Impeachment: governo chinês espera que Brasil garanta “estabilidade política”

Presidenta Dilma durante pronunciamento apos assinar o seu impeachment. Presidenta com todos os seus ministros, parlamentares e assessores. Presidenta saiu do palacio para abraçar o povo.

Presidenta Dilma durante pronunciamento apos assinar o seu impeachment. Presidenta com todos os seus ministros, parlamentares e assessores. Presidenta saiu do palacio para abraçar o povo.

Dilma Rousseff deixa planalto acompanhada de apoiadores e parlamentares para discursar ao público após seu afastamento.

Dilma Rousseff deixa planalto acompanhada de apoiadores e parlamentares para discursar ao público após seu afastamento.

Ex-presidente Lula presta solidariedade à presidente Dilma Rousseff.

Ex-presidente Lula presta solidariedade à presidente Dilma Rousseff.

O Governo chinês desejou hoje (13/05/2016) que o Brasil garanta a “estabilidade política”, depois de o Senado ter aprovado ontem (12/05/2016) o afastamento da presidente brasileira Dilma Rousseff, por 55 votos a favor e 22 contra.

“Esperamos que todas as partes consigam gerir a atual situação e mantenham a estabilidade política e o desenvolvimento econômico e social”, afirmou, em entrevista à imprensa, Lu Kang, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês.

A China tornou-se, em 2009, o principal parceiro econômico do Brasil, ultrapassando os Estados Unidos, e maior investidor externo na economia brasileira.

No ano passado, o volume das trocas comerciais bilaterais ficou em US$ 71,80 bilhões de dólares (R$ 250,37 bilhões), menos 17,37% na comparação com 2014.

Lu Kang garantiu que a China “acompanha os desenvolvimentos da crise política no Brasil”, mas evitou mostrar apoio à presidente Dilma.

“China e Brasil são parceiros estratégicos complementares. Damos grande importância ao desenvolvimento das relações bilaterais e acreditamos que as relações amistosas e de cooperação mutuamente benéfica prosseguirão”, declarou, recorrendo às palavras habitualmente usadas pela diplomacia chinesa.Repercussão

Já a imprensa chinesa dá hoje destaque de primeira página à notícia que marca os acontecimentos no Brasil, com alguns jornais importantes dedicando toda a capa ao fato, em uma atitude incomum para com países estrangeiros.

O principal jornal oficial de língua inglesa, o China Daily, publica uma foto-legenda que exibe em primeiro plano o tumulto entre a Polícia Militar e manifestantes contrários ao impeachment, concentrados em frente ao Senado.

Para o jornal, o afastamento temporário de Dilma do poder representa “o fim de 13 anos de um governo de esquerda no maior país da América Latina”.

Também a versão em chinês do Global Times, jornal do Partido Comunista Chinês, relata os acontecimentos com um longo artigo que preenche toda a primeira página e quase metade da última.

O jornal cita as palavras de Dilma Rousseff ao sair do Planalto, em que garante não ter cometido qualquer crime e compara a sua destituição a um golpe de Estado.

Brasil e China são ambos membros fundadores do grupo Brics, integrado também por Rússia, Índia e África do Sul, enquanto o Brasil é o nono maior acionista do Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas, a primeira instituição financeira internacional proposta pela China.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br