Ibametro retira do mercado cavalinho chinês que quase levou a morte bebê paulista

Diretor-geral do Ibametro, Randerson Leal, exibe bateria tipo botão.

Diretor-geral do Ibametro, Randerson Leal, exibe bateria tipo botão.

Operação especial do Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade (Ibametro), realizada em todo o estado, está à caça de um brinquedo pirata chamado cavalinho chinês, que quase levou à morte um bebê de 11 meses, em São Paulo, após este ingerir 3 baterias tipo botão presentes no produto. Com o episódio, o Inmetro deflagrou fiscalização intensa, em todo o país, por meio de seus órgãos delegados, como é o caso do Ibametro para o estado da Bahia. Nesta semana, o Instituto divulga balanço do material coletado no mercado desde fevereiro quando iniciou a operação. No total foram retirados do mercado, 106 cavalinhos, sendo que a maior parte (66) estava sendo vendida em Feira de Santana.

Na batida realizada em Feira, os produtos foram encontrados em lojas localizadas próximas ao grande comércio popular Feiraguai. Também foram coletados os cavalinhos chinês nas cidades de Entre Rios (30) e em Nazaré das Farinhas (10). “Todas essas empresas foram notificadas. E toda a cadeia será penalizada incluindo fabricante, comerciante e importador. Continuamos com operação intensa por toda a Bahia para retirar demais brinquedos do mercado”, destacou o diretor-geral do Ibametro, o advogado Randerson Leal. A multa a cada um dos infratores pode chegar a R$ 1,5 milhão, após julgamento do processo administrativo pelo órgão. O Ibametro está fiscalizando em todo o território baiano por meio de suas oito agências regionais, sediadas nos principais municípios do estado. O Ibametro é também uma autarquia da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado da Bahia (SDE).

Perigo de morte – Há duas formas de uma criança ser levada à morte ingerindo a bateria tipo botão, explica Leal. “Uma delas é morrer engasgada e a outra é ter seu organismo contaminado pelos metais pesados presentes na composição desse tipo de bateria. Esses componentes químicos podem vazar no organismo da criança desencadeando uma reação química letal. A criança paulista teve a sorte de a mãe ter percebido a ingestão das baterias, conseguindo extrair duas delas ainda na boca do bebê e a terceira foi expelida nas fezes.

Selo do Inmetro

Vale salientar que todo brinquedo comercializado no Brasil deve ter o Selo do Inmetro, um atestado de que o produto passou por uma série de testes relacionados a saúde e a segurança, sendo apropriado ao consumo humano. E todo estabelecimento formal deve ter a nota fiscal dos produtos que comercializa, que deve ser apresentada sempre que houver fiscalização do setor público. Assim, os consumidores que já compraram o produto pirata devem inutilizá-lo e denunciar ao Ibametro, por meio da Ouvidoria, no  telefone 0800-0711888, o estabelecimento onde foi adquirido para a apreensão imediata dos produtos irregulares do mercado.

Mais detalhes sobre o cavalinho chinês – As baterias usadas no brinquedo que provocou o acidente ficam inseridas numa peça que atrai a atenção das crianças porque emite luz e o som. O perigo está no fato de que tanto esta peça quanto as baterias são fáceis de remover até mesmo por crianças muito pequenas. O cavalinho é todo de borracha. Há também brinquedos similares em outros formatos, como motocicletas por exemplo.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br