Mais tempo na escola aumenta perspectivas para um futuro melhor

Centro Juvenis de Ciência e Cultura (CJCC), no Colégio Central.

Centro Juvenis de Ciência e Cultura (CJCC), no Colégio Central.

Quanto mais tempo os jovens dedicam à aquisição do conhecimento, maiores as perspectivas e probabilidades de um futuro melhor. Na Bahia, o Projeto de Educação Integral (ProEI) é uma das estratégias da Secretaria de Educação do Estado para que os estudantes tenham melhor aproveitamento dos anos que frequentam a escola. Por meio do programa Educar para Transformar, atualmente o Governo atende, com escola em tempo integral, 19.676 estudantes dos níveis fundamental e médio, na capital e no interior. Somando-se à Educação Profissional, este número sobe para 26 mil alunos, que passam maior tempo nas escolas, onde encontram uma formação humana integral.

Outra estratégia do Governo do Estado são os Centros Juvenis de Ciência e Cultura (CJCC), como o implantado há três anos no Colégio Estadual (Central), no bairro de Nazaré, em Salvador. Nos centros, os jovens podem, em primeiro lugar, descobrir novas habilidades e também construir um caminho alternativo ao currículo tradicional, possibilitando o desenvolvimento acadêmico e profissional, sem que precisem abrir mão dos sonhos e das características próprias de suas personalidades.

Geovani Nogueira, 15 anos, cursa o 1º ano do ensino médio no Colégio Estadual Teixeira de Freitas, localizado no mesmo bairro, no turno vespertino e, pela manhã, frequenta o Espaço Maker do CJCC e também as aulas de robótica. “Aqui, eu trabalho com coisas que quero trabalhar no futuro, como robótica, computação e eletrônica. A partir daqui eu vou entrar em uma faculdade. Então, esses conhecimentos que estou adquirindo vão ajudar na minha carreira no futuro”.

Jéferson Silva, 15, assistiu, nesta segunda-feira (11/04/2016), a primeira aula de voo simulado em uma sala de aula equipada com a cabine de um avião de verdade, conectada a um computador que simula um voo. “A gente veio hoje para conhecer como é essa profissão. Isso aqui pode no futuro se transformar em uma carreira para mim. Eu já tinha vontade de seguir o Serviço Militar e, agora, eu posso pensar em ser piloto da Aeronáutica”.

Ciência, cultura e tecnologia

A diretora do CJCC, Carla Almeida, informa que a unidade oferece 26 cursos nas áreas de ciência, cultura e tecnologia. “São cursos de game designer, contadores de histórias, uma série de ofertas bem acessível, lidando com vários elementos. As inscrições são contínuas. Formando uma turma, nós começamos imediatamente as aulas. Basta ser aluno do 9º ano [ensino fundamental] ao 3º ano do nível médio da rede pública, estar devidamente matriculado, trazer duas fotos, cópia dos comprovantes de matrícula no colégio e de endereço e fazer a matrícula para o turno oposto das aulas”.

Em 2015, o espaço se destacou nacionalmente, por duas vezes, como uma das 178 instituições educacionais brasileiras reconhecidas pelo Ministério da Educação (MEC) como exemplos de inovação e criatividade na Educação Básica. A unidade do Centro Juvenil em Salvador recebeu certificado do selo Unicef da 11ª Edição do Prêmio Itaú-Unicef, de escolas que se destacam em Educação Integral.

Escola em tempo integral

O Colégio Estadual Luiz Fernando Macedo Costa, no bairro de Cajazeiras, implantou o sistema de tempo integral no ano passado. Iasmin Santos vai fazer 13 anos e conta qual é a sua rotina. “Eu acordo, tomo banho, café, me arrumo e venho para o colégio. Assisto às aulas, almoço, descanso, participo dos jogos, volto para as aulas e depois para casa. Com essa modificação que o Governo fez, passamos a ter várias atividades extras, para nos divertirmos, para aprendermos mais. Temos letramento em Português e Matemática e também mais professores para podermos tirar as dúvidas e dificuldades”.

O diretor Ivandro Gomes diz que o colégio possui ao todo oito turmas de educação fundamental 2, do 6º ao 9º ano, cada turma com uma média de 35 alunos. As aulas começam às 7h30 e terminam às 16h. São oito aulas por dia, cinco pela manhã e três à tarde. Os estudantes recebem alimentação às 10h, depois almoçam e fazem outro lanche antes de irem embora para casa. “Ano passado, percebemos uma melhoria nas notas e agora estamos aguardando o resultado da avaliação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Acredito que haja uma procura maior da comunidade, principalmente porque é uma tranqüilidade para os pais e familiares saberem que enquanto estão trabalhando, as crianças estão na escola”.

O diretor não se enganou. As famílias realmente aprovam e procuram cada vez mais as escolas em tempo integral para suas crianças e adolescentes. Um exemplo é Patrícia Silva, 24, que foi fazer a matrícula de sua irmã, que morava no interior da Bahia, no Colégio Estadual Luiz Fernando Macedo. “Eu escolhi essa escola porque tive boas referências. Minha irmã vai vir pela manhã, passar o dia, ter alimentação adequada. O melhor é estar na escola, porque hoje em dia a rua não é boa para criança nenhuma. A escola em tempo integral é melhor para toda a família”.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br