Desembargador Baltazar Miranda Saraiva concede tutela provisória de urgência determinando que 70% dos servidores do Município de Camaçari retornem às atividades

Desembargador Baltazar Miranda Saraiva, ao analisar o conflito entre o direito de greve e o direito aos serviços essenciais, concedeu tutela provisória de urgência determinando que 70% servidores do Município de Camaçari retornem às atividades.

Desembargador Baltazar Miranda Saraiva, ao analisar o conflito entre o direito de greve e o direito aos serviços essenciais, concedeu tutela provisória de urgência determinando que 70% servidores do Município de Camaçari retornem às atividades.

O Desembargador Baltazar Miranda Saraiva, do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (TJBA), concedeu tutela provisória de urgência determinando o imediato retorno às atividades de 70% (setenta por cento) dos servidores públicos do Município de Camaçari, sob pena de pagamento de multa diária de R$ 100 mil. A decisão foi proferida na quarta-feira (27/10/2016) em ação ajuizada pela administração municipal contra o Sindicato dos Servidores Públicos do Município de Camaçari (SINDEC) e o Sindicato dos Professores do Município de Camaçari (SISPEC).

Ao decidir sobre o tema, o desembargador abordou a essencialidade dos serviços públicos para a vida da comunidade, face o direito à livre associação sindical e o direito de greve aos servidores públicos civis, reconhecido pelo Supremo Tribunal Federal (STF), através do julgamento do Mandado de Injunção nº 712/PA, sendo aplicável o regime previsto na Lei nº 7.783/89.

Ao proferir a decisão, o Desembargador Baltazar Miranda Saraiva cita que o direito de greve dos servidores está garantido, “desde que atendidas as peculiaridades do serviço público, especialmente das atividades de certas categorias que o compõem, relacionadas à manutenção da ordem, da segurança e da saúde públicas, bem como das atividades indelegáveis que integram as chamadas carreiras de Estado.”

O desembargador declara que a greve envolve os servidores da saúde e da educação, e “que tanto a educação quanto a saúde constituem direitos sociais fundamentais, nos termos dos artigos 6º, 196, 197 e 205 da Constituição Federal.”.  Baltazar Miranda Saraiva infere que “acima de qualquer outra consideração, não se pode perder de vista que a saúde e a educação das pessoas são bens jurídicos de valor inestimável e, por isso mesmo, tutelados pela Constituição Federal.”.

Direitos Fundamentais

Analisando a amplitude dos direitos constitucionais da saúde e da educação, o desembargador arguiu que:

– Em relação à saúde, importante registrar que, justamente por se tratar de bem de extraordinária relevância à vida e à dignidade humana, foi elevada pela Constituição Federal à condição de direito fundamental do homem, manifestando o legislador constituinte constante preocupação em garantir a todos, uma existência digna, consoante os ditames da justiça social.

– Em relação à educação, muito embora não esteja elencada no rol do art. 10 da Lei nº 7.783/89, por todo o exposto, resta clara a pretensão do constituinte de elevá-la à categoria de serviço público essencial, cabendo ao Poder Público implementar medidas para viabilizá-lo, sob pena de responsabilidade da autoridade competente (art. 208, §§ 1º e 2º, da CF).

Greve

A greve dos servidores completou, no dia 27, 31 dias de paralisação. Observa-se que a Prefeitura de Camaçari apresentou documentação comprovando que índice de gasto com a folha de pessoal é de 53,02% da sua Receita Corrente Líquida (RCL), e que foi proposto aos servidores um reajuste de 2% no mês de maio e 8,67% no mês de outubro de 2016. Mas, a proposta foi rechaçada pelos sindicatos.

A administração municipal informou, na peça processual, que os sindicatos mantiveram o movimento grevista, paralisando quase 100% das atividades. “O que torna a greve ilegal e abusiva, com flagrante viés político em face do ano eleitoral”.

Com a decisão do desembargador Baltazar Miranda Saraiva, fica assegurado o direito da comunidade à prestação dos serviços públicos.

Baixe

Decisão do Desembargador Baltazar Miranda Saraiva sobre ‘Direito de Greve’

Outras publicações

O novo Ministro da Justiça | Por Baltazar Miranda Saraiva Wellington César Lima e Silva assume o Ministério da Justiça. Baltazar Miranda Saraiva é desembargador do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia....
Vice-presidente da ANAMAGES, Baltazar Miranda Saraiva é convocado como Desembargador Substituto do TJBA Baltazar Miranda Saraiva assume cargo de desembargador do TJBA. O Vice-Presidente da ANAMAGES (Associação Nacional dos Magistrados Estaduais) da reg...
TJBA aprova Moção de Pesar pelo falecimento do desembargador aposentado José Bispo Santana Desembargador aposentado José Bispo Santana recebe homenagem póstuma do TJBA. Na sessão plenária ordinária do Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA) re...

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: diretor@jornalgrandebahia.com.br.