Vereador Edvaldo Lima volta a criticar tarifa do transporte coletivo de Feira de Santana e critica atuação do Ministério Público

Vereador Edvaldo Lima dos Santos: "O Ministério Público não deu importância, ficou em cima do muro, mas o Governo, preocupado com a reação do povo, reuniu o Conselho Municipal de Trânsito e prorrogou a cobrança".

Vereador Edvaldo Lima dos Santos: “O Ministério Público não deu importância, ficou em cima do muro, mas o Governo, preocupado com a reação do povo, reuniu o Conselho Municipal de Trânsito e prorrogou a cobrança”.

Durante pronunciamento na tribuna da Câmara Municipal de Feira de Santana, nesta segunda-feira (18/04/2016), o vereador Edvaldo Lima (PP) voltou a fazer críticas ao Governo do Município no que tange a tarifa cobrada  no transporte coletivo urbano.

“O vereador Edvaldo Lima questionou no Ministério Público sobre as duas passagens R$ 3,10 e R$ 3,30 e questionou várias vezes se poderiam ocorrer duas tarifas. O Ministério Público não deu importância, ficou em cima do muro, mas o Governo, preocupado com a reação do povo, reuniu o Conselho Municipal de Trânsito e prorrogou a cobrança, empurrando-a para daqui a três meses; depois serão mais três meses e vai ficar empurrando com a barriga até depois da eleição e, só depois do dia 2 de outubro, vai aumentar e passar a cobrar R$ 3,30”, afirmou.

Edvaldo Lima lembrou que o vereador David Neto (DEM) enviou um requerimento ao Governo do Município questionando a respeito do guincho utilizado pela Superintendência Municipal de Trânsito (SMT), “mas até hoje o líder do Governo, vereador José Carneiro (PSDB), não trouxe informações”, disse o oposicionista, indagando: “isso é um Governo sério? Um Governo que se esconde, que não é transparente, se esconde entre quatro paredes, para que a população não tome conhecimento”.

Em seguida, Edvaldo referindo-se aos agentes de endemias presentes nas galerias, questionou o projeto de lei, de autoria Poder Executivo, que atende apenas a categoria dos agentes comunitários de saúde, uma vez que, segundo ele, deveria contemplar também os agentes de endemias.

 “Os agentes de endemias estão aqui, já vai caminhar para dois anos lutando. Gostaria de uma explicação: por que atender só um segmento, se praticamente não há diferença entre as funções? Fiquei estarrecido quando o líder do Governo falou para vocês que se quiserem o piso salarial terão que ir para Brasília, porque o Município não tem condições de resolver”, lamentou.

O oposicionista avalia que a liderança do Governo na Câmara não tem sido boa. Edvaldo sugeriu a José Carneiro que renunciasse do cargo. “Se fosse Vossa Excelência, eu pediria a renuncia deste cargo, porque está lhe acabando. O senhor vai perder muito voto sendo defensor deste Governo”, aconselhou.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br