Presidente Dilma Rousseff reúne contrários ao impeachment e faz “corpo a corpo” na reta final

Presidente Dilma Rousseff reúne contrários ao impeachment.

Presidente Dilma Rousseff reúne contrários ao impeachment.

Na reta final da batalha na Câmara contra o impeachment, a presidenta Dilma Rousseff vai dedicar os próximos dias a receber apoio e fazer “corpo a corpo” com os parlamentares para convencê-los a manter seu mandato e propor uma “nova coalizão”.

Nesta sexta-feira (15/04/2016), ela recebe o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, Luis Almagro, que nos últimos dias tem se posicionado contra o impeachment e dito que não há fundamento para tal. No Twitter, Almagro disse que virá ao Brasil para “reiterar apoio à institucionalidade e respeito à Constituição”.

Na manhã de sábado, Dilma participa de ato promovido pela Frente Brasil Popular contra o processo que tramita na Câmara. O evento, denominado Ato com Movimentos Sociais pela Democracia, vai reunir entidades que estão em Brasília, como a Central Única dos Trabalhadores, Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra, União Nacional dos Estudantes e Central dos Trabalhadores Brasileiros. O encontro será uma forma de agradecer a presença de militantes de outras partes do Brasil e animá-los para os “três dias de batalha” que se seguirão, nas palavras de um dos organizadores do evento.

Segundo os movimentos, milhares de pessoas já estão acampadas próximo à região central da capital federal, assim como os integrantes de movimentos pró-impeachment, em outra localidade da cidade. A partir desta sexta (14), as manifestações de um e de outro lado vão se intensificar, o que vai inviabilizar desde cedo o trânsito de toda a Esplanada dos Ministérios.

Um encontro da presidenta com governadores da base aliada que são contra o impeachment também pode ocorrer nos próximos dias.

Funcionários do governo estão convocados para trabalhar durante todo o fim de semana no monitoramento das discussões e da votação no plenário. No domingo, Dilma permanecerá no Palácio da Alvorada, residência oficial, acompanhando a votação. Integrantes da articulação política, porém, devem permanecer no Planalto em contato com as lideranças do governo do Congresso.

Nesta quarta-feira (13), o ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, disse que a presidenta tem procurado os deputados para apresentar argumentos quanto ao processo. A promessa de Dilma é iniciar, na semana que vem, caso derrube o impeachment, um “grande pacto” com “diálogo nacional” com todos os seguimentos da sociedade.

Interlocutores do Palácio do Planalto informam que os recentes anúncios de que partidos como PP e PSD votarão pelo impeachment apenas “queimaram a gordura” de votos que o governo possuía, e que portanto ainda há mais de 172 votos para barrar o impeachment. Ao dizer que o apoio atual é de “quase 172”, o líder do PT na Câmara, Afonso Florence verbalizou outra estratégia que tem sido ouvida dos governistas: a de que os oposicionistas não têm 342 votos.

Em discurso hoje (14) no plenário da Câmara, a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) utilizou o mesmo tom. “Não há dois terços neste plenário para aprovar o impeachment. Não adianta gritar, levantar papel”, afirmou, criticando ainda o papel favorável ao impeachment que, segundo ela, tem sido desempenhado pela “grande mídia”.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br