Feira de Santana: vereador comenta sobre possível fechamento de empresas e aumento do desemprego

Vereador José Carneiro Rocha alerta que empresas podem fechar operações em Feira de Santana.

Vereador José Carneiro Rocha alerta que empresas podem fechar operações em Feira de Santana.

Na sessão legislativa desta segunda-feira (27/06/2016), o líder do Governo na Câmara, vereador José Carneiro (PSDB), abordou três assuntos publicados recentemente nos meios de comunicação: entrega de viatura no município de Tanquinho, possível fechamento de quatro empresas em Feira de Santana e aumento do desemprego no Brasil.

“A semana passada foi comentado nesta tribuna a respeito da festa que foi realizada na entrega de uma viatura no povoado de Humildes. Olhando o blog São Gonçalo Alerta, de 22 de junho, observamos uma matéria que é também interessante e a gente não poderia deixar de passar despercebida, onde diz que ‘Viatura da PM com prefixo de São Gonçalo dos Campos é entregue em Tanquinho’”.

Segundo o edil, a referida matéria informa que “os vereadores Joca e Nilsinho, ambos de São Gonçalo, durante pronunciamento na sessão da Câmara, repudiaram duramente a entrega da viatura da Polícia Militar, plotada com prefixo de São Gonçalo dos Campos, para o município de Tanquinho. A entrega do veículo foi feita pelo deputado estadual Zé Neto, em cerimônia realizada na sede da 57ª CIPM, em Santo Estevão”.

O texto diz ainda, conforme José Carneiro, que “saindo em defesa da comunidade sangonçalense, os dois vereadores resumiram, em entrevista ao São Gonçalo Alerta, algumas das suas indagações e afirmações apresentadas por eles durante o horário destinado ao grande expediente. Nilsinho fez duras denúncias, ressaltando que enquanto entregam viatura de São Gonçalo em Tanquinho, a situação dos moradores de São Gonçalo com relação à segurança fica comprometida, como é assim na maioria das cidades deste país”.

Para José Carneiro, o Governo Estadual é “‘bombardeado’, não sabe o que faz. Entregar uma viatura de São Gonçalo a Tanquinho é realmente para morrer de rir”, criticou.

Mudando de assunto, o líder governista externou sua preocupação com uma informação publicada no Jornal Noite e Dia, na semana passada, que diz que “corre a boca pequena que fecharão as portas a Indústria de Pneus Pirelli, a G-Light, a Casa de Materiais de Construção Ramos e o G Barbosa da rua Marechal”.

Em sua opinião, essa informação é preocupante, porque se trata de quatro grandes empresas que empregam milhares de pais e mães de família. “Já estamos vendo cotidianamente o cemitério comercial no centro de Feira de Santana. Pode passar pelas avenidas principais  e observe que tem sempre lojas fechando, estabelecimentos com anúncios de aluguel e de venda, vemos isso na Senhor dos Passos, Sales Barbosa, entre outras ruas de Feira de Santana, que estão se tornando verdadeiramente um cemitério comercial”.

Ainda com relação à nota do Jornal Noite e Dia, José Carneiro disse que espera que a informação sobre o possível fechamento das empresas supracitadas seja apenas um boato, para não desempregar mais pessoas em Feira de Santana. Na oportunidade, ele lembrou que, recentemente, a Cervejaria Heineken/Kaiser fechou a fábrica no município, provocando muitas demissões.

Para o vereador, diante desse quadro, é motivo de sobra para o feirense se preocupar. “E a gente não tem visto por parte do Governo do Estado, através do próprio Jairo Miranda, que é diretor do Centro das Indústrias, se pronunciar sobre este assunto. Eu acredito que, diante de tanta crise, diante de tanta dificuldade, os Governos tanto Federal, Estadual e, até mesmo Municipal, poderiam perfeitamente interferir junto a essas empresas. Quem sabe dando incentivo fiscal, contribuindo, de alguma forma, com incentivos fiscais, para que elas não fechem as portas e, consequentemente, permaneçam operando em nossa cidade”, sugeriu.

Em seguida, José Carneiro repercutiu uma matéria do Jornal Tribuna Feirense, que informa que, “em maio, 72.615 vagas de empregos formais foram fechadas em todo o país, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). O resultado mantém a tendência de mais demissões que contratações no mercado de trabalho. No acumulado de janeiro a maio, 488.011 postos de trabalho já foram fechados este ano”.

O líder governista disse que a matéria ressalta também que “nos últimos 12 meses, o país perdeu 1.781.906 empregos com carteira de trabalho assinada, o que corresponde a uma retração de 4,34% do contingente de trabalhadores formais. Com o resultado, o Brasil tem atualmente 39.244.949 trabalhadores com carteira de trabalho assinada”, findou.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br