“Um verdadeiro circo dos horrores e as justificativas pareciam o show da xuxa”, avalia vereador Beldes Ramos sobre o processo de impeachment

Beldes Ramos: “Ali também se formou um palco de dissimulação, de ódio e hipocrisia".

Beldes Ramos: “Ali também se formou um palco de dissimulação, de ódio e hipocrisia”.

Na manhã desta segunda-feira (18/04/2016), o vereador Beldes Ramos (PT) fez uso da tribuna livre da Câmara Municipal para se pronunciar acerca do processo de impeachment realizado ontem.  Para ele foi lamentável não somente o resultado, mas também o processo de votação, que segundo o parlamentar parecia “o circo dos horrores, e as justificativas pareciam o show da Xuxa”.

Discurso do vereador

“Ali também se formou um palco de dissimulação, de ódio e hipocrisia. Quantas vezes o nome de Deus foi levantado em vão e isso envergonha também os evangélicos e cristãos. Não cabia naquele momento, que sabíamos que ninguém estava pensando em Deus, em filho, em cristão e nem na família evangélica, estavam pensando em si. Muitos daqueles que estavam votando ali até poucos dias atrás era da base aliada do governo e de repente um ódio injustificável contra o governo. Que votassem não, mas que tivessem coerência e que fossem justos em suas palavras. Quando eu penso que partidos que mamaram e agora a viúva e agora não prestam para governar o país, agora Dilma não presta para governar o país. Meu povo alguma coisa está errada e eu fico pensando que acordos foram feitos para se chegar aonde chegou. Quem está por trás disso para se chegar aonde chegou. Os direitos trabalhistas estão por um fio, os projetos engavetados desde o governo FHC agora podem voltar à tona, porque esse é um acordo, terceirizações do serviço público e das atividades afins como professores e médicos poderão ser terceirizados. Quando eu penso que a operação Lava Jato pode parar, porque só a presidenta Dilma que não aceitou conchaves e nem proteger ninguém quem quer que seja é que segurou. Outros presidentes eu não sei o que pode fazer para barrar o Lava Jato. Eu quero dizer que lá a maioria daqueles deputados, e não somente da oposição que estão fazendo o seu papel, muitos que eram aliados há apenas uma semana atrás voltaram atrás.

O Brasil pode passar por um processo de retrocesso histórico que jamais foi visto e os pobres que sempre sofreram, poderão sofrer muito mais. Porque tenham a certeza que a bandeira que está sendo levantada lá, não é a bandeira da dona de casa e do trabalhador, como muitos quis dizer ali e sim a bandeira das multinacionais que investiram pesado nesses deputados para votar contra Dilma. A bandeira de empresários que não suportam o crescimento do pobre e não suportam ter que garantir o direito do trabalhador. Independente do resultado, o que eu vi ontem foi lamentável quando alguém dizia que votava a favor do impeachment com a justificativa de que o pai sofreu muito quando perdeu. Política não se trata de revanchismo, de ressentimento, de quem não suporta a derrota. Se tivessem a convicção de que iam vencer, porque não deixou ir até 2018 e o povo dava a resposta ao PT, a Dilma, a Lula ou a quem quisesse nas urnas e não nesse golpe. Isso foi um golpe e isso ficou configurado. O que nós poderemos está assistindo e mais tarde quem vai contar essa história são os nossos filhos, é um retrocesso terrível para o país. Quem assume o governo hoje é Michel Temer, Eduardo Cunha e sua corja. Eduardo Cunha não tem moral para esta presidindo o processo de impeachment contra uma presidente que não matou, não roubou e não tem nada de crime nas costas dessa mulher e está sendo penalizada por conta dessa conjuntura política”, finalizou o petista.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br