Feira de Santana: vereador Edvaldo Lima se mostra contrário à ideologia de gênero

Edvaldo Lima dos Santos: “Em nosso estado teve um homem de coragem que levantou a voz e não permitiu que este desrespeito acontecesse: de dizer que a criança nasceu sem sexo. O deputado Isidório não deixará acontecer. Tenho certeza de que não só o vereador Edvaldo Lima, mas também os demais terão o mesmo posicionamento. Precisamos que Estado, Município e União não se envolva na educação dos filhos, pois é a família que precisa educá-los”.

Edvaldo Lima dos Santos: “Em nosso estado teve um homem de coragem que levantou a voz e não permitiu que este desrespeito acontecesse: de dizer que a criança nasceu sem sexo. O deputado Isidório não deixará acontecer. Tenho certeza de que não só o vereador Edvaldo Lima, mas também os demais terão o mesmo posicionamento. Precisamos que Estado, Município e União não se envolva na educação dos filhos, pois é a família que precisa educá-los”.

Nesta quarta-feira (11/06/2016), durante discurso na tribuna da Câmara Municipal de Feira de Santana, o vereador Edvaldo Lima (PP) voltou a mostra-se contrário à ideologia de gênero, que, de acordo com o edil, está contida no Plano Municipal de Cultura, que será apreciado e votado na Casa da Cidadania.

“Trago nesta manhã um assunto que sempre é debatido aqui por este vereador. Está aqui em minhas mãos uma discussão que aconteceu na Assembleia Legislativa da Bahia, onde o projeto de lei tramitou naquela Casa, tendo como seu relator o deputado Bira Coroa”, disse o vereador, se referindo ao debate sobre gênero e sexualidade nas escolas.

O edil leu um documento tratando do assunto: “a Comissão Conjunta realizada nesta terça-feira na Assembleia Legislativa da Bahia para discutir o Plano Estadual de Educação foi marcada pela discussão acalorada entre os deputados e manifestações de estudantes e cristãos. De um lado um grupo de estudantes a favor do debate de gênero e sexualidade nas instituições, de outro um grupo que pede a exclusão desses termos no projeto. Assim ficou dividida, literalmente, a sala das comissões”.

Edvaldo informou que foram retiradas do texto original enviado pelo Governo à Assembleia, na parte que trata da educação fundamental, as palavras “gênero” e “diversidade sexual”, de acordo com uma emenda do deputado pastor Sargento Isidório.

O vereador chamou atenção que também tramitam na Casa da Cidadania projetos a respeito de sexualidade e gênero. “Quero chamar atenção de Vossas Excelências, sabem que tem um projeto de nº 163, que está tramitando nesta Casa, assim como o de nº 11/2016. Esses dois projetos tratam sobre ideologia de gênero, a sexualidade, onde muitos querem empurrar de goela abaixo para que nossas crianças tenham o ensino da sexualidade, ideologia de gênero implantada em nossas escolas”, disse.

Edvaldo elogiou a atitude do deputado Isidório por apresentar emenda pedindo a retirada dessas questões do Plano Estadual de Educação. “Em nosso estado teve um homem de coragem que levantou a voz e não permitiu que este desrespeito acontecesse: de dizer que a criança nasceu sem sexo. O deputado Isidório não deixará acontecer. Tenho certeza de que não só o vereador Edvaldo Lima, mas também os demais terão o mesmo posicionamento. Precisamos que Estado, Município e União não se envolva na educação dos filhos, pois é a família que precisa educá-los”, declarou.

Em aparte, o vereador Welligton Andrade (PSDB) participou do debate. “Entendo seu posicionamento, só desejo que o senhor retire o termo empurrar goela abaixo, pois no próprio Plano de Cultura, que veio para cá, mudamos alguns itens, sobretudo por ponderações de Vossa Excelência. Isso é uma prova de que ninguém quer empurrar goela abaixo”, pontuou.

Em resposta ao tucano, o pepista afirmou: “isso está vindo de cima, foi para o Congresso Nacional, mas os deputados não deixaram passar, o Ministério da Educação quer empurrar goela abaixo, depois foi jogado para as assembleias e, em seguida, para as câmaras municipais, como já foi aprovado em Alagoinhas, Jequié. Lá os vereadores tiveram que recuar quando as famílias foram para cima e tiveram que retirar. Já em Alagoinhas, a população não teve a mesma visão e continua valendo”, ressaltou.

O edil parabenizou os deputados que lutam contra a ideologia de gênero. “Parabenizo  pastor Isidório, o deputado federal  Magno Malta, Marco Feliciano, que é outro baluarte em defesa da família. Aqui nesta Casa quero deixar claro de que o vereador Edvaldo Lima tem essa posição, para defender e não levar a sexualidade para as escolas do município”, disse.

Centro de Referência da Mulher

Mudando o foco do discurso, Edvaldo Lima voltou a criticar o atendimento a travestis e transexuais no Centro de Referência da Mulher Maria Quitéria.

“Tive ontem fazendo uma visita ao Centro de Referencia da Mulher, onde parabenizo pelo trabalho bonito que está acontecendo neste centro, que recebe mulheres com traumas, doentes e que são bem cuidadas, mas uma coisa que me chamou a atenção é que travestis e transexuais querem ser atendidos por este centro. Quero pedir às Vossas Excelências que façam um coro que o local seja exclusivo para mulheres, imagine encontrar lá a figura de um homem?”, indagou.

O oposicionista pediu ao Governo do Município, através da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, que reveja a medida. “Parabenizo a equipe, mas repudio a atitude do secretário que quer encaminhar para aquela unidade pessoas que não são do sexo feminino”, concluiu.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br