1946: Fundada a República Independente da Cochinchina

Mapa com ilustração das fronteiras da República Independente da Cochinchina.

Mapa com ilustração das fronteiras da República Independente da Cochinchina.

A fundação da República Independente da Cochinchina pela França em 1º de junho de 1946, encerrou a política colonialista do século 19. Com o fim da 2ª Guerra Mundial, o império francês virava uma página da História.

Os franceses chegaram à Península da Indochina em 1858, mas nunca conseguiram controlar mais que o sul do Vietnã, a Cochinchina, o “celeiro de arroz” do Sudeste Asiático, no delta do rio Mekong. Em 1874, a França estabeleceu dois protetorados na região: Anã, no centro, e Tonquin, no norte. Finalmente, em 1887, foi formada a União da Indochina, que reuniu sob o jugo colonial francês Anã, Tonquin, Cochinchina e Camboja.

Os franceses obtiveram grandes lucros com a exploração da borracha, do arroz e da madeira. Em 1940, a Indochina foi ocupada pelos japoneses. Com a retirada do Japão após a Segunda Guerra Mundial, os franceses reocuparam a península.

O Alto Comissário Francês para a Indochina, almirante George Thierry d’Argenlieu, formulou com as seguintes palavras os objetivos da política colonial da França: “Precisamos assegurar a manutenção e ampliação de nossa influência e de nossos interesses econômicos, bem como garantir a proteção das minorias étnicas. Além disso, temos de nos preocupar com nossas bases estratégicas e a defesa da união francesa”.

EUA negaram ajuda

Como fizera nas batalhas contra os japoneses na Segunda Guerra Mundial, Paris pediu, sem sucesso, o apoio dos Estados Unidos. No entanto, a política de Roosevelt e, mais tarde, a de Truman, foram claramente anticolonialistas e ambos negaram a ajuda.

As reservas de Washington em relação à França levaram o líder dos povos do norte e do centro do Vietnã, Ho Chi Minh, por sua vez, a depositar suas esperanças nos EUA. Ele disse ao oficial do serviço secreto norte-americano, major Archimedes Patti, que os vietnamitas nunca entrariam em guerra contra os EUA, “um país que eles amam”.

Interessados em ter a França como forte aliada na Europa, os norte-americanos também negaram ajuda aos vietnamitas. A ordem de Roosevelt e Truman era não tomar partido na questão da Indochina. Ho Chi Minh não obteve sequer o desejado apoio moral dos EUA. Ignorada pelos norte-americanos, a Liga pela Independência (Vietminh), criada em 1939, no entanto, acabou sendo apoiada pela China.

O Vietminh passou a combater o expansionismo francês em direção a Hanói e a exigir a independência da República da Cochinchina. O objetivo era livrar a Indochina da ocupação francesa. O almirante d’Argenlieu reagiu, dizendo que a França não tinha a intenção de conceder a independência total aos povos da Indochina. “Isso seria uma perigosa quimera em relação aos interesses de ambos os partidos”, declarou.

Nova estratégia de Paris

A fundação da Cochinchina em 1946 marcou o início da primeira guerra na Indochina. Paris, no entanto, viu logo que não se tratava de um país “independente” e adotou uma nova estratégia: a 23 de abril de 1949, novamente dissolveu a República Independente da Cochinchina e instalou em seu lugar a República do Vietnã do Sul. O Vietminh não reconheceu esse Estado fantoche dos franceses e a guerra continuou até a derrota francesa em Diem Bien Phu, em maio de 1954.

O cenário do conflito colonial francês virou, então, palco da Guerra Fria do “ocidente livre” (os EUA) contra “as forças das trevas e do comunismo” (o Vietcong). Os norte-americanos fariam a mesma experiência amarga dos franceses: não tiverem meios – nem mesmo militares – de conter o movimento pela independência dos povos da Indochina. Em 1975, derrotados, os EUA foram obrigados a se retirar do Vietnã.

O dia 1º de junho de 1946, data da fundação da República Independente da Cochinchina pela França, foi um marco histórico do fim da política colonialista do século 19. Com o fim da Segunda Guerra Mundial, o império francês virava uma página da História.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br