As eleições e a Democracia brasileira

Em um regime democrático o poder de decisões políticas ocorre através da vontade do povo por meio de representantes eleitos pelo voto. Desta forma deveria funcionar a Democracia em qualquer país de regime democrático, inclusive no Brasil.

No entanto não é assim que acontece no Brasil, onde as eleições, que também deveriam ser integralmente determinantes para eleger os representantes legais do povo, não tem seus resultados respeitados pelos perdedores e por uma mídia com interesses escusos.

FOTO: Apeixoto

FOTO: Apeixoto

Em sociedades democráticas onde domina o Estado de Direito, não há mais – pelo menos é o que se espera – espaço para fanáticos golpistas e ultraconservadores de direita. Um golpe à democracia, com certeza absoluta, conduziria o País em direção à uma guerra civil ou a uma nova ditadura militar. Além de ser a última situação totalmente inconstitucional.

Porém, se infelizmente ocorrer o golpe, com que moral as autoridades irão convocar o cidadão brasileiro nas próximas eleições para registrar seu voto nas urnas, já que o voto do eleitor brasileiro não tem mais valor nenhum? O eleitor brasileiro está sendo transformado em um palhaço de um circo midiático, cujos interesses são de colocar no poder quem bem for do seu interesse. É preciso lembrar a estes golpistas de segunda, que nós, cidadãos brasileiros, não somos palhaços, ou simplesmente massa de manobra.

Será que teremos que voltar a votar no “macaco Tião” como forma de protesto?

O Artigo 14 da Constituição Federal que se refere aos Direitos Políticos dispõe que “A soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos…”.

A soberania esta, ameaçada pela velha direita derrotada nas eleições e pela mídia golpista que apoiou a ditadura militar nos anos de chumbo.

A atual conjuntura política brasileira infelizmente nos leva a crer que estamos em plena rota para uma guerra civil, ou até, quem sabe, a volta da ditadura militar. Que Deus nos proteja, porque nada disso vem ao caso.

Sobre o autor

Alberto Peixoto
Antonio Alberto de Oliveira Peixoto, nasceu em Feira de Santana, em 3 de setembro de 1950, é Bacharel em Administração de Empresas pela UNIFACS, e funcionário público lotado na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia, atua como articulista do Jornal Grande Bahia, escrevendo semanalmente, é escritor e tem entre as obras publicadas os livros de contos: 'Estórias que Deus Duvida', 'O Enterro da Sogra, 'Único Espermatozoide', 'Dasdores a Difícil Vida Fácil', participou da coletânea 'Bahia de Todos em Contos', Vol. III, através da editora Òmnira. Também atua incentivador da cultura nordestina, sendo conselheiro da Fundação Òmnira de Assistência Cultural e Comunitária, realizando atividades em favor de comunidades carentes de Salvador, Feira de Santana e Santo Antonio de Jesus. É Membro da Academia de Letras do Recôncavo (ALER), ocupando a cadeira de número 26. Saiba mais visitando: http://www.albertopeixoto.com.br