.

A profissional esclarece que o volume de 85 decibéis (dB) é suportável por até 8 horas consecutivas. Para cada cinco decibéis a mais, o limite cai pela metade. “Ficar perto das explosões dos fogos e das caixas de som é ficar exposto, em média, a 115 decibéis. Isso significa que, de modo geral, o indivíduo só pode ficar exposto a esses barulhos por 7 minutos”, afirma.

Os pais podem tentar preservar a audição das crianças através de protetores auriculares. Os que trabalham nos locais de superexposição devem ter cuidados redobrados, já que o tempo e intensidade de exposição ao som influenciam na possível lesão. Caso o indivíduo apresente zumbido ou mesmo dor de ouvido, o indicado é evitar novo contato com o barulho e procurar ajuda profissional.

Portadores de rinite e asmáticos também devem redobrar cuidados

A médica explica, ainda, que a fumaça das fogueiras e dos próprios fogos também podem agravar a manifestação da rinite alérgica – que, se não cuidada, pode evoluir para uma rinossinusite aguda, cursando ou não com infecção, e até mesmo para uma broncopneumonia, em alguns casos –, além da asma. Para os que sofrem com os distúrbios, o indicado é se afastar da fumaça.

Dicas

Dicas que mostram que o ambiente não está sendo saudável para os ouvidos:

– se você tem que gritar para ser ouvido;

– se você não entende o que estão falando a um metro de distância;

– se a música tocada no seu fone de ouvido pode ser ouvida por uma pessoa próxima a você;

– se após exposição ao barulho você apresentou zumbido.

*Clarice Saba é médica otorrinolaringologista, vencedora do X Jack Vernon Award (o prêmio científico internacional mais importante da área de zumbido), Diretora Técnica do Centro de Otorrinolaringologia da Bahia (CEOB), Vice-Presidente da Sociedade de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço da Bahia, Delegada da Sociedade Brasileira de Otologia, Preceptora da Residência Médica em Otorrinolaringologia da Santa Casa de Misericórdia da Bahia – Hospital Santa Izabel, Fellow em otorrinolaringologia no Jackson Memorial Hospital (USA) e no Groningen Ziekenhuis (Holanda), idealizadora e coordenadora do Programa de Apoio a Pacientes com Hiperacusia e Zumbido (PAHZ), do Ambulatório de Zumbido da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública e do EMPAZH (Encontro Mensal com Pacientes Portadores de Zumbido e Hiperacusia).

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br