Vereador Beldes Ramos defende Governo da Bahia de críticas na saúde

Beldes Ramos: “O Clériston tem uma quantidade de atendimentos incrível, não pode transferir alguém de uma policlínica sem vaga na UTI, porque se tiver complicação a pessoa morre”.

Beldes Ramos: “O Clériston tem uma quantidade de atendimentos incrível, não pode transferir alguém de uma policlínica sem vaga na UTI, porque se tiver complicação a pessoa morre”.

Em discurso nesta segunda-feira (16/05/2016), na tribuna da Câmara Municipal de Feira de Santana, o vereador Beldes Ramos (PT) defendeu o Governo do Estado de críticas proferidas por vereadores governistas sobre a saúde.

“Nada foi dito contra a figura do diretor do Hospital Geral Clériston Andrade, Pitangueiras, mas quero fazer a defesa do Governo do Estado. Não posso deixar de falar da situação de superlotação que passa o hospital, mas sofre também porque o Município, que é sistema pleno de saúde, precisa colaborar”, disse.

Segundo o petista, há unidades de saúde no município criadas com o intuito de também atender urgência e emergência, mas não estão funcionando a contento.

“Têm responsabilidade também no atendimento de urgência e emergência, mas estão andando na contramão. A Casa de Saúde Santana tinha atendimento de urgência e emergência e suprimiu, assim como o Dom Pedro. A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Queimadinha está há mais de quatro anos sem conclusão, já que foi iniciada ainda na gestão de Tarcízio Pimenta, e a UPA da Mangabeira não têm instrumentos, as policlínicas muito pior. E, ainda digo mais: existe ‘corpo mole’ nas policlínicas para conceder regulação”, afirmou.

O edil salientou que o Hospital Geral Clériston Andrade não pode regular para receber pacientes, quando não há leitos disponíveis. “O Clériston tem uma quantidade de atendimentos incrível, não pode transferir alguém de uma policlínica sem vaga na UTI, porque se tiver complicação a pessoa morre”.

O vereador concorda que Feira de Santana precisa de mais um grande hospital. Disse também que no HGCA paciente indicado por político não é privilegiado. “Não discordo que precisamos de outro hospital, mas não vai resolver. Ficamos assustados com as declarações de escolha de pacientes. Já houve o tempo em que tirava o que estava doente  e colocava o pedido do político, houve esse tempo, mas hoje Pitangueiras trata com responsabilidade, não existe cortar fila”, garantiu.

Beldes informou ainda que somente na gestão de Pitangueiras foram inaugurados mais de 15 leitos, mais dois de UTIS e cinco na unidade semi-intensiva, contrariando o que foi dito pela vereadora Neinha de que há 20 anos a quantidade de leitos na unidade é a mesma.

Em aparte, o vereador Edvaldo Lima (PP) comentou o assunto. “A situação é essa justamente por falta de leito municipal, que o cidadão também quer ter atendimento. A UPA da Mangabeira não está dando atendimento, só fazendo consulta, mas a UPA foi justamente para pequenas cirurgias e atendimentos de urgências, mas ali está só fazendo consultas, enquanto isso no Clériston se faz das ‘tripas coração’ pra atender a região”, disse.

Beldes Ramos concluiu o discurso dizendo que o Governador Rui Costa vai honrar seu compromisso com o município de Feira de Santana, construindo um novo hospital regional.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br