Deputado Eduardo Salles lamenta suspensão de atividades da Mirabela Mineradora

Mirabela Mineradora encerra atividades em Itagibá.

Mirabela Mineradora encerra atividades em Itagibá.

A Mirabela Mineradora anunciou nesta terça-feira (10/05/2016), através de ofício, a suspensão de suas atividades de mineração de níquel sulfetado no município de Itagibá, no interior da Bahia. O deputado estadual Eduardo Salles, que participou de diversas reuniões na tentativa de evitar a suspensão e, em consequência, a demissão de mais de mil funcionários diretos e indiretos, lamentou o ocorrido. “Sei que eu e o governo estadual fizemos tudo o que estava ao nosso alcance. Ao mesmo tempo em que tenho a sensação de dever cumprido, me entristeço com a notícia e me solidarizo com as famílias dos ex-funcionários da empresa”, disse o parlamentar.

Retrospectiva

Desde o início do ano, quando a Mirabela anunciou a intenção de encerrar as atividades em Itagibá, Eduardo Salles tem participado de audiências para tentar reverter a situação e salvar os postos de trabalho que beneficiam toda a região, incluindo os municípios de Itagibá, Ipiaú e Ibirataia.

O deputado esteve em contato com o presidente da CODEBA (Companhia das Docas da Bahia), José Rebouças, mediando negociações de dívidas entre a empresa e o órgão, com o chefe da Casa Militar da Bahia, Coronel Gomes, para garantir a reintegração de posse de terras da mineradora que estavam ocupadas pelo MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), e com o presidente do Sindicato dos Funcionários da Mirabela, Gilmar Oliveira, ajudando nas negociações do acordo coletivo.

Salles também participou de audiências com o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Jorge Hereda, e sua equipe para garantir créditos tributários e se reuniu com o presidente da CBPM (Companhia Baiana de Pesquisa Mineral), Alexandre Brust, visando equalizar débitos.

o deputado ainda apoiou e participou de audiência pública realizada pela Comissão de Indústria e Comércio da Câmara Municipal de Ipiaú, presidida pela vereadora Margarete do Abrigo, que tratou da possibilidade de paralisação das atividades da Mirabela e contou com a participação de deputados federais e estaduais, dirigentes da Mirabela, prefeitos e vereadores de municípios da região e representantes de sindicatos e da sociedade civil.

“Infelizmente, o declínio do preço do níquel no mercado mundial tornou insustentável a continuidade das atividades da mineradora”, lamentou Eduardo Salles.

Mirabela

A Mirabela Mineração produz níquel, cujo mercado passa por uma crise mundial. O preço atual da libra é de US$ 3,90 e a empresa, após reduzir o custo de produção, gasta US$ 4,10 por libra. Quando a Mirabela se instalou na Bahia, a libra de níquel custava US$8,76. A constante redução do preço do minério tornou inviável a produção da empresa.

Possibilidade de reativação da mineradora

Apesar da suspensão das atividades de mineração de níquel sulfetado, a Mirabela anunciou que continuará o desenvolvimento do Projeto Níquel Laterítico, objetivando a venda de minério bruto para uma empresa colombiana.

O níquel laterítico tem competitividade no mercado e, com isso, a empresa poderia recontratar cerca de 300 funcionários diretos para trabalhar na mina. Nesse caso, a indústria de mineração não necessitaria funcionar.

Caso o projeto se concretize, o volume de minério que passará pelo Porto de Ilhéus para exportação aumentará em quase 10 vezes. “Isso vai ajudar a gerar emprego tanto para quem trabalha no porto quanto para caminhoneiros”, diz o deputado.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br