Corrupção: tudo que está escondido será revelado.

Ministro Gilmar Mendes reconhece que na ação de impeachment contra Dilma Rousseff não existe crime.

Ministro Gilmar Mendes reconhece que na ação de impeachment contra Dilma Rousseff não existe crime.

“Pois nada há de oculto que não venha a ser revelado, e nada em segredo que não seja trazido à luz do dia.” (Marcos 4:22)

Os fatos ocorridos nos últimos dias se adequam justamente a este versículo da Bíblia escrito por Marcos. Pode-se até acrescentar que “não ficará pedra sobre pedra”.

José Sérgio de Oliveira Machado, mais conhecido como Sérgio Machado (ex-senador PSDB), resolveu abrir a “caixa de Pandora” da política brasileira e soltar os demônios que estavam escondidos e trancados a sete chaves, para sacudir o mundo político. Grande parte da corrupção que era dúvida para alguns, agora já não é mais.

O “temeroso” governo interino, com a delação de Sérgio Machado, já perdeu três ministros: Romero Jucá (Planejamento), Fabiano Silveira (Transparência) e o do Turismo, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). “Qual o próximo a cair nesse governo golpista?” – questiona Dilma Rousseff. Segundo comentários o próximo será o Ministro interino da Educação, Mendonça Filho (DEM-BA), acusado de ter recebido uma propina de R$ 100 mil reais pagos pela UTC Engenharia.

É fundamental que este tsunami político deixe um legado. O da moralidade, da honestidade e do bom caráter não só na política, mas em todos os segmentos; tomando como exemplo o futebol. Alguns dirigentes da CBF não podem viajar para o exterior. Caso isso aconteça serão presos pelo FBI – Federal Bureau of Investigation – acusados de corrupção.

Dando continuidade a esta “teia de aranha” da corrupção brasileira, o ex-prefeito do município de Pirambu (SE), Juarez Batista dos Santos, detalha minuciosamente a forma como o deputado federal André Moura (PSC-SE), desviou dinheiro da prefeitura para quitar dívidas pessoais e de seus familiares e, além disso, cativar alguns aliados políticos. Sendo que ele também foi prefeito de Pirambu.

O interessante de tudo isso que está vindo à tona, e que é contra o presidente interino Michel Temer, Aécio Neves e os 150 deputados e senadores que Cunha disse estarem envolvidos em corrupção, ou não acontece nada, ou as providências não tem a celeridade necessária que o momento exige.

Por outro lado contra Dilma Rousseff, presidente eleita democraticamente através de mais de 54 milhões de votos, ocorre o contrário. Em uma entrevista na Suécia ao jornalista Wellington Calasans, o ministro do STF Gilmar Mendes reconhece de forma constrangedora, que a presidente Dilma Rousseff está enfrentando um processo de impeachment sem ter cometido crime. “Veja, se ela também tivesse cometido o crime, ficasse flagrantemente provado que ela tivesse cometido o crime, e ela tivesse obtido 172 votos, ela também não seria processada”, afirmou Gilmar Mendes. Vamos aguardar confiantes de que Marcos, a quase 2000 anos, já tinha razão.

Sobre o autor

Alberto Peixoto
Antonio Alberto de Oliveira Peixoto, nasceu em Feira de Santana, em 3 de setembro de 1950, é Bacharel em Administração de Empresas pela UNIFACS, e funcionário público lotado na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia, atua como articulista do Jornal Grande Bahia, escrevendo semanalmente, é escritor e tem entre as obras publicadas os livros de contos: 'Estórias que Deus Duvida', 'O Enterro da Sogra, 'Único Espermatozoide', 'Dasdores a Difícil Vida Fácil', participou da coletânea 'Bahia de Todos em Contos', Vol. III, através da editora Òmnira. Também atua incentivador da cultura nordestina, sendo conselheiro da Fundação Òmnira de Assistência Cultural e Comunitária, realizando atividades em favor de comunidades carentes de Salvador, Feira de Santana e Santo Antonio de Jesus. É Membro da Academia de Letras do Recôncavo (ALER), ocupando a cadeira de número 26. Saiba mais visitando: http://www.albertopeixoto.com.br