Ministro da Cultura é empossado e diz que buscará diálogo

Ministro Marcelo Celero e presidente interino Michel Temer durante cerimônia de posse de Calero como Ministro da Cultura. Ao discursa, Marcelo Calero proferiu a genial frase: "o partido da cultura é a cultura".

Ministro Marcelo Celero e presidente interino Michel Temer durante cerimônia de posse de Calero como Ministro da Cultura. Ao discursa, Marcelo Calero proferiu a genial frase: “o partido da cultura é a cultura”.

O presidente interino Michel Temer deu posse nesta tarde ao novo ministro da Cultura, Marcelo Calero, no Palácio do Planalto. Em seu discurso, Calero disse que “o partido da cultura é a cultura”. “Estaremos sujeitos sempre a aquilo que a sociedade demanda, nunca a serviço de um projeto de poder. O financiamento público é uma ferramenta imprescindível para que a cultura cumpra sua tarefa elementar de sustentação da nacionalidade”, afirmou Calero.

O ministro destacou que quer marcar sua gestão por um “amplo, franco e produtivo” diálogo com os mais diversos segmentos da cultura. “Um diálogo que não seja um fim em si mesmo, mas que resulte em melhorias efetivas. Serei o ministro do diálogo, da ampliação da participação social, da busca de soluções que sejam fruto do debate e do entendimento”, acrescentou.

No fim de semana, Temer decidiu recriar o ministério após protestos contra a incorporação da pasta ao Ministério da Educação. Críticas de artistas levaram à decisão, tomada após uma conversa de Temer com o ministro da Educação, Mendonça Filho.

O presidente manifestou a vontade de recriar a pasta, extinta recentemente, e pediu a opinião do ministro, que concordou com a medida. Calero havia sido indicado para ser o secretário nacional de Cultura.

Marcelo Calero era secretário municipal de Cultura do Rio de Janeiro e estava no cargo desde o ano passado. Ele tem 33 anos e ingressou na carreira diplomática em 2007. Em 2013, foi cedido à prefeitura do Rio para trabalhar na gestão do prefeito Eduardo Paes. No município, Calero comandou as comemorações dos 450 anos da capital fluminense.

Presidente interino dá posse a Calero e diz que cultura é fundamental ao país

Ao dar posse ao ministro da Cultura, Marcelo Calero, após extinguir a pasta há duas semanas e recriá-la no último final de semana, o presidente interino da República, Michel Temer, disse reconhecer que setor é de “fundamental importância para o país”

Temer lembrou que, ao contrário dos demais ministros, a posse de Calero ocorria de forma individual e especial. “Essa é a posse mais solene de todos os ministros, que foram empossados de maneira completamente informal. É interessante observar que certos fatos que, embora pareçam equivocados no primeiro momento, geram fatos muito positivos”, discursou Temer.

O presidente interino afirmou que com a cerimônia de posse individualizada do novo ministro estava “homenageando toda a cultura brasileira”. Assim como o novo ministro, Temer disse que a cultura não pertence a partidos nem a ninguém, mas ao conjunto do país.

Durante a cerimônia, Temer anunciou que o governo vai quitar, ainda este ano, uma dívida de mais de R$ 200 milhões da pasta. “Queremos redimir a cultura. Ao fazer esse pagamento, vamos estabelecer um critério, enaltecer cada vez mais o setor”, disse Temer.

Sarney

Criador do Ministério da Cultura, o ex-presidente da República e ex-senador, José Sarney, foi homenageado por Temer. “Estamos todos reunidos para comemorar um momento importante para a cultura brasileira e me perdoem o neologismo. Porque, na verdade, se o presidente Sarney, em um dado momento, criou o Ministério da Cultura, em um dado momento, eu o fiz retornar à Educação. Verifiquei, desde os primeiros instantes, que, na verdade, a cultura era um setor fundamental para o país”, disse Temer.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br