Feira de Santana: jornalista Joilton Freitas denuncia tentativa de intimidação ocorrida nas dependências da Rádio Sociedade de Feira de Santana

Jornalista Joilton Freitas sofre tentativa de intimidação.

Jornalista Joilton Freitas sofre tentativa de intimidação.

O jornalista Joilton Freitas, âncora do programa Rotativo News — veiculado na Rádio Sociedade de Feira de Santana, de segunda à sexta-feira, das 15 às 16 horas — denunciou tentativa de intimidação decorrente de iniciativa de indivíduo identificado como Messias. Segundo Joilton Freitas, por volta das 16 horas, de quarta-feira (22/06/2016), após proferir comentário sobre o caso envolvendo os deputados federais Jair Bolsonaro e Maria do Rosário, foi abordado de forma intimidador, na portaria da rádio pelo indivíduo Messias.

Joilton Freitas revela que tinha concluído a apresentação do programa, quando, ao sair da rádio se encontra com Messias. O indivíduo, insatisfeito com os comentários proferidos durante o programa, utilizou de linguagem inadequada e gestos ameaçadores contra ele. Reagindo a inusitada situação, Freitas explica que tentou dissuadir o indivíduo da tentativa de intimidação.

Comentário no Face

À noite, na página pessoal do Facebook, Joilton Freitas emitiu o seguinte comentário:

Meus amigos e amigas, hoje, um indivíduo de prenome Messias. Foi até a Rádio Sociedade, por volta das 15:55hs, e me agrediu com palavras e acusações mentirosas. Fui informado por uma colega que tinha um elemento falando gatos e lagartos de mim na recepção da emissora. Fui até o recinto. Lá estava o energúmeno dizendo que eu tinha defendido o deputado Jair Bolsonaro e que concordava com ele, Bolsonaro, com a excitação ao estupro.

Deus! Primeiro eu não defendi necessariamente o deputado. Ele não precisa de mim para isso. Apenas disse que  não via na reação e resposta do deputado, a uma acusação, feita pela deputada Maria do Rosário, que o chamou de estuprador, excitamento ao estupro. Pouco me importa o que pensa a segunda turma de STF. Respeito a decisão como cidadão. Acredito que o deputado tem condições de se defender a altura.

Mas, também como cidadão tenho o direito de discordar. Na qualidade de jornalista e radialista tenho o direto de opinar. Sem ser ameaçado por um tresloucado. Tenho recebido ameaças de morte, surras, corte de língua, pernas quebradas… Nunca me intimidei e nem vou. Mas, essa foi a primeira vez que eu estive cara a cara com um possível agressor. Estamos vivendo um momento difícil nesse país. Você não pode discordar dos defensores do bolivarianismo, lulupetismo, comunismo, sem ser ameaçado.

Vivemos em um país plural e democrático. E assim continuará sendo. Não é fácil para nenhum profissional estar em seu trabalho e de repente aparecer um sujeito desse nível. Nesse momento eu poderia estar morto. Pergunta: que tipo de gente é que vai ao trabalho de alguém ameaçar? Que tipo de indivíduo, se encontra perambulando pelas ruas, ouvindo rádio e depois partido para uma emissora, e tentar agredir um comunicador? A sorte é que eu sou cachorro grande. Conseguir colocar o safado para correr. Que Deus proteja a todos, que durante o seu dia a dia, tenta cada vez mais consolidar a democracia nesse país. Sem a livre expressão, jamais chegaremos a ser uma nação de primeiro mundo. Boa noite. Boa sorte. Alguém pode estar perguntando: por que não dar uma queixa na polícia. Já fiz isso há dois anos. E nada foi feito. Portanto, é só rezar e reagir a altura. Que Deus nos proteja. Amém!

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: diretor@jornalgrandebahia.com.br.