Feira de Santana: vereador alerta para riscos de acidentes em ‘perseguição aos ligeirinhos’

Isaías dos Santos (Isaías de Diogo): “Estava na minha casa, no Feira X, na rua F, e próximo tem um quebra-mola. Ouvi os tombos, era um carro passando em alta velocidade, carro do ligeirinho correndo da fiscalização.".

Isaías dos Santos (Isaías de Diogo): “Estava na minha casa, no Feira X, na rua F, e próximo tem um quebra-mola. Ouvi os tombos, era um carro passando em alta velocidade, carro do ligeirinho correndo da fiscalização.”.

Nesta quarta-feira (30/03/20146), durante discurso na tribuna da Casa da Cidadania, o vereador Isaías de Diogo (PSC) chamou atenção para os riscos de acidentes quando há “perseguição” por parte da Secretaria Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) aos veículos que atuam como transporte clandestino, os chamados “ligeirinhos”.

“Estava na minha casa, no Feira X, na rua F, e próximo tem um quebra-mola. Ouvi os tombos, era um carro passando em alta velocidade, carro do ligeirinho correndo da fiscalização. Em seguida, passaram três carros do Município perseguindo o ligeirinho. Liguei para a Secretaria para alertar que isso não pode acontecer. Já discutimos sobre isso nesta Casa, o que faltou para ter um acidente?”, criticou.

Isaías sugeriu que as apreensões dos veículos ocorram nos pontos de atuação dos “ligeirinhos”. “A Secretaria de Trânsito, que faz fiscalização, que pegue os carros parados ou arranje outra maneira para perseguir o pessoal, não fazendo dessa forma que vocês estão fazendo”, disse.

Em aparte, o vereador David Neto (DEM) comentou o assunto. “Parabenizar pela sua preocupação, mas vou falar uma coisa: o que depende aqui é de nós mesmos. A lei que está sendo cumprida foi feita nesta Casa. Deveria notificar o cidadão, tem um sistema de identificação, então olhava se não é um carro ‘pokémon’, em débito financeiro ou com procedências ilícitas. Na segunda notificação, se for flagrado, apreende o carro. Já vi essa situação de perseguição em vários locais da cidade. Vi uma perseguição no final da avenida João Durval horrorosa, ia dar atropelo e tudo. Todo mundo sabe onde são os pontos, só é chegar nos pontos, colocar gente disfarçada e pegá-los nos pontos”.

Também em aparte, o vereador Pablo Roberto (PHS) afirmou que este tipo de comportamento não é uma determinação da SMTT. “Se aconteceu uma perseguição não é uma orientação da Secretaria. Estive conversando com o secretário. Existe uma determinação que não é para ocorrer perseguição, mas concordo com o vereador David que devemos tomar providências. Não consigo entender como um cidadão paga R$ 2 mil de multa e o carro fica apreendido 15 dias, para pagar pátio”, disse.

O vereador continuou: “estive na Procuradora do Município, esta semana, solicitando informações a cerca da denúncia do vereador Alberto Nery sobre pagamento do guincho, de forma ilegal. Parou em local, paga multa, paga o pátio, precisamos adotar medidas. Nós aprovamos a lei que hoje a Secretaria adota essa medida. O que e mais grave é essa situação, não pode ter o veículo apreendido e ainda fica 20, 30 dias com o carro apreendido”, reclamou.

O vereador José Carneiro (PSDB) também participou do debate. “Concordo com o vereador Pablo Roberto, mas não podemos responsabilizar a Secretaria, pois está agindo de acordo com lei aprovada nesta Casa. Existe lei municipal que determina que, além de cobrar R$ 2 mil de multa, o veículo ficar apreendido por ‘x’ dias. Se quer mudança, tem que mudar a lei, não é de forma arbitrária que o secretário está fazendo”, salientou.

Retomando a palavra, o vereador Isaías de Diogo pediu atitude, e não apenas discurso. “Só no microfone. Vamos ter atitude. Tem minha assinatura e tem meu voto, mas a gente ficar aqui só no discurso dizendo que precisa multar. As pessoas não querem isso, querem uma resposta desta Casa”, disse.

O vereador David Neto (DEM) voltou a utilizar o aparte. “Quero parabenizar Vossa Excelência. Quando chegamos aqui já encontramos e não tem suporte legal manter o veículo apreendido por 10 dias, após pagar os tributos. Apreensão tudo bem, mas reter no pátio é ilegal”, afirmou.

Isaías concluiu o discurso dizendo que o comportamento inadequado não é apenas do motorista do transporte clandestino, é também do funcionário da SMTT que dirige em alta velocidade, pondo em risco a vida das pessoas. Em sua opinião, ambos têm que ser punidos.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br