Feira de Santana: vereadores debatem processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff

Beldes Luis Pereira Ramos.

Beldes Luis Pereira Ramos.

Utilizando a tribuna da Casa da Cidadania, nesta quarta-feira (13/04/2016), o vereador Beldes Ramos (PT) parabenizou os vereadores Carlito do Peixe (DEM) e Eremita Mora (PSDB) por publicamente terem se colocados contrários ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT).

“Fico muito feliz quando vejo nesta tribuna dois vereadores que fazem parte da base do Governo, que muitos se colocam favoráveis ao impeachment, ponderando que hoje o impeachment não é bom para o Brasil. Depois da gravação do vice Michel Temer, que faz um discurso de posse, demonstra muito bem o que acontece lá dentro, desde quando perderam a eleição vieram costurando para forçar um terceiro turno”, disse o petista.

O edil comentou ainda uma carta do ator Wagner Moura, que foi lida pela vereadora Eremita Mota, durante seu discurso. “Parabenizar pela carta que traz de Wagner Moura, muito sólida, sem partidarismo. Se nossos representantes no Congresso estivessem preocupados com a crise no país, em resolver a crise, a situação de corrupção, nosso país não estaria parando, mas a energia que está se gastando é para o golpe, para tirar do poder a presidente eleita por 54 milhões de brasileiros”, criticou.

Beldes deixou claro que não é contra a investigação e punição de envolvidos em casos de corrupção, como o da Petrobras. “Não fecho os olhos para o que vem acontecendo na Petrobras, e acho que quem for pego como corrupto deve ser punido, mas a presidente não foi citada, e não pode ser colocada dessa forma”, pontuou.

Em aparte, o vereador José Carneiro (PSDB) fez um questionamento: “quem do PT condenado e preso foi expulso pelo PT ou punido pelo PT?”, indagou.  Respondendo ao líder do Governo, Beldes foi enfático: “isso é uma questão do PT, vá cuidar do seu partido, dos corruptos cuida a Justiça”, afirmou.

O petista acredita que a oposição não consegue aceitar a vitória do PT e, por conta disso, planeja o golpe. “Não engoliram até hoje a vitória do PT, e os discursos que se fazem partidariamente não contribuem em nada para o país. Os deputados deveriam estar aprovando leis, para que a economia do país mudasse. Até os projetos que encaminham para o Congresso são travados. Existe uma irresponsabilidade tremenda, porque quem está cooptando os votos é PMDB, Michel Temer, Eduardo Cunha, citados na Lava Jato, e o país ficará nas mãos deles”, criticou.

Beldes concluiu o pronunciamento afirmando que o impeachment não seria um golpe contra a presidente Dilma ou contra o PT, mas um golpe contra a população pobre, uma vez que este Governo deu oportunidades aos menos favorecidos, permitindo, por exemplo, que o filho de um pobre sente na mesma sala ao lado de um rico para cursar Medicina.

Roque se mostra favorável ao impeachment da presidente Dilma

Durante o uso da tribuna na sessão ordinária desta quarta-feira (13/04/2016), na Casa da Cidadania, o vereador Roque Pereira (DEM) voltou a repercutir a possibilidade de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). O edil se mostrou favorável ao impedimento.

“Algumas pessoas têm memória curta. Em 1992, o PT e o PMDB pediram o impeachment de Collor por causa de um veículo Elba. O que é uma Elba diante do que está acontecendo no Brasil hoje. Quem está pagando o pessoal da CUT, MST, onde pegaram uma pessoa com R$ 16 mil dentro de uma mochila? Ele disse ser um dinheiro de um fundo de garantia que não soube dizer nem de quem era. As pessoas são usadas como massa de manobra nesses movimentos, inclusive estão se organizando para fechar as rodovias no próximo domingo, se for decretado o impeachment da presidente. Volto a repetir: tem que acabar com o amadorismo do movimento ‘Vem Pra Rua’, não vejo a classe política se mobilizando para que as pessoas não tenham medo. Estou vendo muitos se vendendo”, avaliou Roque.

Ainda segundo o edil, há boatos de que alguns parlamentares estão sendo comprados por R$ 1 milhão. “Se o Brasil já está no buraco, imagine depois que fizer estes pagamentos. A quebradeira já começou deste a Copa. O país está se afogando e será obrigado a fazer as Olimpíadas e ainda tem os fundos de pensão, de onde as fortunas estão sendo tiradas. Um exemplo da quebradeira em Feira de Santana são as obras da Lagoa do Subaé, onde o Governo do Estado ainda não conseguiu concluí-las. Outro exemplo foram as vias marginais, que receberam verbas de Colbert e Fernando Torres, mas não foram concluídas. Tudo isso por causa da quebradeira”, pontuou.

Em aparte, o petista Beldes Ramos afirmou que Feira de Santana tem muito a agradecer ao Governo Federal, pois cresceu consideravelmente com sua ajuda. “Isso é incontestável. Golpe está fazendo o outro lado, que não sabem o quanto estão prejudicando o país. Os partidos estão se aliando à base por uma questão de consciência”, defendeu.

De volta com a palavra, Roque disse que Feira não está pedindo favores ao Governo Federal, que recebe grande “fatia do bolo” em relação aos recursos que saem da cidade. “O Governo Federal está devolvendo o mínimo que foi entregue a ele e muito pouco para o montante que foi mandato para os cofres públicos”, finalizou.

Pablo Roberto é contra

Com relação ao processo de impeachment da presidente da República, que também foi tema de discurso de alguns edis nesta quarta-feira, Pablo disse que é contra o cassação de Dilma Rousseff (PT), porque ela foi eleita legalmente e  tem todo o direito de continuar seu mandato. “Se querem ter a gestão, que vençam eleição e assumam”, opinou.

Nery critica pedido de impeachment da presidente Dilma

Após o pronunciamento do vereador Roque Pereira (DEM), que defendeu o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), o líder da bancada de oposição, vereador Alberto Nery (PT), fez a defesa do Governo Federal, durante seu discurso na sessão legislativa desta quarta-feira (13/04/2016).

Porém, antes de começar o pronunciamento, Nery foi aparteado pelo colega de partido, Beldes Ramos. “É preciso explicar que o aterro teve licença ambiental suspensa por causa de irregularidades do Município. Assim, esta Casa deve tratar com seriedade o assunto, pois o aterro pode trazer sérias consequências à saúde da população”, disse. Enriquecendo o debate, Nery afirmou que a empresa Sustentare, que era responsável pela coleta de lixo da cidade foi impedida de realizar o serviço e, agora, a empresa Ambiental. “O MP precisa adotar medidas para resolver este imbróglio, precisamos dar destino aos dejetos”, pontuou.

Em aparte, o edil Edvaldo Lima (PP) informou que a coleta do lixo em Feira de Santana está suspensa. “O MP suspendeu e deu ordens para não utilizar o aterro sanitário, mas o Município está desrespeitando e depositando lá o lixo”, disse. Completando o debate, Nery ressaltou que há um ano o lixo de Feira foi levado para São Sebastião do Passé, cidade bem menor que Feira. “E, hoje, estamos passando pelo mesmo problema”, lamentou.

Impeachment

Ainda no uso da tribuna, Nery tratou sobre a possibilidade do impeachment da presidente Dilma Rousseff. “Hoje devemos estar voltados para o desdobramento do pedido de impeachment de Dilma. Roque teve a infelicidade de usar esta tribuna para defender o impedimento. Qual crime ela cometeu para ser julgada e cassada? Isso é uma afronta ao processo democrático brasileiro. Lutamos tanto pela democracia e, agora, vivenciamos uma situação caótica no país. É vergonhoso ver pessoas envolvidas na corrupção fazendo coro para a saída da presidente”, argumentou.

Em aparte, o edil Roque Pereira (DEM) questionou se o valor de R$ 150 bilhões em pedaladas fiscais não representa nada. Em resposta, Nery afirmou que se for fazer uma avaliação digna, o Governo Municipal realiza esta prática com frequência. “Então, temos que rasgar a Constituição Brasileira, porque ela não está sendo respeitada”, avaliou.

Também em aparte, Beldes Ramos parabenizou o colega pelo discurso. “É preciso mesmo rasgar a Constituição, pois FHC, Collor e Lula também fizeram pedaladas fiscais, então todos eles deveriam ter saído do governo. Em nenhum momento Dilma teve seu nome citado na Operação Lava Jato. Isso que querem fazer é um golpe mesmo, o outro lado está sendo irresponsável em não saber como está prejudicando nosso país agindo assim”, disse.

Participando do debate, o líder do Governo na Casa, vereador José Carneiro Rocha (PSDB), perguntou a Nery se ele tinha conhecimento de quantas vezes o PT fez pedidos de impeachment quando era oposição. “Mas, hoje o impeachment é tratado como golpe. Golpe é colocar as mãos nos cofres públicos e acabar com as estatais como fez com a Petrobrás”, pontuou.

De volta com a palavra, Nery defendeu que todos os políticos envolvidos em corrupção deveriam ser penalizados. “O prefeito de Salvador também recebeu recursos da Odebrecht, então deveria ser cassado. O presidente do Congresso tinha mais de R$ 40 milhões fora do país. Façam-me uma garapa. O prefeito José Ronaldo deveria ser preso por ter contratado um servidor encostado na previdência? Tenho certeza de que se ele soubesse disso não teria contratado. Neste caso, eu poderia estar torcendo para ele ser punido, mas tenho responsabilidade com minha cidade”, disse.

Já o vereador Justiniano França (DEM) se mostrou contra o pedido de impeachment da presidente Dilma. “O Brasil tem agora uma grande oportunidade de reformar a Constituição Federal, com uma nova assembleia. Eu sou contra o impeachment e acredito que o Superior Tribunal Eleitoral deveria afastar todos aqueles que receberam propina”, sugeriu.

Para finalizar, Nery disse estar confiante que o pedido de impeachment não sairá. “Depois disso a presidente ficará livre para governar nosso país”, anseia.

Roque avalia discursos de Eremita e Beldes sobre pedido de impeachment

Na manhã desta quarta-feira (13/04/2016), o edil Roque Pereira (DEM) fez uma avaliação dos discursos dos vereadores Eremita Mota (PSDB) e Beldes Ramos (PT) sobre o pedido de impeachment da presidência da República, Dilma Rousseff (PT), em tramitação no Congresso Nacional.

O democrata disse que ficou perplexo com a defesa da vereadora Eremita Mota ao governo Dilma, uma vez que ela é filiada ao PSDB, que é um dos partidos que mais apoiam o afastamento da presidente. “Eu procuro tentar entender que tipo de política nós temos hoje em nosso país e em nossa Câmara de Vereadores. Eu acho que a gente tem que ter posição, principalmente quando a gente tem uma linha de partido; às vezes, a gente tem que cortar na própria carne em nome do partido”.

Já com relação ao petista, Roque Pereira ressaltou que Beldes é membro do Partido dos Trabalhadores e seria estranho, caso ele não defendesse a sigla, “mesmo sabendo que o PT está enfiado em um mar de lama, sabendo que o PT quebrou a Petrobras, assim como os fundos de pensão do Banco do Brasil, do BNDES e de tantos outros fundos de pensão deste país, que é comandado pelo PT”, disse.

Em aparte, Eremita fez questão de salientar que não é uma vereadora alienada e que  é a favor da democracia. “Fui para o PSDB a convite do deputado João Gualberto em consonância com o prefeito José Ronaldo sim. E li a carta do ator Wagner Moura porque concordo quando ele diz que é necessário punir os corruptos, tanto do lado governista quanto da oposição, porque têm corruptos em todos os lados, se botar chocalho ninguém dorme”, disse a edil, afirmando que é coerente, representa o povo “sofrido” de Feira de Santana e que partido nenhum determina o conteúdo de seus pronunciamentos na Câmara.

Novamente com o uso da palavra, o vereador Roque Pereira disse que no Brasil muitas pessoas são corrompidas e citou um caso de um militante do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) que foi preso pela Polícia Militar, no distrito federal, na noite da segunda-feira (11), com R$ 55 mil em notas numa mochila.

“Um cidadão comum, um cidadão humilde estaria com R$ 55 mil dentro de uma mochila no Movimento dos Sem Terra? Ele não sabe a origem do dinheiro, dizendo ele que recebeu uma herança. De quem? Quem está patrocinando? As pessoas que estão indo para essas manifestações recebem em média R$ 130,00 para permanecerem ali, eles estão sendo pagos. Infelizmente, em nosso país muitos são massa de manobra, em virtude da dificuldade financeira, da falta de conhecimento ou até mesmo porque gostam de se envolver em corrupção”, declarou.

Roque Pereira disse que defende a prisão para corruptos, independentemente de siglas partidárias. Ele  afirmou ainda que as mesmas pessoas que dizem que o impeachment hoje é golpe, no passado defenderam veementemente o afastamento do ex-presidente Fernando Collor. “É dois pesos e duas medidas?”, indagou.

O edil  finalizou o discurso ressaltando que é a favor do impeachment da presidente Dilma,  porque tem lado e defende uma bandeira partidária.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br