Doação de medula óssea na Bahia supera meta nacional para estados

Cresce número de doadores de medula na Bahia.

Cresce número de doadores de medula na Bahia.

Há três meses, o empresário Bruno Ribeiro passou por uma experiência que mudou a sua vida e a de alguém que não conhece: ele doou medula óssea. Bruno faz parte dos milhares de baianos cadastrados na Fundação de Hematologia e Hemoterapia (Hemoba), que no ano passado recebeu 27 mil novos voluntários. O número, 30% maior em relação ao de 2014, superou a meta nacional para os estados brasileiros, de 20 mil novos doadores.

Nos três primeiros meses de 2016, mais de cinco mil baianos se integraram à rede de doadores. Como a possibilidade de compatibilidade é de uma em cada grupo de 100 mil pessoas, quanto maior o banco de doadores, maior a chance de se encontrar pacientes que necessitam de nova medula e de realização do transplante.

Sensação gratificante

No caso de Bruno, o período entre o cadastro, em 2011, e o chamado para conferir a compatibilidade com o receptor foi de quase cinco anos. No tempo de espera, todos os voluntários integram o Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome), que localiza possíveis receptores em todo o País. Após alguns meses de exames e espera, ele fez a doação.

“Todo esse processo vale a pena. É muito gratificante e tudo começou de uma maneira tão simples, com o cadastro. Penso que todas as pessoas deveriam procurar a Hemoba para fazer isso, deixar um pouco o medo de lado e se informar mais. São só 5 mL de sangue, e não dói muito”, ressalta Bruno.

De acordo com ele, “a experiência vai ficar marcada na minha vida para sempre. Doar em vida é incrível. A oportunidade de ter essa sensação é muito gratificante. Doei sem saber quem era o receptor, e eu espero que a pessoa que recebeu [a medula] também passe esse gesto adiante, de ajudar alguém sem olhar a quem”.

Cadastramento

Para se cadastrar é bem simples. O voluntário precisa ter idade entre 18 e 55 anos e comparecer à sede da Hemoba, na Avenida Vasco da Gama, ou aos postos móveis de coleta. Na fundação é preenchida uma ficha com os dados pessoais e retirada uma amostra de 5 a 10 mL de sangue.

Este ano, na Bahia, já foram convocados 36 voluntários para verificar a compatibilidade com pacientes que tenham linfoma e leucemia. Para essas pessoas, não só o cadastro é importante, mas também a doação de sangue, como explica a diretora de Hemoterapia da Fundação Hemoba, Iraildes Santana.

“Esses receptores, durante o tratamento para receber o transplante, necessitam de acompanhamento hospitalar e de transfusão de sangue. Por isso eu deixo o meu convite, aos que desejam [doar] e aos que já são doadores de medula óssea, para se tornarem também doadores de sangue porque essa é mais uma forma de ajudar a quem precisa de transplante”.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br