Hong Kong é rota para contornar restrições no continente chinês

Hong Kong é rota para contornar restrições no continente chinês.

Hong Kong é rota para contornar restrições no continente chinês.

A operação Panamá Papers, que revelou um esquema gigantesco de evasão fiscal, evidenciou Hong Kong como um centro de criação de empresas offshore, utilizadas por chineses para transferir capital para o exterior.

Segundo novos dados revelados hoje (07/04/2016) pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ, sigla em inglês), os escritórios na China da Mossack Fonseca, uma firma panamenha de advogados, criaram 16.300 empresas de fachada. O caso reacendeu o debate sobre os meios utilizados pelas classes abastadas da China para salvaguardar as suas fortunas e fugir das restrições cambiais impostas por Pequim.

Pela proximidade com o continente chinês e pela liberdade que caracteriza o seu sistema financeiro, Hong Kong funciona como uma plataforma. “Os chineses estão transferindo o seu dinheiro para fora devido ao abrandamento da economia”, disse à agência France Presse Andrew Collier, diretor do centro de investigação Orient Capital Research, com sede em Hong Kong.

“O mercado imobiliário está em declínio em muitas zonas do país e existe apreensão com a campanha anticorrupção e o impacto na segurança do capital na China”, explicou.

Dinheiro extraAtravés da subfaturação de bens exportados a partir de Hong Kong ou da subvalorização das importações para a cidade, é possível gerar dinheiro extra, que é depois colocado em contas offshore, explica Collier.

“Muita gente afirma que existem imensas faturas falsas de produtos comercializados entre a China e Hong Kong, e que Hong Kong está sendo utilizada como uma via para retirar capital do país”, descreve.

As empresas chinesas podem obter dinheiro em moedas estrangeiras junto a bancos chineses, destinado a pagar produtos importados, mas superestimando o montante necessário, que é depois movimentado para contas na cidade. “É muito difícil para um banco distinguir quais faturas são verdadeiras ou falsas”, disse Collier.

Pequim limita o montante de capital que pode ser transferido por pessoa para fora do país a 50 mil dólares por ano, mas através de contas secretas em Hong Kong é possível superar esses valores, explica o investidor David Webb.

Webb argumenta que a cidade carece de transparência no mercado de capitais e nas empresas que se registram lá, em parte porque não quer afastar o negócio alimentado pela China.

“Adotaram a política do ‘não pergunte, nem diga nada’, sabendo que a epidérmica corrupção no continente é a origem de muitos dos negócios”, disse. “Estão preocupados que [mais regulação] reduza a quantidade de negócios e a atratividade de empresas em Hong Kong”.

A China limita a quantidade de dinheiro que cada turista pode levar para fora do país a um máximo de 20 mil yuans (2.712 euros) e o equivalente a 5 mil dólares em moedas estrangeiras. As restrições geram o fenômeno chamado de “mulas do dinheiro”: contrabandistas que carregam cintos de notas coladas ao corpo ou em malas através das alfândegas.

Outro esquema envolve a emissão de cheques em moeda estrangeira por bancos ilegais na China em troca de yuan, a moeda chinesa. Lojas de câmbio em Hong Kong servem também de facilitadoras para transferir dinheiro para fora. “Quanto maiores são as restrições impostas pelo Estado, em qualquer país, à movimentação de capital, maiores são os fluxos financeiros ilegais”, conclui Webb.

*Com informação da Agência Brasil.

Outras publicações

Ministro da Indústria da Espanha pede demissão José Manuel Soria pede demissão. O ministro da Indústria da Espanha, José Manuel Soria, pediu demissão hoje (15/04/2016). Ao mesmo tempo, renunciou ...
Premiê da Islândia renuncia após divulgação dos “Panama Papers” O Primeiro Ministro da Islândia, Sigmundur David Gunnlaugsson, renúnciou após vazamentos do “Panama Papers”, a série de documentos analisados por uma...
Panama Papers: Quem é a Mossack Fonseca Jurgen Mossack e Ramón Fonseca criaram a empresa Mossack Fonseca na cidade do Panamá em 1977. A Empresa, com sede no Panamá, opera em o Malta, Holand...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br