Ministro do STF autoriza quebra de dados bancários e fiscais do ministro Romero Jucá

O ministro do Planejamento, Romero Jucá, é investigado por possíveis atos de corrupção.

O ministro do Planejamento, Romero Jucá, é investigado por possíveis atos de corrupção.

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a quebra dos dados bancários e fiscais do ministro do Planejamento, Romero Jucá (PMDB), em um inquérito que investiga fraude no repasse de emendas parlamentares. Ao todo, Jucá é alvo de seis inquéritos no STF. Em nota, a assessoria do ministro do Planejamento informou que Jucá já colocou à disposição todas as informações relativas ao processo.

A pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, Mello autorizou o afastamento dos sigilos no período entre março de 1998 e dezembro de 2002. “O afastamento da garantia mostra-se imprescindível à elucidação dos fatos, consideradas as nuances do esquema delituoso”, diz o pedido de Janot.

De acordo com o inquérito, Jucá disponibilizou, enquanto senador, emendas parlamentares para destinar recursos federais para o município de Cantá (RR). Em troca, ele teria recebido parte das verbas por meio de “licitações superfaturadas organizadas pelo prefeito da municipalidade, Paulo de Souza Peixoto”. As investigações contra Peixoto e as oito empresas citadas nos processos estão na Justiça de Roraima.

Ministro Romero Jucá diz estar “muito tranquilo” com quebra de seus sigilos bancário e fiscal

O ministro do Planejamento, Romero Jucá, disse na sexta-feira (20/05/2016) estar “muito tranquilo quanto a qualquer investigação” ao comentar a autorização dada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para a quebra de seus sigilos bancário e fiscal em um inquérito que investiga fraude no repasse de emendas parlamentares. Ao todo, Jucá é alvo de seis inquéritos no STF.

“Não há demérito em ser investigado. O demérito é ser condenado. Não tenho nenhuma relação com essas questões que estão sendo colocadas. Estou muito tranquilo. Se não estivesse tranquilo não teria assumido a presidência do PMDB e comprado a briga que comprei”, disse o ministro, que deu entrevista no Ministério da Fazenda para anunciar a nova meta fiscal.

Segundo Jucá, nas democracias, “qualquer servidor pode ser investigado”. O ministro disse que prestou todas as informações pedidas pelo Ministério Publico Federal e que apoia a operação Lava Jato, que, segundo ele, mudou a relação entre políticos, empresas e empresários no Brasil.

Quebra de sigilo

A pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o ministro Marco Aurélio, do STF, autorizou hoje a quebra dos sigilos bancário e fiscal de Jucá no período entre março de 1998 e dezembro de 2002. “O afastamento da garantia mostra-se imprescindível à elucidação dos fatos, consideradas as nuances do esquema delituoso”, diz o pedido de Janot.

De acordo com o inquérito, Jucá disponibilizou emendas parlamentares para destinar recursos federais para o município de Cantá (RR). Em troca, o senador teria recebido parte das verbas por meio de “licitações superfaturadas organizadas pelo prefeito da municipalidade, Paulo de Souza Peixoto”. As investigações contra Peixoto e as oito empresas citadas nos processos estão na Justiça de Roraima.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br