Deputado Valmir Assunção defende secretário da Contag durante oitiva: “querem criminalizar os movimentos

Deputado Valmir Assunção defende secretário da Contag.

Deputado Valmir Assunção defende secretário da Contag.

A oitiva do secretário de Finanças e Administração da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Aristides Santos, na Comissão Parlamentar de Inquéritos (CPI) – que investiga supostas irregularidades na Funai e no Incra, foi marcada por mais um acirrado debate parlamentar e com inúmeras contradições. Na sessão de quarta-feira (13/04/2016), deputados da oposição e da base governistas voltaram a discutir diferentes interpretações sobre uma fala de Aristides durante encontro de movimentos sociais com a presidente Dilma. O federal Valmir Assunção (PT-BA), militante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), defendeu Aristides de “um linchamento protagonizado por membros das bancadas ruralista e da bala”. De acordo com Assunção, os deputados que estão na comissão distorceram a fala do representante da Contag “para criar um clima de terror e para criminalizar os movimento de luta pela terra”.

“Eles sabem que a frase utilizada por Aristides não tem nada a ver com movimentos sociais invadirem seus gabinetes e nem casas de ninguém. O que querem aqui é constranger essa liderança e utilizar a comissão como um palanque por conta do debate do impeachment”, declara Valmir. O petista ainda aponta que os oposicionistas deveriam explicar como os governos do PSDB, há 20 anos, no Eldorado Carajás, assassinaram 21 sem terras. “Deveriam explicar e pedir desculpas ao povo brasileiro como o governo do PSDB, em Minas Gerais, recentemente, mandou a polícia despejar os sem terras na Fazenda Alegria, cinco sem terras foram assassinados”. Assunção também lembra do recente caso no Estado do Paraná, governado pelo PSDB, onde dois integrantes do MST foram mortos por policiais locais.

“É isso que deveriam estar explicando aqui, mas querem constranger e passar uma imagem para os pequenos agricultores, para os trabalhadores brasileiros que ‘Alberto é uma pessoa boa, e Aristides não é uma pessoa boa’. Esse é um debate que nós temos que resolver”. Ainda conforme Valmir, a Contag cumpre um papel fundamental nesses 52 anos para a população brasileira. Ele se refere aos pequenos agricultores, trabalhadores rurais “que passaram a ser respeitados devido ao trabalho e empenho de todos os diretores que passaram pela Contag”. “A confederação cumpriu um papel fundamental para o desenvolvimento do campo brasileiro, deveríamos aqui prestar uma homenagem e não criminalizar a Contag, como muitos querem fazer”.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br